Outorga florestal

De olho na arrecadação de até R$ 120 milhões por ano, o governo quer conceder até quatro milhões de hectares de florestas conservadas para o que ele chama de manejo florestal sustentável. A prática, como levantou O Eco, não deixou marcas muito bonitas nas matas por onde passou. Apesar da biodiversidade amazônica em jogo, o governo aponta que 12 milhões de hectares de matas estão aptos para concessões a empresas e comunidades. No balaio, foram incluídas as florestas nacionais Bom Futuro (RO), Caxiuanã (PA) e São Francisco (AC). Estados também estão montando planos de outorga florestal. “Foi uma exigência do ministro Carlos Minc, depois que ele firmou o pacto pela madeira legal com os produtores do Pará. A idéia é diminuir a ilegalidade do setor madeireiro, mas, em contrapartida, oferecer alternativas de produção sustentável ao mercado”, disse Tasso Azevedo, diretor do Serviço Florestal Brasileiro, em nota distribuída pelo órgão.

Por Salada Verde
6 de agosto de 2008

Marcha contra os índios

A carreata que produtores rurais farão semana que vem em apoio aos arrozeiros de Roraima tem mais uma palavra de ordem. Dar ao Congresso a atribuição de demarcar Terras Indígenas.

Por Salada Verde
6 de agosto de 2008

Pressões contra área indígena

Odiada pelos empresários da pecuária e políticos do Mato Grosso, a ONG inglesa Survival International mantém em seu site um vídeo sobre os índios Enawene Nawe que ajuda a explicar as pressões que têm sido feitas contra a ampliação da área em 200 mil hectares. O parecer da Funai favorável ao aumento da Terra Indígena, que já tem 742 mil hectares, deve sair no mês que vem.

Por Salada Verde
6 de agosto de 2008

Mais 252 mil hectares demarcados

Nesta terça-feira o Ministério da Justiça definiu os limites da Terra Indígena Manoki, numa área de transição entre Cerrado e floresta amazônica, na micro bacia do rio Sangue (MT) com 252 mil hectares.

Por Salada Verde
6 de agosto de 2008

Pancada em torno do carvão

Eike Batista, no fim das contas, não tem muito do que reclamar. Aqui, o máximo de dor de cabeça que suas térmicas à carvão lhe causam são ações na justiça. Na Inglaterra, elas rendem pancadaria, como mostra esse vídeo publicado originalmente no Guardian. Ativistas estão acampados em torno de uma térmica à carvão da Eon e, pelo visto, nem um pouco intimidados com a presença maciça de policiais.

Por Salada Verde
6 de agosto de 2008

Preparação para encontro de governadores

Começou na cidade de Chapada dos Guimarães (MT) uma reunião a portas fechadas com todos os secretários de meio ambiente da Amazônia Legal. A intenção é aprofundar discussões sobre os principais temas que pautarão o encontro dos governadores, que acontece nesta sexta (8 de agosto) em Cuiabá.

Por Salada Verde
6 de agosto de 2008

Previsão com base em desejo

O Instituto Mato-grossense de Economia Agrícola estimou que se houver liberação do crédito rural a área plantada na safra 2008/09 vai crescer algo em torno de 8,5%. Com isso, os fazendeiros precisarão de 14 bilhões de reais para o custeio da produção, 60% dos quais só para a soja. Os custos são 35% a mais do que na safra passada. Só que essas previsões vão virar realidade se o governo voltar atrás na resolução que suspendeu o crédito a proprietários com infrações ambientais no bioma Amazônia. Se.

Por Salada Verde
6 de agosto de 2008

Choradeira rural

De acordo com a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso, o custo de produção por hectare no estado passou de 550 para 950 dólares nesta safra, fruto, principalmente, da alta dos preços de insumos como fertilizantes, que dependem do petróleo. Segundo a entidade, o crédito rural à agricultura empresarial que o governo está disposto a liberar – 1,12 bilhões de reais – não cobre nem 8% da necessidade do estado.

Por Salada Verde
6 de agosto de 2008

Chico Mendes do Mato Grosso

Os deputados estaduais José Riva (PP) e DilceuDal Bosco (DEM), de Mato Grosso, tiveram a idéia de criar uma “unidade de proteção ambiental” chamada Chico Mendes para assegurar ganhos ao setor madeireiro. Querem batizar uma área de dois milhões de hectares com o nome do líder seringueiro - e coincidentemente com o órgão federal que cuida das unidades de conservação – para priorizar atividades de manejo florestal.

Por Salada Verde
5 de agosto de 2008

Queda na arrecadação

A preocupação maior é recuperar a arrecadação do segmento madeireiro, que segundo seus cálculos teve uma queda de quase 30% por causa do “desenvolvimento sustentável” no norte de Mato Grosso. Um dos motivos alegados recai, como sempre, sobre a morosidade da Secretaria Estadual de Meio Ambiente, de acordo com os parlamentares.

Por Salada Verde
5 de agosto de 2008