Reportagens

Fim da folia

Ibama tenta retomar controle de reserva biológica no Maranhão deixada ao Deus dará. Desmatamento chega a 30% da área, que tem último pedaço de floresta amazônica no estado.

Eric Macedo ·
8 de março de 2007 · 15 anos atrás

Domingo de carnaval. Um dia inusitado para começar a pôr ordem numa das unidades de conservação mais maltratadas do país. No 18 de fevereiro, cerca de 30 veículos entraram na Reserva Biológica do Gurupi, a 200 quilômetros de Imperatriz, no Maranhão. Dentro deles, mais de cem homens do Ibama, Exército, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Federal desistiam dos últimos dias de folia para se embrenhar num dos únicos remanescentes de floresta amazônica do estado. Ficarão acampados lá por tempo indeterminado, com a missão de fazer com que o Estado finalmente esteja presente numa área que deveria ter sido protegida desde o fim da década de 80.

A categoria de Reserva Biológica implica em unidades com alto nível de proteção – o acesso é (ou deveria ser) muito restrito. Só se pode pisar na reserva se a finalidade da visita for pesquisa ou educação ambiental. Mas Gurupi, que tem 273 mil hectares, recebe muitas pessoas. E a maioria não carrega bloquinhos, instrumentos de medição e de coleta científica. Levam motosserras. Um estudo do início da década estimava que 20% da vegetação da reserva tinha vindo abaixo por causa da ação dos madeireiros. Para a gerente do Ibama do Maranhão, Marluze Santos, esse número pode chegar a até 30%. “Mas como estamos falando da floresta amazônica, esperamos que ela volte a crescer quando as agressões pararem”, pondera.

Depois de duas semanas de operação, foram apreendidos 13 veículos e um volume de madeira equivalente a cerca de 20 caminhões. Seis pessoas foram presas. Porém, segundo o coordenador de operações substituto do Ibama, Rodrigo Almeida, apreensão de madeira e fechamento de serrarias não são o objetivo principal dessa operação, que atua somente dentro da reserva. A idéia é fazer com que aquelas terras voltem ao domínio do Ibama, mapeando os problemas e identificando os responsáveis. “Isso, num primeiro momento”, explica. “Depois começaremos a pensar nas remoções, que são mais complicadas”. Rodrigo estima que serão necessários pelo menos seis meses de trabalho antes que a operação seja considerada terminada.

Mau começo

A história da destruição de Gurupi começa antes da criação da reserva, em 1988. Quando a unidade de conservação foi decretada, a área já estava ocupada por pessoas com os mais variados graus de legalidade na posse da terra. Muitas das propriedades eram griladas, ainda que nem sempre o crime tivesse sido cometido pelo seu atual dono. Com isso, a retirada dessas pessoas foi se complicando, uma vez que o Ibama não pode pagar indenização a quem não tem a papelada regularizada. Enquanto a situação se arrastava, estradas eram abertas e a madeira retirada sem a menor cerimônia.

Em poucos anos, a área se tornou terra sem lei, com os proprietários fazendo o que bem entendessem. A sede do Ibama na Rebio sobreviveu a intimidações e ameaças até o ano 2000, quando os dois analistas ambientais e 11 técnicos tercerizados foram removidos para um prédio novo em Piquiá, a cerca de 140 quilômetros da unidade. Desde essa época, segundo Marluze, o Ibama planeja retomar o controle da região, algo absolutamente impossível com uma dúzia de pessoas. Anos se passaram até que a ação em curso agora fosse posta em prática.

A Reserva Biológica do Gurupi fica numa área considerada importante para conservação, entre a Amazônia, o Cerrado e a Caatinga. É lar de espécies raras, como a ararajuba, a cairara-ka’apor (Cebus kaapori) e o cuxiú-preto (Chiropotes satanas). Segundo o biólogo da Universidade Federal do Maranhão Tadeu Oliveira, que faz um trabalho de mapeamento dos mamíferos da reserva, cerca de 70% a 80% da área já foram afetadas pelas atividades humanas. Entrentanto, a biodiversidade ali ainda é imensa, o que faz com que seja importante recuperar a área.

Inversão

O pesquisador teve que deixar a reserva em 2002, por conta de ameaças. “Os criminosos associam os pesquisadores com o Ibama”, explica. Ele diz que a atividade madeireira é o problema mais grave da Reserva, mas conta que também há criação de gado, trabalho escravo e até plantações de maconha. Tadeu entrou em 2004 com um pedido para que o Ministério Público Federal interviesse na situação. Desde então, o MPF pediu diversas vezes ao Ibama que retomasse o controle da área, o que só agora está sendo feito.

O biólogo acredita já ter condições de retomar a pesquisa, apesar da desordem ainda reinante até o mês passado. “Mas eu não posso voltar porque o Ibama não renovou a minha licença, por conta de problemas burocráticos”, conta. Há mais de um ano o pedido de renovação se arrasta em Brasília, apesar de toda a documentação necessária ter sido enviada. “O irônico é que se eu quisesse entrar para desmatar, entrava. Todo mundo entra”, reclama.

Leia também

Análises
27 de janeiro de 2022

Um lugar para as onças da Mata Atlântica na Década da Restauração

A Mata Atlântica é um pacote completo, com onças e tudo; é preciso urgentemente nos conscientizarmos que uma floresta sem bichos não tem futuro

Colunas
26 de janeiro de 2022

O que você levaria se tivesse que abandonar sua casa em 1 minuto?

Migração forçada por causa de fatores climáticos serão cada vez mais frequentes e atingirão mais pessoas. É preciso focar em políticas públicas para mitigar seus impactos

Reportagens
26 de janeiro de 2022

Especialistas criticam medidas de curto prazo adotadas contra a estiagem no Rio Grande do Sul

Governo estadual e representantes do agronegócio pedem recursos para cobertura de prejuízos, abertura acelerada de poços artesianos e até barramentos em áreas de preservação permanente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta