Reportagens

40% das áreas da Amazônia estão sendo negligenciadas por pesquisas em ecologia

Para cientistas, transporte e proximidade a grandes cidades e centros de pesquisa estão entre os principais influenciadores da escolha de áreas para pesquisa

Fernanda Pardini ·
19 de julho de 2023

Em uma região do tamanho da Amazônia Brasileira, é normal ter áreas de floresta investigadas por muitas pesquisas e outras que quase não são o foco de cientistas. Entretanto, um estudo publicado hoje na Current biology pelo projeto Synergize, do Centro de Síntese em Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos do CNPq, mostrou que essa distribuição é muito desigual. Partindo de informações de 7.694 pontos de coletas ecológicas padronizadas e somando critérios que podem influenciar a escolha do local de coleta, os cientistas criaram um modelo que estimou a probabilidade de pesquisa para todo o território. 

Foi identificado que mais da metade das terras firmes e cerca de um quarto dos ambientes aquáticos e um sexto das florestas alagáveis da Amazônia têm uma probabilidade quase nula de ser foco de pesquisas com coletas padronizadas de organismos. 

Fatores logísticos, como presença de meios de transporte e distância em relação a grandes cidades e centros de pesquisa, estão entre os principais influenciadores da escolha. De acordo com o modelo, cerca de 15% das áreas com menor probabilidade de pesquisa estão sujeitas a sofrer severas alterações até 2050, por conta das mudanças climáticas ou outras formas de degradação impostas pelas pessoas à natureza.

Além da perda da biodiversidade e dos benefícios propiciados por ela para as pessoas, também estamos perdendo a chance de entender como os organismos destes ecossistemas estão respondendo às mudanças climáticas e à degradação ambiental. “Para entender como a biodiversidade da Amazônia vai responder [às mudanças], precisamos entender como ela está organizada hoje. Assim, no futuro, quando alguma mudança acontecer, vamos ter com o quê comparar”, explica Mario Moura, autor do artigo e especialista em lacunas de conhecimento sobre biodiversidade. “Precisamos falar de um antes e um depois, e nesse momento a gente não sabe nenhum dos dois: o depois já está chegando e o antes ainda não foi construído”, lamenta Moura, que é professor visitante da Unicamp (Universidade de Campinas). 

Mapa produzido pelo projeto Synergize: tons mais escuros (azuis) representam áreas com maior probabilidade de pesquisa e tons mais claros (amarelos) representam as menores probabilidades. Os círculos pretos identificam os locais de coleta utilizados como referência pelo modelo. Crédito: Carvalho, Resende e colaboradores.

As pesquisas sobre comunidades ecológicas envolvem o estudo de grupos de espécies, por exemplo formigas de uma determinada área. Para estudá-las, é necessário que o pesquisador vá até a região desejada e realize coletas seguindo padrões pré-definidos para poder estimar a diversidade de espécies e fazer comparações, com outras áreas ou ao longo do tempo.

O deslocamento até o local de coleta representa um custo de tempo e dinheiro, que precisa ser incluído no orçamento do projeto. Na Amazônia, essas cifras podem ser tão altas quanto a extensão de seu território. “Eu entendo que o governo federal tem as suas restrições, quando ele  [o Conselho Nacional de Pesquisa – CNPq] abre um edital, o valor é o mesmo para todos em todos os lugares, mas, por exemplo, 90 mil reais para fazer pesquisa fora dos grandes centros da região norte, não é a mesma coisa que 90 mil reais para fazer pesquisa nessa parte mais conectada”, explica Fabrício Baccaro, professor da Universidade Federal do Amazonas e um dos mais de 600 autores a contribuir com dados para o estudo do projeto Synergize – Síntese das Respostas Ecológicas à Degradação de Ambientes Amazônicos. 

A viagem de barco de Manaus até São Gabriel da Cachoeira, por exemplo, localizada no extremo noroeste do Estado do Amazonas, leva sete dias. De avião, além de caro, tem a limitação de peso da bagagem. Do centro de São Gabriel, os pesquisadores ainda precisam pegar barcos menores, que são bem mais caros que os barcos de linha, ou arranjar outra forma de transporte até o local de interesse, como, por exemplo, o Parque Nacional do Pico da Neblina, uma região muito pouco investigada pela ciência.

Pesquisadores trabalhando na preparação de espécimes coletados durante a Expedição Serra do Imeri, umas das únicas expedições científicas para a região do Parque Nacional do Pico da Neblina. Foto: Herton Escobar / USP Imagens

O estudo também evidenciou a importância do transporte fluvial, visto que as áreas com maior probabilidade de pesquisa ficam, principalmente, nos grandes rios e seu entorno. Dessa forma, a probabilidade de pesquisa na Terra Firme, que são as áreas não alagadas, fica menor quanto maior for a distância a essas vias de acesso. O deslocamento por estradas é bastante limitado, já que há pouquíssimas estradas em boas condições na região.  

Baccaro conhece bem a realidade das estradas amazônicas. Antes de se tornar professor, ele teve uma bolsa do Programa de Pesquisa em Biodiversidade da Amazônia (PPBio), financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), e ficou responsável por estabelecer pontos de coleta para serem utilizados de forma permanente por instituições de pesquisa fora do eixo central Manaus-Belém. 

O projeto instalou 11 pontos permanentes ao longo da estrada que liga Manaus a Porto Velho (BR-319) – construída durante o governo militar, a estrada ficou abandonada e se encontrava bastante degradada. “Juntamos, eu e mais três mateiros, alugamos uma caminhonete, que veio com um motorista que nunca tinha dirigido em estrada de terra, e a gente se enfiou na BR…” relembra Baccaro. “Hoje, eu olho para trás e penso que a gente foi maluco”, reflete o cientista. A infraestrutura instalada, mais de dez anos depois, ainda é utilizada pelas instituições de pesquisa, assegurando um pouco da preciosa dispersão de dados da região. 

Para os autores, a criação de novos centros de pesquisas poderia ser um caminho para garantir a ampliação e a regularidade da pesquisa na Amazônia, mas veem essa alternativa como pouco viável. “Tem um outro trabalho, que o grupo desenvolveu, mostrando como o investimento de pesquisa na Amazônia diminuiu nos últimos anos, por causa do governo e conjunturas mais recentes. Se você não está investindo nem nas instituições de pesquisas que já tem uma estrutura, como criar novas?”, questiona Raquel Carvalho, que liderou a pesquisa junto com a Angelica Resende.

Terras Indígenas: uma parceria a ser construída

Outra solução sugerida pelo artigo é o desenvolvimento de parcerias científicas com os povos originários. Apesar das Terras Indígenas (TIs) representarem uma importante porção da áreas preservadas do país, elas estão entre as áreas com menor probabilidade de pesquisa, segundo o modelo apresentado. “Nos últimos 30 anos (1991-2021) no Brasil, as TIs perderam apenas 1,2% de sua área de vegetação nativa, enquanto nas áreas privadas foi 19,9%”, afirma o relatório da organização MapBiomas. Entretanto, essas áreas não estão livres de ameaças. A Terra Indígena Kayapó, por exemplo, além de sofrer com a degradação causada pelo garimpo, está em uma área, que segundo o modelo do Synergize, apresenta grande probabilidade de sofrer alterações por conta das mudanças climáticas.   

Além da distância física, a tratativa com os povos originários representa mais uma camada de complexificação da pesquisa, o que pode desestimular os cientistas. “Eu acho que a estamos mostrando uma consequência de um histórico de políticas públicas que não levou em conta a participação de indígenas no processo de desenvolvimento de ciência”, reflete Moura. O pesquisador entende ser necessário encontrar estratégias que facilitem a aproximação entre academia e indígenas. No artigo, os pesquisadores defendem que essas pesquisas se pautem a partir de perspectivas da decolonialidade e coprodução. “É a gente fazer a coprodução do conhecimento junto: dos cientistas com os indígenas e dos indígenas com os cientistas”, explica Carvalho.

