Análises

Além do plantio: incluindo pessoas na restauração florestal

Mais importante do que “apenas” plantar árvores, é necessário conciliar a conservação ambiental com produção sustentável através da integração de paisagens e pessoas

Veronica Maioli ·
20 de janeiro de 2022

Embora o aumento do desmatamento no Brasil tenha ganhado as manchetes em todo o mundo nos últimos anos, para muitos moradores de centros urbanos brasileiros, como eu, os impactos diretos desta perda florestal não são percebidos. Embora esteja difícil de ignorar que algo não vai bem quando somos “invadidos” por fenômenos biofísicos outrora considerados raros, como tempestades de poeira, nuvens de gafanhotos, quedas de granizo, chuvas e secas mais intensas. No entanto, longe das cidades, milhares de pessoas dependem diretamente das florestas e estão com seu meio de vida ameaçado pela degradação ambiental, que empobrece o solo, afeta a qualidade e quantidade de água, o clima e a produção de alimentos.

O que talvez poucos de vocês saibam é que, ironicamente, nós estamos vivendo a Década da Restauração (2021-2030), liderada pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO). A proposta da Década é apoiar a revitalização dos ecossistemas do mundo – restaurando áreas de florestas degradadas – recuperando seu potencial ambiental e melhorando o bem-estar das pessoas, revertendo assim, os impactos negativos causados pelo desmatamento.  A ideia é ótima, mas como fazer isso na prática?

Uma forma é através de variadas técnicas de plantio, de consórcio de espécies e de metodologias que podem ser adaptadas de acordo com bioma, com o uso histórico e atual do solo e do resultado esperado da restauração. Mas a informação técnica por si só não garante o sucesso dos projetos de restauração, pois um passo importante, e muitas vezes negligenciado, é o contato com as populações e instituições locais. (Vou me aprofundar nisso daqui a pouco). Então, mais importante do que “apenas” plantar árvores, é necessário conciliar a conservação ambiental com produção sustentável através da integração de paisagens e pessoas. E isso inclui a delimitação e o planejamento espacial de um determinado local (paisagem), que deve englobar e conectar diferentes áreas (privadas ou não), e considerar as diferentes relações (negativas e positivas) entre as pessoas e o ambiente. Basicamente, é preciso ter uma visão mais holística da paisagem, indo além dos limites da propriedade rural, e considerar todos os elos da chamada cadeia da restauração, que incluem a coleta de sementes, produção de mudas e insumos, e os serviços de restauração e manutenção dos plantios.

Arte: Julia Lima.

Notaram um ponto em comum entre esses elos? Em todos eles são necessários conhecimento e mão de obra. E, para isso, é preciso ter pessoas! Coletores de sementes, viveiristas, prestadores de serviço, financiadores, compradores de produtos, proprietários de terra a serem restauradas, são a base necessária de todas as conexões da cadeia produtiva e uma parte fundamental para que a restauração aconteça de maneira efetiva e eficaz. Assim, o ideal é que haja contato com esses atores desde a concepção do projeto, a fim de envolvê-los no planejamento, captando suas percepções, os problemas locais e suas opiniões sobre possíveis soluções. Dessa maneira, o projeto pode desenhar e implementar atividades de forma participativa e feitas sob medida para aquele local e aquelas pessoas, valorizando o conhecimento local, aumentando o seu comprometimento com as atividades e, consequentemente, o sucesso da restauração. Não é à toa que a inserção social é um dos tripés do desenvolvimento sustentável (junto com economia e ambiente).

Mais importante do que “apenas” plantar árvores, é necessário conciliar a conservação ambiental com produção sustentável através da integração de paisagens e pessoas.

Alguém pode dizer: “muitos dos problemas da cadeia da restauração são semelhantes em todo o Brasil, e podem não variar muito entre as paisagens”. Ou então: “que para a elaboração de um projeto, pesquisadores e tomadores de decisão fazem (ou deviam fazer) um amplo levantamento socio-ecológico-econômico da região, e fazem o melhor que podem, pois querem que o projeto tenha êxito”. Sim, isso tudo é verdade e é muito válido! Só tem um “detalhe” nesse raciocínio: normalmente os tomadores de decisão não vivem na região a ser restaurada e não conhecem as nuances do local. E ao chegar com o projeto pronto para ser implementado, estes podem se deparar com desconfiança, falta de engajamento e entusiasmo local. Lembram que mencionei anteriormente que os elos da cadeia da restauração são baseados em pessoas? Então… seria como se um estranho chegasse na sua casa, sentasse no seu sofá e mudasse o canal da tv sem te perguntar nada, e depois reclamasse que você não está assistindo o programa que ele escolheu! Além de “não assistirem ao programa”, se as pessoas que vivem na região não forem envolvidas e consultadas antes e durante o projeto, quando o projeto acaba (e ele invariavelmente acaba), a restauração não é cuidada, as mudas não vingam e a paisagem literalmente não floresce. E todo o esforço, tempo e recurso terão sido em vão. 

Outro ponto importante para conseguirmos dar escala à restauração e conectar paisagens é a sensibilização das pessoas sobre a importância e o benefício de se ter florestas. Essa é uma etapa que inevitavelmente necessita anteceder o plantio e as demais ações práticas do projeto. Um território é formado por diversos tipos de pessoas, alguns curiosos e já adeptos da agroecologia e da inclusão de árvores nas pastagens, e outros mais conservadores a “novas opções” de cultivo. Assim, é necessário disseminar informações e demonstrar na prática que floresta em pé pode dar lucro, e não é perda de espaço e produção! E que esse lucro pode vir de forma direta (com a venda de produtos madeireiros e não madeireiros) ou indireta (através do turismo, do aumento da produtividade por conta de mais polinizadores, de menos gasto com água, etc.). Há ainda possibilidades de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSAs), onde produtores que geram benefícios para toda a sociedade (ex. ar puro, água, sequestro de carbono etc.) podem ser remunerados financeiramente pelos serviços prestados. Existem alguns programas estaduais e municipais de sucesso no Brasil e espera-se que o PSA ganhe força com a nova Política Nacional. Mas muitas pessoas não estão informadas sobre essas possibilidades e é por isso que a sensibilização foi incluída como uma das oito iniciativas estratégicas para a restauração da vegetação nativa pelo Plano Nacional de Recuperação da Vegetação Nativa (PLANAVEG)

Muitos projetos de restauração no Brasil já estão em andamento e trazem essa visão integrada de paisagens e pessoas! E “para não dizer que não falei de flores”, o papel e a liderança feminina na restauração também fazem parte deste processo. Na Área de Proteção da Bacia do Rio São João, onde desenvolvemos um projeto de manejo sustentável da paisagem, as mulheres têm liderado várias ações de restauração com sistemas agroflorestais, planejamento, organização e vendas dos produtos, e na produção de mudas. Diferentemente da canção do Vandré, o direito à liberdade (no sentido de uso racional do meio ambiente), a união e a ação através da restauração tornam possível a revolução, usando as flores e seus frutos. 

As opiniões e informações publicadas nas sessões de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

O projeto Mata Atlântica: novas histórias é apoiado pelo Instituto Serrapilheira.

  • Veronica Maioli

    Bióloga, Doutora em Ecologia e Evolução pela UERJ. Pesquisadora e Coordenadora de Desenvolvimento Sustentável pelo Instituto Internacional para Sustentabilidade.

Leia também

Reportagens
28 de abril de 2020

Covid-19: produtores orgânicos se organizam e expandem clientela no Rio

Produtores acreditam em mudança no consumo e fidelização de clientes. Quarentena fez aumentar pedidos de entrega de cestas com legumes e frutas

Reportagens
26 de agosto de 2021

Pesquisadores mapeiam municípios que devem restaurar vegetação para aumentar produção agrícola por polinização

Estudo publicado na revista “Environmental Science & Technology” estabeleceu um ranking de prioridades de restauração de acordo com a cultura agrícola local

Reportagens
5 de maio de 2011

Pequenos agricultores experimentam agroecologia

Durante encontro no sertão de Pernambuco, pequenos produtores mostram como estão produzindo usando melhor os recursos hídricos e banindo os defensivos agrícolas.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 3

  1. José Truda diz:

    Essa insistência de enfiar sempre um mimimi
    social nas questões técnicas ambientais cansa… é ÓBVIO que se pode fazer SIM restauração ambiental sem ser obrigatório fazer salamaleques a uso direto das áreas para “produção”. Tratemos de ensinar melhor às comunidades o que são serviços ecossistêmicos e por que todos nós dependemos deles ao invés de condenar toda e qualquer área natural ou restaurada a ser refém do sociocoisismo.


  2. Flávia diz:

    Excelente artigo.. bem mais aprofundado do que tenho visto em outros canais que tocam no assunto de restauração. Obrigada, Veronica.


    1. Boa tarde! Não consigo abrir os links e, quanto acesso diretamente pelo site do IBGE, ao baixar o arquivo PERFIL DOS ESTADOS, não consta a estatística. Podes me ajudar?