Análises

Dos Andes à Amazônia: Uma rede latino-americana de trilhas?

Enquanto Brasil, Bolívia e outros países sul-americanos desenvolvem seus sistemas de trilhas de longo curso, surge o sonho coletivo de um percurso transfronteiriço que os conecte

Cesar Aspiazu ·
15 de junho de 2021

As trilhas de longo curso são um fenômeno recente na América do Sul, mas na história do continente sul-americano já houve caminhos de mais de 30.000 quilômetros, como o Qhapaq Ñan, (caminhos incas, em tradução livre do Quechua). A extensão destes caminhos percorria desde o que hoje é o sul da Colômbia até o norte do Chile e Argentina, passando pelo Equador, Peru e Bolívia. Entre a costa brasileira e o oceano Pacífico também estendiam-se os caminhos do Peabiru, que conectava o Brasil, Paraguai, Bolívia e Peru por caminhos utilizados pelos povos indígenas.

Atualmente há trilhas de longo curso em todos esses países e busca-se recuperar esses caminhos históricos. Na Bolívia, a Red de Senderos (RBS) começa a restaurar e implementar novos caminhos. Começamos a pensar no sonho de “uma rede latino-americana de trilhas”.

Imagine caminhar pelo continente inteiro, subir e descer entre as montanhas e rios dos Andes até a Amazônia, do Oceano Pacífico ao Atlântico. Conectar paisagens, culturas e pessoas. No contexto regional, há experiências de Trilhas de Longo Curso (TLCs) em vários países latino-americanos, como a Huella Andina, na Argentina, a própria Red Boliviana de Senderos, o Sendero de Chile, o Qhapaq Ñan, no Peru e a Rede Brasileira de Trilhas.

As diferenças culturais e geográficas trazem desafios diferentes, mas a motivação e a força do movimento de voluntárias e voluntários no seu engajamento pela conservação da natureza, inspira a dar continuidade a esse sonho, de ver as culturas e a natureza conectadas.

Placa mostra a sinalização oficial da trilha, que segue o mesmo padrão da Rede Brasileira de Trilhas. Foto: Cesar Aspiazu

A rede boliviana e a brasileira se desenvolvem sob o mesmo sistema de sinalização e diretrizes similares, com o projeto a longo prazo de fortalecer a integração regional das trilhas e a conectividade das áreas protegidas. A RBS adota o mesmo sistema de sinalização que a Rede Brasileira, busca-se utilizar as pegadas como instrumento de educação e sensibilização para a conservação da biodiversidade, trazendo espécies de animais e plantas nas mesmas.

O manual de sinalização de trilhas, já disponível em espanhol (acesse aqui), é um dos passos para esse sonho. A tradução foi feita em parceria entre o sistema brasileiro e o boliviano e já repercutiu no Sendero de Chile, no Equador, na Costa Rica e na própria World Trails Network.

Acreditamos que caminhando pelas paisagens conhecemos a natureza e conservamos a biodiversidade, além de gerar oportunidades de desenvolvimento sustentável para as comunidades envolvidas. O lema é “Conhecer para Conservar”, como é apontado por Pedro da Cunha e Menezes, um dos idealizadores do sistema brasileiro.

Saiba mais sobre a Red Boliviana de Senderos e como você pode somar nesse movimento de construção de uma rede latino-americana na live, realizada no começo de junho, pela Rede Brasileira de Trilhas em parceria com ((o))eco.

*Cesar Aspiazu é pesquisador, coordenador da Red Boliviana de Senderos e voluntário da Rede Brasileira de Trilhas

As opiniões e informações publicadas nas sessões de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

  • Cesar Aspiazu

    Pesquisador, coordenador da Red Boliviana de Senderos e voluntário da Rede Brasileira de Trilhas

Leia também

Colunas
12 de março de 2014

Conhecer para conservar: transformando usuários em aliados (parte 2)

Parques nacionais, estaduais e municipais são categorias de áreas protegidas destinadas a reconectar seus visitantes com a natureza.

Notícias
8 de dezembro de 2021

Prefeitos definirão a faixa de proteção das matas ciliares nas cidades

Câmara rejeita mudanças vindas do Senado e conclui votação do Projeto de Lei que flexibiliza faixas de áreas de proteção permanente nas áreas urbanas

Reportagens
8 de dezembro de 2021

Governo tenta incluir garimpeiros e pecuaristas na lista de comunidades tradicionais

Proposta foi feita por secretaria ligada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, pasta comandada por Damares Alves

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta