Análises

Um olhar sobre 36 anos da Mata Atlântica – o que aconteceu entre 1985 e 2020 e para onde vamos

O bioma mais impactado pela presença humana ao longo de toda a história do país permaneceu com intensa transformação do seu território nas últimas 3,5 décadas

Luís Fernando Guedes Pinto · Marcos Rosa ·
27 de outubro de 2021 · 3 anos atrás

A rede colaborativa Mapbiomas lançou em agosto a sua sexta coleção, com dados sobre o uso da terra no Brasil entre 1985 e 2020.  A nova coleção aprimorou a anterior com uma legenda ainda mais detalhada, que passa a distinguir 25 categorias de uso da terra. As análises foram feitas com mapas de referência de maior resolução e com aprimoramentos no processamento de dados. 

Para a Mata Atlântica há um maior detalhamento das classes de vegetação nativa, com ajustes para a classificação das suas diversas formações florestais. Também houve melhorias na distinção de restingas, campos e savanas do bioma. Chegamos à uma acurácia de 90% para o primeiro nível de hierarquia da legenda dos novos mapas. Todos os dados, mapas, mosaicos de imagens, estatísticas por estados, bacias e municípios, mapas de referência e infográficos podem ser baixados na plataforma do Mapbiomas.

A coleção confirma que a Mata Atlântica é o bioma mais antropizado do país. Isto é, 69% do seu território está alterado pela presença humana, com o uso agropecuário, a construção de cidades e estradas substituindo a vegetação natural original. Desta, restou 31%, sendo 26% de formações florestais e o restante composto por campos e savanas.

Entre 1985 e 2020 houve uma significativa redução da área de pastagens, que diminuiu de 40 para 28,5 milhões de hectares. Por outro lado, a área de agricultura aumentou de 10 para 18 milhões de hectares e a de silvicultura (plantio de árvores exóticas), de 0,8, para 3,8 milhões de hectares. Como tudo no Brasil, são áreas imensas transformadas, que impactam a paisagem e os serviços ecossistêmicos em grande escala.

Estas mudanças foram mais intensas em alguns estados. Destaca-se a grande redução de pastagem e o aumento da agricultura no Mato Grosso do Sul e em São Paulo e o crescimento da silvicultura em Santa Catarina, no Paraná e na Bahia.

Embora os dados apontem para uma certa estabilidade da cobertura de florestas, com uma queda de 27% para 26%, este 1% perdido neste período corresponde a 1,3 milhões de hectares ou quase metade de Alagoas de florestas a menos. Embora a taxa de desmatamento tenha caído significativamente nestas 3,5 décadas, ainda perdemos uma média de 30 mil hectares de florestas da Mata Atlântica por ano, o que é muito para o bioma mais ameaçado do Brasil. 

Além disso, esta área praticamente estável de florestas oculta uma dinâmica preocupante. A perda líquida de 1 milhão de hectares ente 1985 e 2020 é resultado da perda de 10 milhões de hectares de florestas maduras e da regeneração de 9 milhões de hectares de florestas jovens. Estamos perdendo as matas que abrigam as espécies mais raras e ameaçadas e que tem o maior estoque de carbono e substituindo por florestas jovens, que são muito importantes, mas podem demorar muitas décadas para recuperar uma qualidade próxima das florestas mais antigas. E grande parte das florestas jovens ainda são cortadas antes de atingirem a maturidade.

Os novos dados esclarecem esta dinâmica ao longo do tempo e do espaço. Entre 1990 e 2000 houve uma perda de 670 mil ha de florestas, com perdas em quase todos os estados, liderados pelo Paraná, Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Bahia, Minas Gerais e São Paulo. Entre 2000 e 2010 houve um ganho de vegetação de 570 mil ha e podemos batizar esta como a década da recuperação das matas do bioma. O ganho ocorreu em muitos estados, com destaque para Minas Gerais, Paraná, São Paulo e Espírito Santo. As perdas líquidas mais relevantes ocorreram somente na Bahia, Ceará, Paraíba e Santa Catarina. Porém, infelizmente a tendência de recuperação se reverteu na década seguinte – 2010-2020 – quando perdemos 190 mil hectares. A perda do bioma foi resultado de estados que voltaram a ter grandes taxas de desmatamento (Minas Gerais, Santa Catarina, Bahia e Piauí), que comprometeram a pequena recuperação que aconteceu em todos os outros estados. O destaque ficou para São Paulo, que manteve uma alta taxa de recuperação das florestas nas duas últimas décadas.   

