Notícias

Os dugongos merecem mais respeito

Estes pacíficos mamíferos marinhos já foram fonte de alimentos, de medicamentos e artigos de decoração. Hoje são uma espécie em risco de extinção.

Redação ((o))eco ·
15 de janeiro de 2015 · 7 anos atrás

Dugongo ([i] Dugong dugon[/i]). Foto:
Dugongo ([i] Dugong dugon[/i]). Foto:

O dugongo (Dugong dugon) é um mamífero aquático membro da ordem Sirenia, assim como seu primo, o peixe-boi. Diferente deste, que pode habitar tanto no mar quanto na água doce, o dugongo é um animal estritamente marinho. A espécie pode ser encontrada em águas quentes do litoral do Oceano Pacífico ocidental até a costa oriental de África. Culturas tradicionais ao longo da área de ocorrência valorizam o animal, que foi caçado por milhares de anos como fonte de alimento, ingrediente para medicina tradicional e decoração. Hoje, a distribuição da espécie é reduzida e esparsa, com muitas populações próximas à extinção. Mesmo com limites e proibições impostos pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas e a proteção em muitos países, a espécie ainda está ameaçada pela caça, pela degradação do habitat, e por mortes relacionadas com a pesca. A IUCN lista o dugongo como uma espécie Vulnerável à extinção.

 

 

Leia Também
O segundo turno da doninha-de-patas-pretas
A baleia-comum hoje é baleia-rara
Os gigantescos perigos para a tartaruga-de-couro

 

 

 

 

Leia também

Notícias
26 de novembro de 2021

Informação obtida via LAI revela que MCTI recebeu dados do desmatamento em 1º de novembro

Ministro Marcos Pontes disse que dados não foram publicados antes da Conferência do Clima porque ele estava de férias. Agenda oficial registra férias entre 8 e 19 de novembro

Notícias
26 de novembro de 2021

Jornalismo digital brasileiro se une em campanha de financiamento

Ação reúne 26 organizações com objetivo de arrecadar doações para fortalecimento do jornalismo digital de qualidade

Reportagens
26 de novembro de 2021

MPF pede anulação da Licença de Instalação do Linhão Tucuruí na terra Waimiri Atroari

Ação aponta que União e a Transnorte agem ilegalmente no licenciamento da obra. Autossuficientes em energia elétrica, os Waimiri Atroari são contra o empreendimento e sentem “a floresta sangrar”

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta