Notícias

Gato no quintal é para os fracos, na Índia eles têm leopardo

Pesquisa indica presença de grandes felinos em áreas ocupadas por humanos e demonstra que leopardos e humanos podem dividir território.

Vandré Fonseca ·
3 de abril de 2013 · 9 anos atrás
Armadilhas fotográficas registram no oeste da Índia leopardos, chacais e hienas durante a noite, nos mesmos locais onde são fotografadas também pessoas de comunidades locais. Fotos: Projeto Waghoba.
Armadilhas fotográficas registram no oeste da Índia leopardos, chacais e hienas durante a noite, nos mesmos locais onde são fotografadas também pessoas de comunidades locais. Fotos: Projeto Waghoba.

Manaus, AM – Se você pensa em ir morar na região de Maharashtra, oeste da Índia, e escolher um lugar longe de áreas selvagens e bastante povoado, não se assuste se um leopardo aparecer no seu quintal numa noite qualquer. Uma pesquisa realizada pela Wildlife Conservation Society (WCS), com base em imagens feitas com armadilhas fotográficas, demonstra que a presença de leopardos e outros carnívoros em áreas povoadas por humanos não significa necessariamente conflitos.

O estudo “Big Cats in Our Backyards” (Grandes felinos em nossos quintais) foi publicado no início de março da revista científica PLoS One. Os autores descobriram que leopardos frequentemente perambulam perto das casas durante a noite, embora na maioria das vezes não são vistos pelas pessoas. Apesar da assustadora presença, há poucos registros de ataques de leopardos na região.

Nas armadilhas foram fotografados também felinos menores, como o gato-ferrugem-pintado (um dos menores felinos do mundo), gatos-da-selva e outros carnívoros, como a civeta-indiana-pequena (uma parente das fossas de Madagascar), a raposa-de-bengala, o chacal-dourado, mangustos e uma grande variedade de pessoas de comunidades locais.

O estudo registrou a presença de 5 grandes carnívoros, como leopardos e hienas, a cada 100 quilômetros quadrados, uma densidade nunca registrada antes em áreas dominadas pela presença humana. “Os ataques de leopardos a humanos são raros, apesar de a situação ser potencialmente instável”, afirma Ullas Karanth, especialista em grandes felinos da WCS. De acordo com ele, em regiões vizinhas os ataques são mais comuns.

Para os autores do estudo, as conclusões mostram que conservacionistas devem se preocupar também com o que acontece fora das áreas protegidas, para salvaguardar a vida selvagem em uma diversidade de paisagens.

Chacais também foram registrados pelas armadilhas fotográficas, além de outros felinos menores e hienas.
Chacais também foram registrados pelas armadilhas fotográficas, além de outros felinos menores e hienas.
A surpresa é que apesar de conviverem no mesmo território, ataques de leopardos a pessoas na região são raros.
A surpresa é que apesar de conviverem no mesmo território, ataques de leopardos a pessoas na região são raros.

 

Leia também

Reportagens
28 de setembro de 2022

Sem peixes e caranguejos, fome assola comunidades pesqueiras da Baía de Guanabara 

Defensores públicos cobram ações emergenciais e políticas de inclusão social para pescadores, após vistoria em rios e manguezais degradados de Duque de Caxias

Salada Verde
28 de setembro de 2022

Cachoeira azul: Secretaria de Meio Ambiente não encontra alterações na água

Responsável foi identificado e deve ser autuado. Laudo técnico ainda irá definir aplicação de multas e penalidades. Investigação também corre em sigilo no Ministério Público

Reportagens
28 de setembro de 2022

Mudanças ambientais e econômicas pressionam onças-pintadas no Pantanal

Controlar o uso do fogo, consolidar e ampliar áreas protegidas e corredores ecológicos em terras públicas e privadas ajudarão a perpetuar a espécie

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta