Precedente para acabar com áreas protegidas

Foi só o ministro do meio ambiente Carlos Minc prometer que desta vez vai extinguir a Floresta Nacional de Roraima para parlamentares rondonienses com currículos recheados de crimes ambientais começarem a mexer seus pauzinhos para acabar com outras unidades de conservação. Invadida e degradada, a Floresta Nacional de Bom Futuro virou um dos alvos, junto com a Floresta Nacional do Jamari e até o Parque Nacional dos Campos Amazônicos.

Por Salada Verde
28 de agosto de 2008

Índios e Roraima para um garimpeiro

Um dia após suspensão do julgamento sobre área Raposa Serra do Sol, o blogueiro Altino Machado entrevista um xará que foi líder garimpeiro e invasor de terras em Roraima nos anos 80.

Por Salada Verde
28 de agosto de 2008

De Altino para Altino

Altino respondeu para Altino que o julgamento do STF sobre Raposa Serra do Sol é uma vitória da “falta de cultura e da falta de verdade histórica” e chega a questionar se os índios são “nacionais”. O garimpeiro, que conhece bem o norte de Roraima, acusa os índios de serem uma “reles utopia” e que estejam divididos entre si. Diz ainda que os macuxi não podem ter direitos originais porque são migrantes caribenhos, e que todos eles estão em busca de diamantes. Altino ainda arriscou uma avaliação da gestão Carlos Minc a frente do Ministério do Meio Ambiente, opinando que a “cadeira do poder mexeu com a cabeça dele”. E falou mais sobre a composição amazônica, do seu ponto de vista. “A Amazônia é uma região de pessoas para lá de excepcionais. Ela suga de todas as regiões as pessoas mais rebeldes do sistema social brasileiro, que não aceitam a mendicância, o comando ditatorial de governos”.

Por Salada Verde
28 de agosto de 2008

Agronegócio de vento em popa

O Ministério da Agricultura divulgou hoje que o agronegócio que detona o nosso Cerrado em Goiás, Mato Grosso, Bahia e Mato Grosso do Sul vai muito bem, obrigado. As exportações superaram em mais de 100% os volumes de 2007. O excelente desempenho se deve à soja em grãos, farelo de soja, óleo de soja, leite em pó, açúcar e carne suína e de frango industrializada e couro bovino.

Por Salada Verde
28 de agosto de 2008

Brasil reage e ultrapassa argentinos

Se a gente fosse bom de futebol olímpico como é de queimada, tínhamos sido medalha de ouro. Na madrugada reagimos e hoje estamos quase 600 focos na frente da Argentina. De virada.

Por Salada Verde
28 de agosto de 2008

Placar do fogo na América do Sul

Pelo que registram os satélites que servem ao Inpe, o placar sul americano de queimadas hoje é o seguinte: o Brasil segue na frente com 4 mil 496 focos seguido pela Argentina, com 3 mil 908. Mais atrás, na disputa pela medalha de bronze, estão Paraguai, com 1 mil 101 focos, e Bolívia, com 899.

Por Salada Verde
28 de agosto de 2008

A Argentina arde mais que o Brasil

Os satélites do Inpe registravam hoje 6824 focos de calor, leia-se queimadas, em três países sul americanos. Quem mais arde é a Argentina. Estamos em segundo, na frente do Paraguai.

Por Salada Verde
27 de agosto de 2008

Aqui, o líder voltou a ser o Mato Grosso

Aqui no Brasil, a liderança em pirotecnia foi recuperada pelo Mato Grosso de Blairo Maggi, que hoje estava com 729 focos de calor captados em seu território. Nos céus do estado sopra um bafo quente que esparsa a névoa de poluição que se instalou definitivamente sobre a região. Diz a previsão que amanhã vem chuva. Tomara.

Por Salada Verde
27 de agosto de 2008

Queimada ao vivo

O Greenpeace tentou exibir em seu site nesta manhã uma queimada ao vivo na Amazônia. Não deu para ser em tempo real, mas as imagens foram recuperadas e estão disponíveis na página da organização. A intenção era transformar o triste e recorrente evento num espetáculo para sensibilizar pessoas que não vivem na região amazônica sobre a importância da prevenção das chamas.

Por Salada Verde
27 de agosto de 2008

Indonésia em chamas

As queimadas, infelizmente, não acontecem apenas no Brasil. Nesta época do ano, elas praticamente tomam conta do cinturão tropical do planeta. Essa imagem capturada pelos satélites da Nasa mostra a extensão das chamas, no início de agosto, na Indonésia. Lá, como aqui na América do Sul, a maioria das queimadas são produzidas por mãos humanas, para acelerar a derrubada de árvores por madeireiros ou limpar áreas de floresta para gado e plantações. Mas ao contrário do que acontece nessas nossas bandas, o fogo ateado em solo indonésio, graças a sua grossa cobertura de biomassa, queima com mais intensidade e gera muito mais fumaça. Na estação de queimadas, ela avança sobre os céus da Malásia e Cingapura e atrapalha o tráfegoi de aviões e navios no Sul da Ásia.

Por Salada Verde
27 de agosto de 2008