Notícias

Os dugongos merecem mais respeito

Estes pacíficos mamíferos marinhos já foram fonte de alimentos, de medicamentos e artigos de decoração. Hoje são uma espécie em risco de extinção.

Redação ((o))eco ·
15 de janeiro de 2015 · 9 anos atrás

Dugongo ([i] Dugong dugon[/i]). Foto:
Dugongo ([i] Dugong dugon[/i]). Foto:

O dugongo (Dugong dugon) é um mamífero aquático membro da ordem Sirenia, assim como seu primo, o peixe-boi. Diferente deste, que pode habitar tanto no mar quanto na água doce, o dugongo é um animal estritamente marinho. A espécie pode ser encontrada em águas quentes do litoral do Oceano Pacífico ocidental até a costa oriental de África. Culturas tradicionais ao longo da área de ocorrência valorizam o animal, que foi caçado por milhares de anos como fonte de alimento, ingrediente para medicina tradicional e decoração. Hoje, a distribuição da espécie é reduzida e esparsa, com muitas populações próximas à extinção. Mesmo com limites e proibições impostos pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas e a proteção em muitos países, a espécie ainda está ameaçada pela caça, pela degradação do habitat, e por mortes relacionadas com a pesca. A IUCN lista o dugongo como uma espécie Vulnerável à extinção.

 

 

Leia Também
O segundo turno da doninha-de-patas-pretas
A baleia-comum hoje é baleia-rara
Os gigantescos perigos para a tartaruga-de-couro

 

 

 

 

Leia também

Salada Verde
24 de maio de 2024

Comissão da Câmara aprova projeto que aumenta pena para crime ambiental na Amazônia

Proposta também inclui penalização de servidores e agentes públicos que se omitirem diante de tais crimes. Ascema vai avaliar conteúdo do texto

Notícias
24 de maio de 2024

Desastres ambientais afetaram 418 milhões de brasileiros em 94% das cidades, diz estudo

Levantamento feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) mostra que cada brasileiro enfrentou, em média, mais de duas situações de desastre entre 2013 e 2023

Salada Verde
24 de maio de 2024

A despedida da flor-de-maio 

A bela floração dessa espécie endêmica da Mata Atlântica dura de 15 a 20 dias e ocorre somente uma vez por ano

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.