Notícias

Pica-pau-dourado-escuro: o primo brasileiro

Neste animal da semana, ((o))eco lança o holofote sobre um pica-pau que não é tão conhecido quanto aquele dos desenhos de sábado pela manhã.

Redação ((o))eco ·
5 de abril de 2013 · 9 anos atrás

No Pantanal, um Piculus chrysochloros subespécie chrysochloros , uma das nove conhecidas. Foto: Cláudio Timm/Flickr.
No Pantanal, um Piculus chrysochloros subespécie chrysochloros , uma das nove conhecidas. Foto: Cláudio Timm/Flickr.

Conta a lenda que o cartunista e produtor Walter Lantz teve a ideia para o seu famoso personagem Pica-Pau (Woody Woodpecker, no original) durante sua lua-de-mel, quando um barulhento pica-pau Dryocopus pileatus bicava incessantemente no telhado de seu quarto. Walter pensou em atirar na ave, mas sua esposa Grace sugeriu que, ao invés disso, o cartunista a usasse como inspiração e fizesse dele um personagem de desenho animado. O resto é história.

O desenho animado popularizou a ave, mas é incapaz de mostrar a variedade de espécies de pica-pau. Ao Sul do Equador, a família picidae é extensa e inclui, dentre tantos, o pica-pau-dourado-escuro (Piculus chrysochloros), nosso homenageado da semana.

Com o personagem animado só guarda semelhança a plumagem vermelha da cabeça, para os machos. As fêmeas, dependendo da subespécie, podem apresentar cabeça verde-oliva (tal qual o dorso) ou amarela. O corpo, seja ele macho ou fêmea, apresenta coloração verde-olivácea no dorso, e amarela barrada em marrom-oliva no ventre.

O p. chrysochloros faz seu ninho em cavidades de árvores, podendo ser encontrado em florestas úmidas, no cerrado e na caatinga, biomas que fornecem os cupins e larvas de casca de árvore, que fazem parte da sua dieta. Para esta tarefa, o pica-pau-dourado-escuro apresenta uma extensa língua, serrilhada e bastante adaptada aos hábitos sondadores.

Atualmente, o complexo piculus chrysochloros engloba nove subespécies de difícil distinção: p. c. aurosus, p. c. xanthochlorus, p. c. chrysochloros, p. c. paraensis, p. c. capistratus, p. c. guianensis, p. c. laemostictus, p. c. hypochryseus e o p. c. polyzonus. Com tantas subespécies e extensa área de ocorrência, a IUCN classifica a espécie como “Pouco Preocupante”, mesmo com queda populacional nos últimos anos.

No Brasil, a subespécie piculus chrysochloros polyzonus, o pica-pau-dourado-escuro-do-sudeste, endêmico das matas de baixada do Espírito Santo e do Rio de Janeiro, é considerada pela ICMBio como “Vulnerável” em razão da perda/degradação do seu habitat, a Mata Atlântica. E, como não são conhecidos registros recentes para o estado do Rio de Janeiro, a ave pode estar extinta.

 

 

 

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta