Notícias

Linhão de Turucuí mata parque estadual no Amazonas

Mudança de categoria do Parque Estadual Nhamundá, de 28 mil hectars, para APA Guajuma já foi publicada no Diário Oficial do estado.

Vandré Fonseca ·
18 de maio de 2011 · 11 anos atrás
O Parque Estadual Nhamundá, na divisa do Amazonas com o Pará, não existe mais. Ele deu lugar a Área de Proteção Ambiental Guajuma, que ocupa os antigos 28 mil hectares do parque. A mudança permite a passagem do Linhão de Tucuruí, que vai levar a energia elétrica produzida no Pará à capital do Amazonas. Um parque estadual é uma unidade de proteção integral, onde seria proibida uma obra como a linha de transmissão, enquanto uma APA é área de uso sustentável com menos restrições para atividades econômicas ou alterações na paisagem.

O sepultamento de uma das mais antigas unidades de conservação estaduais foi decretado pela Lei Estadual nº 3.602, publicada no Diário Oficial do Estado no dia 9 de maio. A proposta apresentada pelo governo amazonense já havia sido aprovada em regime de urgência na Assembleia Legislativa do Amazonas, em meados de abril.

Para o presidente da Comissão de Meio Ambiente da Assembleia Legislativa, Luiz Castro (PPS), a obra é importante para o estado, mas havia alternativas menos radicais que vinham sendo discutidas para permitir a passagem do linhão. Era discutida a criação de um mosaico de áreas protegidas para substituir o parque, que sempre enfrentou críticas da população de Nhamundá, devido às restrições que impunha à agropecuária e à expansão urbana da cidade. Apesar de ser uma unidade de proteção integral, cerca de 2 mil pessoas viviam dentro do Parque Estadual, uma ocupação anterior ao decreto de criação.

Uma proposta que chegou a ser discutida no governo estadual era a criação de um conjunto com três áreas protegidas, que juntas seriam mais extensas que a APA Guajuma. O novo Parque Estadual teria 13 mil hectares, que seria contíguo a uma Floresta Estadual (com 15 mil hectares) e a APA (29 mil hectares). Mas esta não foi a proposta apresentada aos deputados estaduais. Luiz Castro promete propor ao Conselho Estadual de Meio Ambiente uma nova mudança de categoria da APA. “Acho que podemos ter ali pelo menos uma Reserva de Desenvolvimento Sustentável, que protege mais do que uma APA”, afirma o deputado.

O Parque Estadual Nhamundá foi criado pelo decreto 12.175 de 1989, pelo então governador Amazonino Mendes, em uma área de floresta e campinas, a 360 quilômetros de Manaus. Além de ser uma área com espécies endêmicas, abriga também tabuleiros de reprodução de quelônios.

Leia também

Notícias
1 de dezembro de 2021

Amazônia acumula 73 mil focos de incêndio em 2021, segundo dados do INPE

Há menos de uma semana, Bolsonaro voltou a afirmar que “floresta úmida não pega fogo”. Número de queimadas no Pampa segue em alta

Notícias
1 de dezembro de 2021

Audiência Pública discute projeto de lei que quer municipalizar áreas de preservação em Angra dos Reis

Projeto que altera gestão da APA Tamoios é da deputada Célia Jordão, esposa do prefeito de Angra. Cerca de 40 organizações se manifestaram contrárias ao PL

Reportagens
30 de novembro de 2021

Há 8 anos na Câmara, projeto que cria uma lei para o mar ainda não tem votação à vista

Série de reportagens investiga motivos da longa tramitação do projeto de lei que institui a Política Nacional para Conservação e o Uso Sustentável do Bioma Marinho Brasileiro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta