Colunas

Quero ar

A poluição do ar em São Paulo ataca no inverno, mas não é inevitável como um fenômeno da natureza. Veículos ainda são os maiores responsáveis pelo fato.

20 de maio de 2005 · 19 anos atrás

Depois de um dia de molho em casa pedi ao João, meu co-autor, espaço para falar um pouco de minha experiência pessoal com a poluição do ar.

Sou mineira de Belo Horizonte, mas quando me perguntam digo que sou carioca. Morei no Rio de Janeiro a maior parte de minha vida e fui criada naquela cidade maravilhosa. Minha adaptação à cidade que me acolheu quando eu tinha apenas 7 anos foi muito rápida. Como sou alérgica, o clima do Rio e os anos de natação no Clube de Regatas do Flamengo foram decisivos para melhorar minha qualidade de vida.

Lá pelos idos de 2002, depois de um bom tempo de ponte-aérea fixei minha residência em São Paulo. No começo ao acordar sentia a garganta ardendo e minha voz custava a sair. Fui procurar o que era e me informaram que era a poluição, culpa do inverno e das inversões térmicas. Desde essa época me mostraram conceitos embaralhados que só servem para se evitar soluções. Aqui em São Paulo é muito comum atribuirmos a culpa a São Pedro por problemas que o homem só ajudou a agravar.

No início desta semana, quando a umidade do ar caiu a níveis muito baixos, os problemas da poluição do ar se intensificaram e acabei de cama, assim como algumas pessoas acabaram no hospital, com dificuldades para respirar e cansaço. Quando os problemas de desmatamento e meio ambiente são distantes fica mais fácil nos esquecermos deles – o que por si só é um imenso problema. Mas não é menos pior quando ele bate a nossa porta e fazemos vista grossa a seus efeitos. O meio ambiente urbano é um problema sério, como mostrou o último relatório do IBGE, mas nem de longe tem recebido a atenção necessária ou tem tido sua análise de causa e efeito tratadas de maneira intelectualmente honesta.

O homem faz muito mal ao homem. Já não podemos sair de casa tranqüilos por causa da violência, sonhamos com carros blindados e grades, já não podemos desfrutar de áreas verdes ou dos nossos rios e agora mal podemos respirar o ar de nossa cidade. Não é hora de pensarmos em soluções efetivas?

São Paulo não é a única grande cidade brasileira a enfrentar esse problemas. Mas é a maior, e o seu problema de poluição é o maior, mais antigo e mais visível do país. Os paulistanos já se acostumaram até mesmo a lidar com a poluição do ar quase como se fosse um fenômeno natural, com data certa para chegar e para ir embora. A partir de maio, quando começa a estação seca, é normal ler sobre inversões térmicas e sobre o efeito das altas concentrações de poluentes sobre a saúde humana.

Talvez essa ligação entre poluição e meteorologia seja um dos fatores que levam muitos a encarar o ar poluído de São Paulo com um certo grau de fatalismo. Fica parecendo que a poluição tem mais a ver com chuvas e ventos e com o ciclo natural das estações do que com fontes de emissões. Ao invés de atacar as fontes, rezamos por chuva. E o pior é que não seria tão difícil nem tão caro reduzir dramaticamente o nível de poluição em São Paulo. Estudos mostram que o custo de fazê-lo seria mais do que coberto pela economia auferida nos gastos de saúde causados pelo ar sujo.

São cinco os poluentes que a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), seguindo os padrões internacionais, mede e utiliza como indicadores da qualidade do ar em São Paulo: material particulado, dióxido de enxofre, monóxido de carbono, ozônio e dióxido de nitrogênio. Cada um deles faz mal à saúde do seu modo, mas todos eles têm uma origem em comum, direta ou indiretamente: os motores de combustão interna. Os processos industriais, que no passado foram fonte importante de poluição em São Paulo, estão hoje em grande parte sob controle. A exceção é o caso de Cubatão, onde as indústrias (química, petroquímica, siderurgia, fertilizantes) ainda são os principais poluidores.

O controle das emissões veiculares é uma tarefa perfeitamente factível. A experiência brasileira com o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (PROCONVE) o mostra. A partir do final da década de 80, o Brasil passou a adotar padrões cada vez mais exigentes de controle dos gases emitidos por automóveis, caminhões e ônibus. De acordo com a CETESB, em 2004 um veículo leve novo produzia 94% menos poluentes do que no início do programa.

O próprio sucesso do PROCONVE parece ter criado uma falsa sensação de que o problema estava resolvido. No entanto, os veículos ainda são, de longe, a principal fonte de poluição do ar em São Paulo, responsáveis por 97,8% das emissões de monóxido de carbono, 97% dos hidrocarbonetos, 96,2% dos óxidos de nitrogênio, 54,9% dos óxidos de enxofre, e 40% das partículas inaláveis. Grande parte desses poluentes é emitida por motocicletas e por veículos a diesel. Limites mais estritos de emissões para motos, caminhões e ônibus, inspeção veicular, assim como medidas para melhorar o transporte coletivo devem ser os próximos passos para resolver o problema da poluição do ar em São Paulo e nas outras grandes cidades brasileiras. São Paulo precisa achar a sua identidade pós-industrial, e não há justificativa para tolerar a poluição do ar em nome do desenvolvimento econômico.

Leia também

Notícias
12 de abril de 2024

ICMBio abre consulta pública para criação de novo parque marinho no Rio Grande do Sul

Criação do Parna de Albardão foi proposta há mais de 15 anos. Unidade protegerá 1,6 milhão de hectares, em região com alta pressão da pesca industrial

Notícias
12 de abril de 2024

Pesquisadores alertam para impactos de turbinas eólicas sobre morcegos

Artigo assinado por 12 pesquisadores de 9 países e territórios aborda efeitos das turbinas sobre morcegos ao redor do mundo, lista medidas de prevenção e pede maiores regulações

Salada Verde
12 de abril de 2024

Os 35 anos do Parna Grande Sertão Veredas

Uma das principais unidades de conservação do Cerrado abriga inigualáveis cenários que inspiraram a obra de Guimarães Rosa

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.