Notícias

Pinguins equatorianos numa fria

Os pinguins-das-galápagos são a única espécie de pinguins acima do Equador. E, com uma população de 1800 indivíduos, podem ser os últimos.

Redação ((o))eco ·
30 de janeiro de 2015 · 7 anos atrás

Foto:
Foto:

O pinguim-das-galápagos (Spheniscus mendiculus) é uma ave endêmica das Ilhas Galápagos, no Equador. Na natureza, esta é a única espécie de pinguins que pode ser encontrada ao norte do Equador. Sua sobrevivência em clima quente do Equador se deve às frias correntes oceânicas da sua área de ocorrência. No entanto, estão ameaçados pela poluição dos mares, as capturas acidentais em redes de pesca e pelas mudanças climáticas globais que afetam seu habitat. Além disso, espécies introduzidas nas ilhas representam outros perigos como, por exemplo, cães que são portadores de doenças que podem se espalhar para os pinguins e gatos que se tornaram predadores. Ainda há os ventos fortes dos últimos El Niños que causaram mortalidade de 77% da população. Hoje estima-se que existam menos de 2000 indivíduos. A Lista Vermelha da IUCN classifica o pinguim-das-galápagos como uma espécie Em Perigo de extinção.

 

Leia Também
A baleia-franca-do-atlântico-norte e o incerto destino
Os dugongos merecem mais respeito
O segundo turno da doninha-de-patas-pretas

 

 

 

Leia também

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

Em evento, Bolsonaro comemora redução de 80% das multas do Ibama

“Nós reduzimos em mais de 80% as multagens no campo”, disse o presidente, que creditou ao ex-ministro Salles e à ministra da Agricultura, Teresa Cristina, as boas medidas para o campo

Salada Verde
18 de janeiro de 2022

MPF se pronuncia contra decreto que permite destruição de qualquer caverna

Câmara de Meio Ambiente do Ministério Público Federal (4CCR) diz que norma desrespeita princípios constitucionais. Governo publicou decreto na semana passada

Reportagens
18 de janeiro de 2022

Uma oportunidade de recomeço para a Mata Atlântica

O bioma mais destruído do Brasil ganha uma nova chance com o avanço da agenda de restauração no país, mas ainda sofre com gargalos como a falta de sistematização de dados e de governança

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Nanda diz:

    1. Obrigado, Nanda! 🙂
      Fica ligada que essa é só a primeira reportagem do especial Mata Atlântica: novas histórias. Ainda vem muito mais por aí e você pode acompanhar na página do especial – https://oeco.org.br/especial/mataatlantica/
      Abs