Os graus de aproximação dentro da coprodução podem variar, Baccaro, por exemplo, está colaborando com a parte analítica de um projeto que envolve diversos povos indígenas, na região do alto Rio Negro. “Eles estabeleceram um projeto de monitoramento em conjunto com o ISA (Instituto Socioambiental) para responder às questões que eles têm interesse, como entender a relação dos animais com a subida e descida dos rios, com as chuvas…”, explica o professor. “Eles que fazem as coletas e registram as informações dentro de um sistema de anotação deles. Eu trabalho com eles na análise desses dados”, complementa Baccaro.

A coprodução na área ambiental tem sido vista como um caminho na busca por respostas que a ciência não consegue responder sozinha. Mas, assim como a distância física, diferenças culturais, de língua, precisam ser consideradas no planejamento de projetos que buscam a interlocução com outros saberes – sejam saberes de povos e comunidades tradicionais, ou até de gestores públicos. Além disso, os resultados produzidos por esses projetos, podem resultar em produtos que fogem do padrão usual das publicações científicas. Nesse sentido, a abertura de editais de apoio a pesquisa que considerem demandas e produtos diferenciados, pode ser um caminho para novos projetos.     

Na Amazônia, a base do transporte é fluvial. Foto: Fernanda Pardini / Arquivo pessoal

Bancos de dados: a tecnologia a favor do compartilhamento de informações

Tendo em conta todos os desafios envolvidos na coleta de organismos e dados de campo, é fundamental que as informações levantadas possam ser compartilhadas para embasar o desenvolvimento de outras pesquisas. Foi com esse objetivo que o Synergize, coordenado por Joice Ferreira e Filipe França, iniciou a construção de base de dados ecológicos padronizados (dados coletados utilizando técnicas estabelecidas para pesquisas de comunidades ecológicas) para a Amazônia, chamada  Taoca. Antes do projeto, apenas as informações sobre plantas da região estavam organizadas em uma base internacional, mas não havia o mesmo para os animais. 

A base possibilita que cientistas do mundo todo tomem conhecimento da existência dos dados, mas para utilizá-los, é necessário que o pesquisador interessado contate, via base de dados, o cientista responsável pela coleta e estabeleça uma parceria para a nova pesquisa. 

Carvalho, que atualmente é pós-doutoranda na Universidade de São Paulo (USP), foi uma das responsáveis pelo desenvolvimento da Taoca, durante seu estágio de pós-doutorado no Synergize. Para a pesquisa apresentada nesta reportagem, que contou com a orientação de Jos Barlow, da Universidade de Lancaster, no Reino Unido, os autores utilizaram apenas dados de localização das coletas de nove grupos de organismos. Recentemente o grupo de pesquisadores aprovou um novo projeto (SinBiAm – Sínteses da Biodiversidade Amazônica) para a manutenção e ampliação da base de dados.

  • Fernanda Pardini

    Bióloga, mestre em educação e especialista em jornalismo científico.

Leia também

Reportagens
17 de fevereiro de 2023

Como os diferentes elementos de uma paisagem podem interferir na emergência de zoonoses

Proliferação de animais transmissores de doenças pode ser facilitada por estradas e fragmentos de florestas dispersos em áreas agrícolas

Reportagens
5 de setembro de 2022

Amazônia é importante para 81% dos eleitores, revela pesquisa

Apesar da importância da região para os eleitores, 64% diz não se sentir informado sobre os acontecimento referentes a maior floresta tropical do mundo

Notícias
1 de março de 2024

Liminar interrompe corte de árvores para circuito da Stock Car, em Belo Horizonte

Adequação de ruas do entorno do Mineirão para o circuito de rua demandava o corte de 63 árvores; deputada anuncia ato público de replantio amanhã, às 9h

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.