Dicionário Ambiental

Entendendo a Amazônia

Neste guia ((o))eco, voltamos a atenção para o maior bioma do país. Um frágil gigante que guarda a maior diversidade biológica do planeta.

16 de junho de 2013 · 8 anos atrás

Na Amazônia, nada é tímido. Ao contrário, tudo parece tomar proporções míticas: o maior bioma do Brasil cobre um território de 4,196.943 milhões de km², onde crescem 2.500 espécies de árvores – 1/3 de toda a madeira tropical do mundo – e 30 mil espécies de plantas (das 100 mil da América do Sul). O bioma representa mais da metade das florestas tropicais remanescentes e compreende a maior biodiversidade em uma floresta tropical no planeta.

Também compreende a maior bacia hidrográfica do mundo com cerca de 6 milhões de km² e tem 1.100 afluentes. O rio Amazonas corta a região para desaguar no Oceano Atlântico, lançando ao mar cerca de 175 milhões de litros d’água a cada segundo. O mais extenso e caudaloso rio do mundo, nasce na Cordilheira dos Andes, no lago Lauricocha, Peru e ao longo de seu percurso, ele recebe os nomes Tunguragua, Apurímac, Marañón, Ucayali, Amazonas (a partir da união do rios Marañon e Ucayali, no Peru), Solimões e novamente Amazonas (na união do rios Solimões e Negro), antes de se juntar ao oceano, nas proximidades da Ilha do Marajó, no Brasil.

A maior parte da floresta está contida em território brasileiro, que detém 60% da Amazônia, seguido pelo Peru com 13% e com fragmentos menores na Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e França (Guiana Francesa). No Brasil, o bioma ocupa cerca de 49,29% do território e abrange três (Norte, Nordeste e Centro-Oeste) das regiões do país.

Para efeitos de governança e política economia, a Amazônia é delimitada por uma área chamada “Amazônia Legal” definida a partir da criação da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM), em 1966. Neste verde e vasto colosso de águas e florestas vivem mais de 33 milhões de pessoas, incluindo 1,6 milhão de povos indígenas de 370 etnias distintas, além de ribeirinhos, extrativistas e quilombolas.

A floresta garante a sobrevivência desses povos, fornecendo alimentação, moradia e medicamentos. Além disso, é economicamente relevante: estimativas situam a região como a maior reserva de madeira tropical do mundo, com recursos naturais (enormes estoques de borracha, castanha, peixe e minérios, para mencionar alguns) que representam uma abundante fonte de riqueza natural.

A proximidade à Linha do Equador determina o clima na floresta Amazônica: quente e úmido, com poucas variações de temperatura ao longo do ano. As chuvas são abundantes – o período chuvoso dura até 6 meses -, com as médias de precipitação anuais variando de 1.500 mm a 1.700 mm, podendo ultrapassar 3.000 mm na foz do rio Amazonas e no litoral do Amapá.

Sob a influência deste clima equatorial quente superúmido e úmido, a diversidade geológica da região, aliada ao seu relevo diferenciado (depressões, planaltos e planícies), resultou na formação do solo amazônico que, embora variado, é notório por sua baixa fertilidade natural, o que contrasta com a exuberância das florestas ombrófilas que nele se desenvolvem.

Isto se dá porque a floresta Amazônica é um ecossistema autossustentável. Toda sua diversidade e beleza se mantém em virtude de uma fina camada de nutrientes proporcionada pela biomassa da floresta (folhas, galhos e frutos senescentes), aliada ao regime de chuvas favorável e aos microrganismos que habitam o solo. Ou seja, é um sistema que se mantém com seus próprios nutrientes num ciclo permanente: um delicado equilíbrio entre flora e fauna que é extremamente sensível a quaisquer interferências.

Apesar de ser a característica mais marcante da Amazônia, a floresta não esconde a grande variedade de ecossistemas, dentre os quais se destacam: matas de terra firme, florestas inundadas, várzeas, igapós, campos abertos e cerrados. Com variação tão grande de habitats, a Amazônia acaba por abrigar uma infinidade de espécies vegetais e animais: cerca de 2,5 milhão de espécies de insetos, dezenas de milhares de plantas e cerca de 2.000 aves e mamíferos. Até o momento foram catalogadas pelo menos 40.000 espécies de plantas, 3.000 de peixes, 1.294 aves, 427 mamíferos, 428 anfíbios e 378 répteis. Estima-se que um em cada cinco de todos os pássaros no mundo vivem nas florestas tropicais da Amazônia. Biólogos já descreveram entre 96.660 e 128.843 espécies de invertebrados só no Brasil.

O grande bioma amazônico tem uma relevância que vai além de suas fronteiras: influencia diretamente o regime de chuvas do Brasil e da América Latina e é um fundamental sorvedouro de carbono, contribuindo para o equilíbrio climático global. Sua imensa cobertura vegetal estoca entre 80 e 120 bilhões de toneladas de carbono. A derrubada de árvores libera uma considerável parcela de dióxido de carbono na atmosfera.

Toda a grandeza Amazônica, entretanto, não é páreo à ação humana, cujos danos causados são muitas vezes irreversíveis. Dos tempos do Brasil Colônia até 1970, o desmatamento não passava de 1% de toda a floresta. Desde então, em apenas 40 anos, o número saltou para 17% – uma área equivalente aos territórios do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Rio de Janeiro e Espírito Santo. Ao buscar integrar a região à economia nacional, o governo militar distribuiu incentivos para que milhões de brasileiros ocupassem aquela fronteira “vazia”. A corrida por terras deu espaço à grilagem e ao caos fundiário, questões que assombram até hoje.

*Crédito da imagem original: Rio Teles Pires por Margi Moss

 

Leia também

Reportagens
23 de novembro de 2021

STJ reitera proibição de licenciamento de empreendimentos na APA de Maricá

Pescadores artesanais da Vila Zacarias protestam contra construção de resort em área de restinga, após reunião com integrantes da Defensoria Pública

Reportagens
23 de novembro de 2021

Lei do Mar propõe marco regulatório para gestão do bioma marinho-costeiro

Proposta traz princípios norteadores e cardápio de estratégias para uso e conservação do mar. Atualmente, a gestão do bioma acontece de forma fragmentada

Notícias
22 de novembro de 2021

Justiça de Rondônia julga inconstitucional lei que reduziu duas unidades de conservação no Estado

Reserva Jaci-Paraná e Parque Estadual Guarajá-Mirim foram reduzidos em quase 220 mil hectares após aprovação de lei estadual

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta