Colunas

O mito da madeira amazônica

A Amazônia tem riquezas e transformá-la em um bem intocável é impossível. O melhor a se fazer é determinar como explorá-la. A começar pela madeira.

25 de fevereiro de 2005 · 19 anos atrás

Encontrar caminhos para preservar a Amazônia, ou parte substancial dela, já seria bastante difícil se a discussão se limitasse aos fatos. Quando os mitos começam a prosperar, o trem sai de vez dos trilhos.

A tal da cobiça estrangeira pela Amazônia é um exemplo. Aquela história dos supostos mapas nos livros escolares americanos onde a região supostamente aparece como território internacional já foi exaustivamente desmentida, mas a paranóia persiste. Sua mais recente vítima é o ex-comissário europeu e candidato a diretor da OMC Pascal Lamy. Em conferência na sede das Nações Unidas em Genebra ele se atreveu a mencionar as florestas tropicais como possíveis <AHREF=”HTTP: target=”_blank” Public_good? wiki en.wikipedia.org>bens públicos mundiais. Questionado por jornalistas, ele disse ainda que se essas florestas forem definidas como bem público, então poder-se-ia implementar certas regras para a sua gestão.

Ora, no jargão dos economistas bem público é qualquer bem que gera grandes externalidades positivas, e portanto tende a não ser rentável para o produtor privado. Um exemplo: iluminação pública. Como é impossível cobrar pelo benefício que a iluminação traz, o serviço geralmente é provido pelo governo. Serviços ambientais também são um ótimo exemplo, e parece ser esse o sentido das declarações de Lamy: que o meio ambiente tem um valor que não pode ser apropriado diretamente. Se foi essa a sua intenção o seu discurso deve ser aplaudido, pois reconhecer a existência desses bens públicos é o primeiro passo para discutir a remuneração por serviços ambientais.

Parece uma idéia extremamente interessante. Em troca de concordar com alguns princípios de gestão, o Brasil poderia ser remunerado pelo trabalho de preservar o que resta de suas florestas. Aos fetichistas da soberania, previsivelmente escandalizados pela idéia, resta perguntar: soberania é um fim ou um meio?
Esse mito da cobiça internacional é antigo e não parece muito vulnerável à exposição dos fatos. Talvez seja mais produtivo tentar evitar o surgimento de novas fantasias. Como essa idéia, por exemplo, de que a responsabilidade última pelo desmatamento da Amazônia estaria com os compradores de madeira do sudeste, e mais especificamente de São Paulo, dado que a maior parte da madeira retirada da Amazônia teria seu mercado aqui.

Felizmente existem estudos de qualidade sobre o assunto. Na página de downloads do Imazon é possível encontrar dois pequenos livros elaborados por aquele instituto, o Imaflora e a Amigos da Terra. O primeiro deles, publicado em 1999, se chama Acertando o Alvo: consumo de madeira no mercado interno brasileiro e promoção da certificação florestal. Esse estudo procurou estimar os destinos e as amplitudes dos fluxos de madeira originários dos estados da Amazônia legal. A conclusão foi que o maior consumidor de madeira tropical do mundo é o próprio Brasil, que fica com 86% da madeira amazônica, e que uma em cada cinco árvores cortadas na Amazônia acabava em São Paulo. Os autores avaliavam, com base em extensa pesquisa de campo, que os consumidores não davam atenção à origem da madeira dos produtos que compravam, e que os intermediários eram muito céticos com relação ao conceito de madeira certificada.

Em 2002 as três organizações publicaram um novo estudo: Acertando o Alvo 2: Consumo de madeira amazônica e certificação florestal no estado de São Paulo. Os autores procuraram aprofundar a análise do primeiro Acertando o Alvo, identificando os usos de madeira amazônica em São Paulo, tanto a certificada quanto a de origem incerta. Eles entrevistaram 861 revendedores de madeira e 119 industriais consumidores de madeira. São Paulo foi escolhido por ser o maior destino da madeira amazônica. Não o destino final, vale dizer, pois uma boa parte dessa madeira é consumida por indústrias que vendem seus produtos para o resto do Brasil e para o exterior, como a de móveis, por exemplo.

A maior parte da madeira amazônica vendida no estado passa pelos depósitos de madeira, e tem por destino final a estrutura de telhados de casas (42%) e os andaimes e formas para concreto (28% do consumo total). A madeira certificada já domina alguns segmentos do mercado como casas de madeira, pisos e esquadrias. Os autores apuraram ainda que havia grande ignorância sobre o tema certificação entre os operadores dos depósitos de madeira.

As duas pesquisas revelam que o consumo de madeira amazônica é em grande parte explicável por razões econômicas. As variedades mais baratas são utilizadas em funções nada nobres, como as formas para concreto na construção. Usa-se madeira amazônica porque foi a que sobrou, depois da destruição dos estoques do Sul e Sudeste do país. André Freitas, secretário executivo do Imaflora, acredita que será muito difícil para a madeira certificada competir nesse segmento, por uma questão de custo. Não o custo da certificação, mas o custo de ser empresa organizada no Brasil. Os fornecedores de madeira sem origem são informais, não pagam impostos, não respeitam direitos trabalhistas, e não arcam com os custos da destruição que promovem. Logo têm todas as condições de oferecer preços mais baixos.

Isso não quer dizer que os esforços de conscientização são inúteis. A Amigos da Terra, em particular, conduz um projeto junto a compradores de madeiras e de outros produtos florestais que parece fazer diferença. O projeto Compradores reúne uma série de empresas e órgãos públicos que se comprometem a oferecer produtos fabricados com matéria prima certificada pelos padrões do FSC. Para Karina Aharonian, coordenadora do grupo de compradores do ramo madeireiro, o trabalho tem encontrado boa receptividade, na divulgação não só dos métodos de certificação, mas também de práticas florestais menos predatórias, como o uso de madeiras de outros tipos além dos tradicionais. Para uma boa parte desses compradores, o uso da madeira certificada é parte de uma estratégia de marketing, buscando atingir um consumidor esclarecido.

O grande desafio é levar a conscientização a um grupo mais amplo de consumidores; fazê-los perceber que ao comprar aquela madeira ilegal ele está financiando o desmatamento, a pistolagem, e o trabalho escravo. Mas o trabalho não acaba aí. O comércio de madeira ilegal é parte de uma vasta economia informal que cresceu onde o estado não quer ou não pode chegar. Não dá para imaginar que a conscientização de consumidores e intermediários por si só será suficiente para acabar com ele. Há coisas que o setor privado não consegue fazer sozinho.

Leia também

Notícias
15 de julho de 2024

Reforma tributária: Brasil perde chance de colaborar com meio ambiente, diz organização

Na primeira grande regulamentação da Reforma Tributária, Congresso deixa de sobretaxar produtos nocivos ao meio ambiente

Reportagens
15 de julho de 2024

Na Amazônia, o fruto que alimenta há milhares de anos encara a ameaça das mudanças climáticas

O açaí está na base do prato para muitas populações amazônicas, mas com colheitas reduzidas por causa das mudanças climáticas, comunidades encaram uma perda que é alimentar, cultural e econômica

Colunas
15 de julho de 2024

Pensando como ancestrais para salvar o planeta

Para pensar de forma ancestral, o Brasil terá que abandonar nocivas ilusões petroleiras e a destruidora ambição do agronegócio predador

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.