Notícias

162 ciclistas, 200 quilômetros e um tucano na beira da estrada

Durante evento no interior de São Paulo, participantes puderam observar do acostamento massacre de animais nas estradas brasileiras

Daniel Santini ·
27 de janeiro de 2012 · 12 anos atrás
Além de testar limites pessoais e expandir horizontes, os ciclistas que participaram do último Audax, realizado no final de semana passado em Holambra, no interior de São Paulo, também tiveram contato com uma realidade pouco divulgada das estradas brasileiras. Os participantes percorreram 200 km (ou 135 km, no caso dos que optaram pelo desafio, modalidade mais leve) e, durante o percurso, puderam observar corpos e mais corpos de animais silvestres mortos jogados para a beira do asfalto. Diferente de quem passa de carro, quem está no acostamento consegue ter uma boa dimensão do massacre constante de aves, répteis e mamíferos que acontece nas vias de alta velocidade do país.

 

Audax é um tipo de prova baseada mais em solidariedade do que em competição, na qual é comum ver um participante ajudando o outro, seja dividindo comida ou câmaras para pneus furados, seja trocando palavras de apoio. A organização tem como objetivo a promoção de cicloviagens e do uso da bicicleta em percursos de longa distância. Quem participa enfrenta uma disputa pessoal contra o relógio – é preciso completar percursos longos em tempos determinados, o que significa que, quem participa, passa o dia inteiro pedalando.

Em um Audax como o de Holambra, as paisagens são incríveis (veja as fotos do Marcelo Assumpção abaixo ou neste link), mas é impossível deixar de prestar atenção no asfalto – e, consequentemente, nos animais mortos no caminho. Este blogueiro, que percorreu 200 km, contou 10 aves, oito cobras, um tatu e um roedor grande difícil de identificar. Ao todo, foram 20 corpos no caminho percorrido em pouco mais de 12 horas. Dá um corpo a cada 10 km. Mesmo considerando que alguns, como o do tatu, já deveriam estar lá por mais de um dia, considerando o cheiro e a quantidade de formigas presentes, a quantidade impressiona. E incomoda.

O tucano é uma ave linda. Encontrar um jogado na grama, provavelmente atingido por um caminhão, embrulha o estômago. O da foto foi avistado no final de uma subida, pertinho desta coral em que é possível ver até as marcas do pneu. Ela se arrastou até a beira do asfalto após ser atingida, mas, quando fotografada, estava estática, seca, dura. No trecho em questão, como em tantos outros, carros e caminhões passam sem nenhuma consideração por limites de velocidade ou respeito à vida.

Outro pássaro avistado morto no final de uma subida foi uma coruja. Em se tratando de atropelamentos, o sobe e desce da região não ajuda. Embalado na descida, o impulso é manter a velocidade para conseguir completar a subida sem gastar tanta energia – principalmente se você está de bicicleta tentando desesperadamente economizar calorias em uma prova difícil e longa. Só que, quando a velocidade ultrapassa 120 kmh e a carga carregada é de mais de uma tonelada (peso de muitos dos carrões fabricados hoje), este tipo de deslocamento pode ser fatal – na maioria das vezes para animais desatentos, mas, comumente, para gente também.
Confira alguns dos cenários do percurso nas fotos de Marcelo Assumpção (e pense se não vale diminuir a velocidade, nem que seja para apreciar a vista):
  • Daniel Santini

    Responsável pela plataforma ((o)) eco Data. Especialista em jornalismo internacional, foi um dos organizadores da expedição c...

Leia também

Salada Verde
28 de setembro de 2023

Rio: Justiça mantém embargadas obras da Tirolesa

Após decisão do TRF, ficam paralisadas as obras do projeto que previa a instalação de tirolesa de 755 metros no Pão de Açúcar do Rio de Janeiro

Salada Verde
28 de setembro de 2023

Congresso discute Política Nacional de Arborização Urbana

Projetos de Lei preveem a formulação de planos nacionais, estaduais e municipais para a arborização urbana, além de um comitê gestor para a área

Notícias
28 de setembro de 2023

Marco Temporal não passou, mas teses complementares podem atrasar titulação

Ao concluir do julgamento, ministros do STF fixaram 13 normas que devem ser cumpridas para titulação de Terras Indígenas. Congresso segue batendo de frente

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta