Análises

Todos os caminhos levam ao mar, uma trilha por Rio das Ostras

Os Caminhos de Rio das Ostras foram o palco de uma visita técnica da Rede Brasileira de Trilhas, que segue nos preparativos para o seu 1º congresso em maio

Anderson Montanha · Amanda Jevaux · Paula Rascão ·
31 de janeiro de 2022

E não é que todos os caminhos realmente levam ao mar? Já nos preparativos para o I Congresso Brasileiro de Trilhas, que será realizado em maio pela Rede Brasileira de Trilhas de Longo Curso junto o Governo de Goiás, em Goiânia, representantes da Rede fizeram uma visita técnica a uma das mais de 120 trilhas do projeto no Brasil: os Caminhos de Rio das Ostras, no litoral do estado do Rio de Janeiro.

Os Caminhos de Rio das Ostras são divididos em duas rotas, a Costeira e a Histórica Rural, ambas com início no mesmo ponto, mas enquanto a primeira segue pelas praias, a rota rural cruza estradas de terra e bairros rurais da região, numa alternativa com potencial para o cicloturismo.

Ao todo, a Rota Costeira é dividida em 7 trechos, que se estendem da região central até o Mar do Norte e a Praia das Pedrinhas, num total de 30 quilômetros de caminhada pelo litoral norte fluminense. Durante a visita técnica, os representantes da Rede percorreram os trechos 1 (Trecho Central, no centro da cidade de Rio das Ostras), 2 (dos Costões Rochosos) e 5 (dentro da Área de Relevante Interesse Ecológico de Itapebussus). Sol, natureza, beleza cênica e muita disposição resumiram a caminhada, que ocorreu nos dias 26 e 27 de janeiro.

A equipe foi formada pelo guia de Turismo e coordenador geral do Projeto Caminhos de Rio das Ostras Anderson Montanha; a representante da Prefeitura de Niterói, Amanda Jevaux; a sócia-fundadora do eTrilhas, Paula Rascão; a representante da Secretaria de Turismo de Macaé, Aline César; da operadora Thaia Tour, Thaís Gonçalves; o fotógrafo e voluntário Marcelo Maycom; e pela turista Cristiane Martins, de férias pela região.

Durante a jornada de dois dias, o grupo cruzou as mais de 16 praias que contemplam as belezas da Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) de Itapebussus, o Monumento Natural dos Costões Rochosos e algumas praias do centro da cidade após a foz do Rio das Ostras, que dá nome ao município.

Os costões rochosos que caracterizam parte da travessia. Foto: Amanda Jevaux

A sinalização das unidades de conservação pelas quais passa o Caminho de Rio das Ostras já conta com diversos totens, além das clássicas pegadas em amarelo e preto. No caso da trilha de longo curso de Rio das Ostras, foram usados como elementos para caracterizar a sinalização a concha da ostra – que dá nome à cidade – e a baleia – em função da passagem do animal pelo litoral da região durante o período reprodutivo e pelo monumento turístico na Praça da Baleia.

No primeiro dia, a caminhada começou no Tayra Eco Parque, estabelecimento parceiro do Caminho de Rio das Ostras e que fica localizado no Mar do Norte. De lá, os participantes partiram em direção às principais praias da ARIE de Itapebussus, um verdadeiro paraíso para apreciadores de paisagens selvagens.

Além das praias, os participantes da caminhada também puderam conhecer um misterioso atrativo do trajeto, chamado de Petróglifos de Itapebussus. São imagens geometrizadas e representações simbólicas, geralmente associadas, que registram fatos e mitos, gravadas nas rochas das paredes internas e externas de cavernas ou rochas. Apesar de terem sido feitas ao longo da década de 90 por um morador da região, pouco se sabe sobre a motivação por trás dos desenhos, que se tornaram um atrativo local e despertam a curiosidade dos turistas.

Os visitantes puderam ainda conhecer de perto a geodiversidade da região, composta por rochas de formação Barreiras, que se estende por quase todo o litoral e o Domínio Tectônico do Cabo Frio, que abrange os municípios de Búzios e Arraial do Cabo, incluindo o Arquipélago de Santana, em Macaé. Itapebussus, com sua estrutura linear de grande escala, gera várias condicionantes que formam pequenas penínsulas e, assim, apresenta uma variedade de rochas como o Ortognaisse, Anfibolitos e com possibilidade de Paragnaisse de grande valia geológica. As rochas que a compõem possuem idade de aproximadamente 2 bilhões de anos e representam um acontecimento de grande pressão e temperatura que direcionou as suas camadas conhecidas como metamórficas. Um cenário surpreendente composto por texturas e cores vibrantes, que tem transformado a região num destino sensacional para o geoturismo.
Na praia das areias monazíticas, no Caminho de Rio das Ostras, os caminhantes observaram o processo erosivo costeiro e intempérico químico, físico e até biológico que atribui a coloração com tons diferenciados como o vermelho, azul e roxo, e que desperta a curiosidade do local.

No trecho 5, foi o momento da equipe conhecer o fabuloso Lago das Ninfeias, que remete a um quadro pintado por um artista do movimento impressionista, tamanha a beleza composta pelos elementos naturais. Bem próximo ao Lago, no Mirante das Monazíticas, é possível ter uma visão geral das praias desertas percorridas ao longo do primeiro dia.

As lagoas de Itapebussus e Salgada foram a linha de chegada da primeira etapa da caminhada, um local ideal para um banho revigorante após os nove quilômetros percorridos.

O segundo dia teve como ponto de partida a Praça da Baleia, importante ponto turístico da cidade, localizada no trecho 2 do Caminho de Rio das Ostras. Nesse trecho, o grupo percorreu o Monumento Natural dos Costões Rochosos e as Praias das Areias Negras, Virgem e Joana, completando a caminhada na foz do Rio das Ostras e nas praias do Centro – Praia da Boca da Barra, Praia do Cemitério e Praia do Centro.

Totem de sinalização do Caminho de Rio das Ostras. Foto: Aline Cesar

Após a finalização do trecho, a visita técnica saiu do leito do Caminho de Rio das Ostras e seguiu para a Reserva Biológica União, onde fomos bem recebidos pela gestora da unidade de conservação, Gisela Carvalho, o servidor Lucas, e os brigadistas Jorge Leite e Vagnei. A atividade na reserva teve como objetivo conhecer a Trilha Interpretativa Inclusiva do Pilão.

Em ambos os dias, a visita também serviu de base para o levantamento de informações técnicas, produção de fotos e conteúdo para serem exibidos no aplicativo eTrilhas, a plataforma oficial da Rede Brasileira de Trilhas.

O Caminhos de Rio das Ostras foi e é construído a partir de alianças e parcerias, e conta com o apoio das dezenas de voluntários; das Secretarias de Meio Ambiente (SEMAP), em nome do Secretário Nestor Prado Junior, e do Superintendente de Gestão Ambiental, Jolnnye Abrahão; da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEDTUR), em nome o Secretário Igor Pessanha; além do ICMBio e INEA-RJ, em nome do servidor Leonardo Silva, da Superintendência Regional Macaé e das Ostras (SUPMA).

Venha conhecer Rio das Ostras!

As opiniões e informações publicadas nas seções de colunas e análises são de responsabilidade de seus autores e não necessariamente representam a opinião do site ((o))eco. Buscamos nestes espaços garantir um debate diverso e frutífero sobre conservação ambiental.

  • Anderson Montanha

    Montanhista, membro fundador da Trilha Transcarioca e Coordenador geral do Caminho de Rio das Ostras, diretor de Relações Institucionais da Naatbio

  • Amanda Jevaux

    Geógrafa, é funcionária da Prefeitura de Niterói e voluntária da Rede Brasileira de Trilha de Longo Curso

Leia também

Análises
19 de abril de 2021

Passo a passo: como implementar uma trilha de longo curso

Aqui começa a história da criação e implementação do Caminho de Rio das Ostras, no litoral do estado do Rio de Janeiro

Análises
3 de setembro de 2021

eTrilhas: o aplicativo oficial da Rede Brasileira de Trilhas

A plataforma, que já desenvolveu o app oficial da Trilha Transcarioca, servirá não apenas como guia das trilhas, mas também uma ferramenta de conservação e gestão das trilhas

Análises
6 de junho de 2021

Os primeiros passos do Caminho do Vale do Café

Projeto de trilha de longo curso conecta duas grandes trilhas nacionais e segue os passos de antigos tropeiros e da história do Vale Paraíba

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Patríce Lages Costa diz:

    Rio das ostras é uma cidade onde o comércio flui muito bem, cidade boa onde se encontra de tudo. Restaurantes excelentes, um povo cativante e muito agradável. Em relação as praias, todas são lindas. Mas infelizmente não tem administrador bom que faça desta ORLA maravilhosa ter atrativo para a própria comunidade e aos turistas . Precisa de urgente alguém que olhe pelo turismo, que invista na infraestrutura . Literalmente a Orla de todas as praias estão jogadas ao tempo. Bem na entrada da cidade , com ótimos hotéis, pousadas e uma linda praia quase impossível de se frequentar. Falta quiosque serem abertos, salva vidas, algo que dê suporte aos hóspedes. Tenho certeza que se investissem nesta cidade ia bombar de turista .