Colunas

Nova Zelândia por mar e por terra

Atrativos do Parque Nacional de Abel Tasman, o menor do país, incluem caminhadas, velejo, caiaques e acampamentos. Tudo em meio a paisagens que lembram o paraíso.

21 de janeiro de 2009 · 15 anos atrás
As caminhadas adicionam mais aventura ao passeio em Abel Tasman, seja nas travessias de rios, pontes ou falésias. (Foto: Stephanie Moody)
As caminhadas adicionam mais aventura ao passeio em Abel Tasman, seja nas travessias de rios, pontes ou falésias. (Foto: Stephanie Moody)
A costa do Tasman pode ser explorada em uma longa caminhada, de até 5 dias, ou com passeios de barco e de caiaque.
A costa do Tasman pode ser explorada em uma longa caminhada, de até 5 dias, ou com passeios de barco e de caiaque.

É durante o verão daquele país, na mesma época do verão brasileiro, que um pequeno parque nacional dá um show particular.  Seu nome é Abel Tasman e, apesar de ser o menor parque do país, não deixa a desejar a nenhum de seus vizinhos.  Pelo contrário, é um dos mais visitados das três Ilhas.

O Parque Nacional Abel Tasman tem 22.530 hectares e fica ao norte da Ilha do Sul.  Seu nome é uma homenagem ao primeiro europeu a ancorar em terras neo-zelandesas, em 1642. Na época, não foi nem um pouco bem recebido:  Tasman e sua frota de dois navios foram expulsos pela tribo Maori Ngati Tumatakokiri, que habitava a região há mais de 500 anos.  Foi apenas a partir de 1855 que seu território foi lentamente ocupado.  A partir de então, parte da floresta foi extraída para a construção de navios e criação de pastos.  

Diante da preocupação com o desmatamento progressivo da costa do país, a proposta para criação de uma área protegida foi concebida na década de 1930.  Em 1942, no 300º aniversário da visita de Abel Tasman, o parque nacional foi criado, com 15.000 hectares.

Quase miragem

Praias, por vezes desertas, são uma recompensa durante qualquer um dos passeios escolhidos no Abel Tasman. (Foto: Ana Leonor)
Praias, por vezes desertas, são uma recompensa durante qualquer um dos passeios escolhidos no Abel Tasman. (Foto: Ana Leonor)

Para o visitante, o grande chamariz do parque nacional está em suas praias de areias brancas e águas límpidas, combinadas com seu relevo montanhoso que beija o mar.  Com montes de granito e algum calcário e mármore, o caminhante pára de contar o número de estuários cristalinos que desembocam em seu litoral.

Os programas preferidos no Abel Tasman são snorkelling, caminhadas pela ilha,  velejo e caiaque.  Para os mais contemplativos, são oferecidos passeios de barco ou, simplesmente, aproveitar para relaxar nas areias quentes em uma de suas praias paradisíacas.

Tanta farra tornou-se viável graças ao trabalho do Departamento de Conservação da Nova Zelândia, que desenvolveu um programa de preservação da natureza visando a minimização do impacto humano naquelas terras.  Seus objetivos vão desde a regeneração da floresta natural ao uso de energia solar, reciclagem do lixo e eliminação do esgoto. Os ministros do Meio Ambiente e do Turismo também se envolveram no projeto, criando  o Nelson-Tasman Sustainable Tourism Charter (Carta de Turismo Sustentável de Nelson-Tasman), onde a importância do envolvimento de comunidades locais foi reconhecida para alcançar uma maior sustentabilidade ambiental e econômica.

O Parque Nacional Abel Tasman pode ser visitado durante todo o ano, já que possui um clima temperado.  A vantagem do verão são suas águas quentes, e, a do inverno, um menor número de visitantes e águas mais calmas.

Por mar

Diante da variedade de programas de lazer que o Abel Tasman oferece, remar de caiaque em suas águas verde-claras está entre as melhores opções. (Foto: Stephanie Moody)
Diante da variedade de programas de lazer que o Abel Tasman oferece, remar de caiaque em suas águas verde-claras está entre as melhores opções. (Foto: Stephanie Moody)

Conhecer o Abel Tasman remando de caiaque é, sem dúvida, o melhor programa.  Do leigo ao experiente, todos podem aproveitar.  Sobretudo porque um pequeno treinamento sempre é oferecido antes do passeio.  Não faltam companhias de turismo com múltiplas opções: dias inteiros; dois dias; e até três.  Também é possível combinar remadas até um destino e depois continuar a pé, explorando outras partes do parque.  A volta, geralmente, também está incluída no pacote, proporcionando mais um passeio de barco.  

