Análises

Até quando seguiremos pressionando o planeta de forma inconsequente e totalmente inviável?

O pagamento do impacto não mitigável, na forma de ações compatíveis para proteger o patrimônio natural, precisa se tornar uma obrigação ética, uma cobrança de toda a sociedade

Clóvis Borges ·
25 de abril de 2023

Já passou da hora de entendermos que não há alternativa senão “por a mão no bolso” e pagar o que devemos à natureza. Sem um cessar generalizado na passividade dos negócios, que ignoram o fato de que não podem ser sustentáveis e que necessitam e usam da natureza para poder existir, seguiremos pressionando o planeta de maneira inconsequente e totalmente inviável.

Reconhecer o valor e o custo da natureza é uma postura tão evidente que, em breve, quem não aderir a essa prática, deve ser considerado desleal com a sociedade. Medir o custo ambiental dos negócios permite apontar quais são os mais danosos ao meio ambiente, descortinando atividades econômicas com a tendência de mudar processos ou desaparecer, em função dos excessivos impactos que causam. E quais são aquelas que precisam ser efetivadas para fazer frente ao novo normal que estamos vivendo? 

De qualquer maneira, o pagamento do impacto não mitigável, na forma de ações compatíveis para proteger o patrimônio natural, precisa se tornar uma obrigação ética, uma cobrança de toda a sociedade, a ponto de haver perda drástica de mercado aos que não aderirem à nova postura dos negócios: pagar para a natureza o valor real de suas atividades conforme os danos causados ao meio ambiente.

Em paralelo as buscas por avanços tecnológicos, que certamente seguirão de forma expressiva e continua, o reconhecimento do custo da natureza é uma prioridade a ser assumida de forma generalizada e no curto prazo. Tal cenário, se implantado de forma ampla, permitirá melhor enquadramento dos negócios, eliminando lucros exacerbados à custa de prejuízos que acabam sendo coletivizados.

Mudanças climáticas e perda da biodiversidade seguem com números negativos. Nem de perto estamos obtendo resultados suficientes para reverter o quadro de crise ambiental global. Ou seguiremos uma nova cartilha e de forma acelerada, ou o que já é uma emergência se tornará uma catástrofe continuada e com incrementos constantes.

Nossa inércia irresponsável já custa muito, embora ainda não estejamos acostumados a reconhecer os prejuízos dos desequilíbrios climáticos na contabilidade de corporações e de governos. O Dia da Terra, lembrado em 22 de abril, simboliza muito, mas não pode seguir sendo um momento breve de reflexão superficial e descompromissada. Sem mudanças efetivas e de curto prazo, estaremos cavando cada vez mais fundo um buraco que poderá rapidamente se transformar num obstáculo intransponível.

As opiniões e informações publicadas nas sessões de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

  • Clóvis Borges

    Diretor executivo da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS)

Leia também

Análises
21 de abril de 2023

Dia da Terra: o que está em jogo na COP28 em Dubai

Combustíveis fósseis ainda são entrave para avanço; pendências se somam à expectativa por definição sobre fundo de perdas e danos atribuídos às mudanças climáticas

Análises
15 de dezembro de 2022

A importância de uma indústria chamada natureza

O termo "produção de natureza" enfatiza a condição existente nas áreas bem protegidas e com alta biodiversidade de produzir insumos dos quais não podemos abrir mão como, por exemplo, a água

Análises
28 de setembro de 2020

A agonia insuportável da onça-pantaneira é a nossa

Observar onças-pintadas morrerem lentamente no meio de queimadas provocadas intencionalmente e em grande escala, mostra que nossa condição de civilidade está num patamar muito abaixo do mínimo aceitável

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 1

  1. MARCO diz:

    “iniões e informações publicadas nas sessões de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.”
    Desde que seja de vies de esquerda que mantem voces financeiramente para propaganda, dos corruptos nos tres poderes da República