Os dados da cobertura florestal por bacia hidrográfica mostram que a estabilidade de vegetação nativa em um bioma muito devastado é insuficiente para preservar e recuperar os serviços ecossistêmicos. Há bacias com cobertura florestal menor que 25% e diversas que tiveram diminuição da cobertura florestal entre 1990 e 2020. A bacia do Paraná (muito importante para o abastecimento de água de muitas cidades e para a geração de eletricidade) teve redução da área de florestas de 24% para 19% entre 1990 e 2020.

A baixa cobertura florestal ocorre em bacias de regiões que tem atravessado crises hídricas e risco de baixa produção de hidroeletricidade, como dos rios Grande e Tietê, ambas com apenas 20% de cobertura florestal e, portanto, mais vulneráveis aos períodos de secas extremas ou menor precipitação, que serão cada vez mais intensos e frequentes. A estabilidade da cobertura florestal em um período em que houve aumento da população e do consumo de água para abastecimento, geração de energia, aumento da produção agrícola e do consumo de água para irrigação não é suficiente para garantir a segurança hídrica. É necessária uma política de incentivo e planejamento de ações para restauração de floresta em áreas de nascentes e no entorno dos rios.

Os novos dados revelam que pelo menos dois terços das florestas perdidas entre 1985 e 2020 estavam em terras privadas, apesar da proteção da Lei da Mata Atlântica e do Código Florestal, com um possível duplo desrespeito à legislação de grande parte destes desmatamentos. Metade dos remanescentes florestais atuais encontram-se nessas terras privadas e os dados mais recentes apontam que menos de 1% deles são responsáveis por desmatamentos. Isso indica que as estratégias de conservação e restauração da Mata Atlântica deve envolver um diálogo e parceria com os produtores.

A boa notícia é que houve um ganho de 3% da vegetação nativa em áreas protegidas, que abrigam 11% da vegetação nativa do bioma. Isto confirma a importância e a eficácia das terras indígenas e das unidades de conservação para a proteção da biodiversidade e a sua importante contribuição para combater o aquecimento global.

Em resumo, o bioma mais impactado pela presença humana ao longo de toda a história do país permaneceu com intensa transformação do seu território nas últimas 3,5 décadas. Esta modificou a sua paisagem, que repercute na região mais densamente habitada do Brasil e onde a relação natureza-humanidade é mais intensa. E a trajetória destes últimos anos aponta que para atingir um destino seguro é necessário inteligência territorial, conservação da vegetação atual e um planejamento da conservação.             

A maioria dos sinais internacionais apontam para oportunidades para a sua restauração (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, Década da Restauração, Acordo de Paris, Convenção da Biodiversidade e muitos outros). Além disso, isto é uma necessidade para o Brasil enfrentar um planeta com clima cada vez mais instável e imprevisível. E, apesar de também termos uma governança formal estabelecida para conduzir ao fim do desmatamento e à recuperação em grande escala da vegetação nativa da Mata Atlântica, seu futuro ainda depende da vontade política e do compromisso do governo federal e dos governos estaduais e dos agentes de mercado que influenciam a economia e o uso da terra na região. 

As opiniões e informações publicadas nas seções de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

Leia também

Notícias
21 de maio de 2024

Países liberam rios para salvar peixes migradores

Declínio chega a 91% na América Latina, mas Brasil quer barrar ainda mais cursos d’água, sobretudo na Amazônia e no Cerrado

Notícias
21 de maio de 2024

Degradação florestal na Amazônia é a maior dos últimos 15 anos

Queimadas em Roraima foram responsáveis pelo número. Desmatamento, por sua vez, continua em queda no bioma, mostra SAD, do Imazon

Notícias
20 de maio de 2024

Criação de novo órgão para combate à crise climática preocupa servidores ambientais

Possibilidade foi anunciada por Marina Silva no final de semana. Antes de criar novos órgãos, servidores pedem do governo valorização da carreira ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.