A privacidade é um dos trunfos dessa aventura, já que algumas praias têm acesso exclusivo pelo mar.  Para quem escolher um maior grau de dificuldade na travessia, o contorno da baía de Anchorage, ultrapassando a Mad Mile (Milha Louca), serve como desafio. Dali, o vento e as ondas são o bravo competidor que os remadores precisam vencer.  A recompensa vem com o suor no rosto, em forma de praias com água cor de esmeralda e um belo piquenique.  

Para snorkelling e mergulho, vale a pena seguir para a Reserva Marinha da Ilha de Tonga.  Em frente à costa do Abel Tasman, possui uma área de 1.835 hectares, onde golfinhos e focas são visitantes frequentes.

Por terra

O Parque Nacional Abel Tasman é uma jóia incrustada na Ilha do Sul, na Nova Zelândia. (Foto: Ana Leonor)
O Parque Nacional Abel Tasman é uma jóia incrustada na Ilha do Sul, na Nova Zelândia. (Foto: Ana Leonor)

Também é abundante o número de caminhadas no Abel Tasman.  Para os que gostam de passeios mais curtos, existe a comodidade dos táxis marítimos, que podem levar ou buscar o visitante em qualquer ponto da costa, facilitando a escolha do trajeto.

Mas a grande sensação está nas duas caminhadas longas oferecidas.  A mais popular é a Coast Track (Caminho da Costa), que faz parte das Great Walks (Grandes Caminhadas) da Nova Zelândia. Esse título representa o que o país tem de melhor no nível de caminhadas, no que se refere à paisagem e manutenção.  Nessa trilha de 52 quilômetros, o caminhante aproveita para conhecer parte da floresta do parque, assim como algumas de suas mais belas praias.  

Para os que gostam de variar, a Inland Track (Trilha do Interior) oferece a experiência de caminhar por dentro do parque, passando por florestas e rios, além de uma visita ao monte Takaka.  Em três dias de caminhada, 37,5 quilômetros são percorridos.

Para ambas as caminhadas, reservas são obrigatórias.  Também é possível escolher acampar ou ficar em abrigos construídos ao longo das trilhas, onde há colchões, banheiro e água potável.

Onde ficar

A experiência de pernoitar no parque é aconselhável, aproveitando o céu estrelado e a tranquilidade que o contato com a natureza oferece.  Oito abrigos são distribuidos ao longo das duas trilhas de longa duração, além de campings com banheiros e chuveiros de água fria.

Para um maior conforto, as cidades de Mouteka, Takaka e Kaiteriteri oferecem pousadas e hotéis, para todos os gostos e orçamentos.  

Para quem conhece e gosta da Ilha Grande, perto da divisa do Rio de Janeiro com São Paulo, imagine um lugar parecido, mas com super infraestrutura de turismo e aventura e dez vezes mais paz:  assim é o Parque Nacional Abel Tasman.

Serviço

Como ir

Aerolineas Argentinas
– vôo do Rio de Janeiro/São Paulo para Auckland a partir de R$ 3.800

Air New Zealand
– vôo de Auckland para Nelson (Ilha do Sul) a partir de US$ 127

Onde ficar

Reservas de acomodação no parque (Departamento de Conservação)

Maharau Beach Camp – Cabines para duas pessoas, com banheiro e cozinha equipada por US$ 38

Awaroa Lodge – acomodação de luxo integrada com a natureza.  A partir de US$ 140, para duas pessoas

Passeios

Wilsons – passeios de caiaque a partir de US$ 60

Kiwi Kayaks – passeios de caiaque. Dois dias combinando caiaque/caminhada a partir de US$ 90

Leia também

Salada Verde
17 de maio de 2024

Avistar celebra os 50 anos da observação de aves no Brasil

17º Encontro Brasileiro de Observação de aves acontece este final de semana na capital paulista com rica programação para todos os públicos

Reportagens
17 de maio de 2024

Tragédia sulista é também ecológica

A enxurrada tragou imóveis, equipamentos e estradas em áreas protegidas e ampliou risco de animais e plantas serem extintos

Notícias
17 de maio de 2024

Bugios seguem morrendo devido à falta de medidas de proteção da CEEE Equatorial

Local onde animais vivem sofre com as enchentes, mas isso não afeta os primatas, que vivem nos topos das árvores. Alagamento adiará implementação de medidas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.