Notícias

ONU-Habitat aponta cidades sob risco

Dia Mundial do Habitat: órgão da ONU participa de evento no Brasil e alerta sobre os efeitos desastrosos que o aquecimento global terá sobre vida urbana.

Daniele Bragança ·
5 de outubro de 2011 · 11 anos atrás
Se o mar subir, em 2100, uma população de 130 milhões de pessoas poderá sentir consequências semelhantes ao do furacão Katrina que atingiu Nova Orleans, em 2005. Foto: Steve Chaaf
Se o mar subir, em 2100, uma população de 130 milhões de pessoas poderá sentir consequências semelhantes ao do furacão Katrina que atingiu Nova Orleans, em 2005. Foto: Steve Chaaf
“O número de refugiados por causa das mudanças climáticas poderá ser de 200 milhões de pessoas em 2050, alerta o diretor da ONU-Habitat na América Latina e Caribe”, Alain Grimard, em evento na PUC-Rio, segunda-feira, 3 de outubro. O encontro marcou a assinatura de um convênio entre a ONU-Habitat e a PUC-Rio, o primeiro com uma universidade brasileira, além da comemoração do Dia Mundial do Habitat, que é celebrado todos os anos na primeira segunda-feira de outubro.

O tema da data para 2011 é “Mudança Climática e Cidades”. Ele levanta a questão de como os grandes centros urbanos deverão se adaptar para suportar e tentar mitigar localmente o aquecimento que os modelos de clima preveem. O cenário é desafiador: estima-se que ultrapassaremos a barreira dos 7 bilhões de humanos no planeta até o final deste outubro, disse Grimard. Segundo os dados da ONU-Habitat, mais da metade já são urbanos. Entre 1950 e 2011, essa população quintuplicou de cerca de 700 milhões de pessoas para 3,5 bilhões.

Anfitrião do encontro, o reitor da PUC-Rio, padre Josafá Siqueira, disse que a universidade contribuirá nessa empreitada. A PUC-Rio quer se tornar uma universidade sustentável. Exemplos de medidas que, somadas, podem reduzir a sua pegada ecológica são a coleta seletiva e o aumento da reciclagem no campus, impressão de documentos em frente e verso com fontes que economizam tinta e a construção de um bicicletário para os alunos e funcionários. A universidade, através do NIMA-PUC (Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente) foi consultora do governo do estado para a formulação do Código Ambiental do Rio de Janeiro. Também faz pesquisas com estruturas de construção feitas de bambu e mapeamento de áreas da cidade que podem ser alagadas, caso, como se prevê, o nível dos oceanos suba até 1,5 metros até 2100.

Alain Grimard confirmou a preocupação: “Hoje, há 60 milhões de pessoas que vivem a apenas um metro do nível do mar. Até o final do século esse número saltará para 130 milhões de pessoas. As principais cidades costeiras sofrem ameaças de tempestades e privações. Precisamos fazer um planejamento urbano adequado para enfrentar essa ameaça”, advertiu.

Durante o evento foi assinado um convênio entre a ONU-Habitat e a PUC, em que a Universidade se torna parceira para desenvolver projetos futuros em conjunto. A escolha da PUC como parceria não foi gratuito, a Universidade é pioneira em ter uma agenda ambiental institucional e o Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA), que é parceiro também de O ECO, existe desde 1999. A ONU-Habitat é um programa das Nações Unidas para assentamentos humanos, com sede em Nairóbi, Quênia.

O tema da urbanização e a maneira como devemos conceber as cidades frente aos desafios que as mudanças climáticas impõem estará presente na pauta da Conferência da Rio+20, que será realizado ano que vem, no Rio de Janeiro.

  • Daniele Bragança

    É repórter especializada na cobertura de legislação e política ambiental. Formada em jornalismo pela Universidade do Estado d...

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.