Notícias

Passivo ambiental comunista

Moscou, uma cidade de 11 milhões de habitantes, tem que enfrentar um tipo de poluição que lhe é bastante peculiar: a de rejeitos nucleares. Herança do regime comunista, que desenvolveu seu programa nuclear sem qualquer tipo de cuidado ambiental, Moscou hoje tem que conter e limpar 1200 sítios com material radioativo, conta o The New York Times (gratuito, pede cadastro). Esses são os que se conhece. Imagina-se que haja ao menos centenas de outros. Na época da União Soviética, esses locais eram segredos tão bem guardados que as infomações sobre seus endereços acabaram se perdendo pela burocracia dos militares e do governo. A situação é tão grave que a Rússia foi obrigada a criar uma empresa estatal dedicada a procurar áreas desconhecidas onde exista poluição nuclear. Leitura um pouco mais longa. Leva-se pouco menos de 10 minutos.

Manoel Francisco Brito ·
13 de agosto de 2004 · 20 anos atrás

Leia também

Reportagens
24 de junho de 2024

Marina Silva apoia pré-candidatura prioritária da Rede em São Paulo, com foco na pauta ambiental

Ministra participou de evento realizado no último sábado (22), em apoio à Marina Bragante, que concorrerá à câmara de vereadores; intenção é percorrer o país

Análises
24 de junho de 2024

Greve dos servidores ambientais: o dilema político do governo Lula

O governo sabe que a reestruturação da carreira de especialista em meio ambiente é uma questão de justiça e que não promovê-la tem um custo político enorme, pois revela uma incoerência

Salada Verde
24 de junho de 2024

Aos 94 anos, morre Dalgas Frisch, “senhor das aves” do Brasil

Pioneiro na gravação do canto das aves no país, ainda na década de 60, Dalgas dedicou sua vida à observação, promoção e conservação da avifauna brasileira

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.