Salada Verde

Governo estuda abrir concessão privada para parques federais

Em evento, o Ministro do Meio Ambiente afirmou que planeja conceder alguns parques para a iniciativa privada, entre eles estão os Parques de Brasília, Veadeiros e Pau Brasil

Sabrina Rodrigues ·
24 de novembro de 2016 · 7 anos atrás
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente
O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros está na lista dos parques que serão concedidos à iniciativa privada. Foto: Vihh/Flickr
O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros está na lista dos parques que serão concedidos à iniciativa privada. Foto: Vihh/Flickr

A crise financeira tem afetado não só as unidades de conservação estaduais, mas também, as federais. Contratos não renovados, salários atrasados, falta de repasse de verbas são alguns dos problemas apresentados e que têm prejudicado gravemente a gestão das unidades. A fim de solucionar esse impasse, o Ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho, anunciou nesta quinta-feira (24), no “Parques do Brasil”– evento que discute a gestão e o futuro dos parques públicos do país — que o governo planeja, ainda este ano, iniciar projetos de concessões para a iniciativa privada os parques nacionais de Brasília, do Pau Brasil, na Bahia e da Chapada dos Veadeiros, em Goiás. O evento também contou com a presença do presidente do ICMBio, Ricardo Soavinski, que afirmou para a imprensa que o instituto enfrenta um déficit orçamentário de aproximadamente R$ 60 milhões. José Sarney Filho afirmou que com a concessão para a iniciativa privada, a ideia é criar melhores condições para o estabelecimento de pequenos e grandes negócios, como acampamentos, alojamentos, pousadas e hotéis, além de lojas, lanchonetes, restaurantes e circuitos para atividades físicas a fim de “atingir um novo patamar de desenvolvimento e de gestão das unidades de conservação”. Ricardo Soavinsky afirmou que estudos sobre a possibilidade de concessão para aproximadamente 12 unidades de conservação do país estão sendo levantados, entre elas estão o Parque da Serra da Bocaína, Lençóis Maranhenses e Chapada dos Guimarães.

Fonte original: Estadão

  • Sabrina Rodrigues

    Repórter especializada na cobertura diária de política ambiental. Escreveu para o site ((o)) eco de 2015 a 2020.

Leia também

Reportagens
15 de abril de 2024

Destruição do Cerrado emperra mega corredor da onça-pintada

É inadiável ampliar unidades de conservação e melhor alocar a vegetação legalmente protegida para salvar espécies nativas

Salada Verde
15 de abril de 2024

Cachorros-vinagres são fotografados no maior parque federal do país

Ameaçada de extinção, espécie foi registrada pela primeira vez no Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, no Amapá, através de armadilhas fotográficas

Notícias
12 de abril de 2024

ICMBio abre consulta pública para criação de novo parque marinho no Rio Grande do Sul

Criação do Parna de Albardão foi proposta há mais de 15 anos. Unidade protegerá 1,6 milhão de hectares, em região com alta pressão da pesca industrial

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 6

  1. Luís Campanha diz:

    Não vejo com bons olhos a privatização da gestão de nossas UC's. Principalmente porque não temos bons exemplos, no Brasil, de que este formato de gestão seja vantajoso também para a população, a própria gestão e recursos envolvidos. Usualmente apenas a iniciativa privada recolhe os benefícios. Entendo que precisamos de alternativas na gestão pública dessas áreas, mas vejo que grande receio este tipo de organização.

    O Parque Nacional do Pau Brasil, para quem não o conhece, é um exemplo de ótima gestão. Desta forma, não consigo compreender porque está incluído entre as UC que serão privatizadas/concedidas, a não ser por imaginar intenções escusas de apropriação de bens e do próprio território, que possui grande valor especulativo.

    Outro elemento importante se deve à categoria explorada na matéria de "O ECO". Somente incluem Parques na lista. A categoria de Parque é um tanto restritiva, quando comparada às categorias de uso sustentável (Floresta, RDS, RESEX…). Sendo seus dois principais elementos a educação ambiental e a pesquisa científica. A visitação é incluída como educação ambiental, contudo, é difícil crer que uma empresa privada priorize estes elementos.

    Ainda existem os problemas com as comunidades e populações que ocasionalmente residem dentro dos limites ou nos arredores. A cargo de quem ficará a gestão de conflitos? De que forma se dará a participação nos conselhos gestores/consultivos? E o mais importante, por se tratar exatamente da função das UC's, podemos acreditar que a iniciativa privada, que visa o lucro e a exploração de bens e mercadorias, será capaz (ou terá o interesse) de garantir a qualidade e proteção que a biodiversidade, ecossistemas e populações tradicionais requerem?

    O Estado de São Paulo, depois de décadas como exemplo de gestão de suas UC's, vem observando estas entrarem em colapso por falta de recursos e investimentos. Recentemente foi iniciado o processo de privatização/concessão das áreas. Ainda esperamos para ver os resultados destas políticas. No entanto, tudo isso segue a cartilha neoliberal quanto à gestão de instituições públicas. Vemos muitas sendo fragilizadas, fragmentadas, a fim de dar suporte ao argumento da ineficiência da gestão pública.


  2. Andreia diz:

    Só uma coisa: Não é Parque Nacional da Serra da BOCAÍNA. É BOCAINA.


  3. Alexandre de Brito diz:

    Concordo que temos sim que realizar mais investimentos em nossas Unidades de Conservação, mas faço a seguinte provocação:

    Será que o Estado Brasileiro não investe de forma mais eficiente em conservação em nosso Pais por simples incompetência? Ou existe um plano muito bem elaborado no sentido de qualificar a iniciativa privada como fonte iluminada de práticas criativas e inovadoras e tachar o Estado de inoperante e incapaz de modo a abocanhar mais um grande negócio?… Já vi esse filme.

    Acredito sim na Parceria Público Privada – PPP no sentido da construção coletiva e da economia solidária. Sustentabilidade é um conceito da boa economia, mas ele por si só não é suficiente. O justo é admitir o que é real: O estado produz conhecimento, acessa tecnologias e a iniciativa privada se aproveita de forma lucrativa desses valores… Isso é injusto!

    Financiar a implantação de estrutura e capitalizar processos produtivos são práticas de gestão necessárias e positivas, desde que o estado seja mediador nesse processo.

    Em resumo: O problema não esta na origem do recurso (se da iniciativa privada ou do Estado) e sim na repartição dos benefícios resultantes do investimento. Falta ao estado capacidade de controle e pedagogia de mediação. Chegaremos lá!


  4. angelicabeatrizblog diz:

    É preciso tentar algo novo! Não é possível continuar como está, distante, abandonado, sem receber os cuidados e proteção necessárias. Essa é a realidade das UCs no Brasil!


  5. Marco Silva diz:

    Esse é um modelo de sucesso bem utilizado em países civilizados…mas lembrem aqui é Brasil!


  6. José Truda diz:

    Excelente! Uma medida que merece ser apoiada 100% e que está caindo de maduro pra não apenas viabilizar financeiramente os Parques nacionais, mas também aproximar a sociedade do nosso patrimônio natural. Vamos ver se o baixo clero burrocrata que ainda existe encastelado na administração pública federal não atrapalha demais…