Notícias

Tristes araras em mercado árabe

Um passeio ao bazar da capital do Catar, no Oriente Médio, revela um mercado agitado com espécies de aves típicas das florestas da América do Sul.

Gustavo Faleiros ·
11 de agosto de 2011 · 13 anos atrás
Uma arara-vermelha grande na loja Amazon World, no bazar de Doha, Catar. Solitária, esta ave certamente não está feliz (foto: Gustavo Faleiros)
Uma arara-vermelha grande na loja Amazon World, no bazar de Doha, Catar. Solitária, esta ave certamente não está feliz (foto: Gustavo Faleiros)

 

Duas araras-canindé em gaiolas da loja Amazon World (foto: Gustavo Faleiros)
Duas araras-canindé em gaiolas da loja Amazon World (foto: Gustavo Faleiros)
Relatei em um post em ((o))eco Cidades que, recentemente, tive a oportunidade de visitar o emirado do Catar. Na capital Doha, o passeio básico para qualquer estrangeiro que se aventure nesta escaldante península do Golfo Pérsico é uma visita ao bazar (souq em árabe). O principal, a Souq Waqif, fica no coração da cidade e possui dezenas de ruelas com lojas de especiárias, tecidos e outros artefatos típicos do Oriente Médio. Mas não só isso, no bazar o amor pela coleção de aves silvestres também está bem representado. Em uma praça, conta-se pelo menos 10 pequenos comerciantes de aves. Minha surpresa foi ver ali exemplares de três espécies típicas da América do Sul, a arara canindé (Ara Ararauna), a arara-vermelha grande (Ara chloropterus) e um papagaio-verdadeiro (Amazona aestiva).

Perguntei ao vendedor da loja – cujo nome era Amazon World  – sobre de que forma as aves chegavam ali. Ele me disse que eram aves criadas em cativeiro. As araras eram dóceis e brincavam de rolar no chão. Elas podiam ser compradas por cerca de 150 dólares cada.

 

Amazon World, na Souq Waqif de Doha. Dono diz que animais foram criados em cativeiro (foto Gustavo Faleiros)
Amazon World, na Souq Waqif de Doha. Dono diz que animais foram criados em cativeiro (foto Gustavo Faleiros)

 

Uma consulta a um amigo biólogo (que prefiro omitir o nome) me esclareceu qual é o principal problema com a venda de pássaros em Doha. É bem provável, diz ele, que os pássaros sejam sim de cativeiro. Mas os psitacídeos, como as araras e papagaios, estão entre os animais mais sociais que conhecemos (até falam, vejam só). Vivem sempre em grupo ou no mínimo na companhia de seu parceiro(a). Nas palavras do amigo biólogo: “ninguém que tenha um destas aves em casa pode suprir a demanda por atenção que estes animais precisam”. No vídeo abaixo, o meu registro do papagaio-verdadeiro, nitidamente não muito contente com a exposição no mercado.

 

  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Leia também

Salada Verde
24 de maio de 2024

Comissão da Câmara aprova projeto que aumenta pena para crime ambiental na Amazônia

Proposta também inclui penalização de servidores e agentes públicos que se omitirem diante de tais crimes. Ascema vai avaliar conteúdo do texto

Notícias
24 de maio de 2024

Desastres ambientais afetaram 418 milhões de brasileiros em 94% das cidades, diz estudo

Levantamento feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) mostra que cada brasileiro enfrentou, em média, mais de duas situações de desastre entre 2013 e 2023

Salada Verde
24 de maio de 2024

A despedida da flor-de-maio 

A bela floração dessa espécie endêmica da Mata Atlântica dura de 15 a 20 dias e ocorre somente uma vez por ano

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.