Notícias

Pesca de Acará-disco garante renda no Amazonas

Na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Piagaçu-Purus grupo desenvolve técnicas de manejo e agrega valor ao acará-disco.

Leilane Marinho ·
3 de maio de 2012 · 11 anos atrás

Acará-disco. Crédito: Instituto Piagaçu
Acará-disco. Crédito: Instituto Piagaçu

Demorou algum tempo para que os pescadores da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Piagaçu-Purus (RDS PP), no estado do Amazonas, acreditassem que menos pode significar mais. Na verdade, além de tempo, muita pesquisa, pois foi depois de quase sete anos de estudos e diagnósticos que foi possível chegar a uma técnica para a captura do peixe ornamental acará-disco (Symphysodon aequifasciatus), conhecido em todo mundo por sua beleza de cores e excêntrico formato, bastante procurado no mundo do aquariofilia.

“Capacitamos os pescadores e agregamos valor ao peixinho, estabelecendo critérios de captura, armazenamento, transporte e geração de renda . Com todos esses cuidado o produto ganhou qualidade”, explica o biólogo Felipe Rossoni, que desde 2005 trabalha com pesquisa no Programa de Conservação e Manejo de Recursos Pesqueiros do Instituto Piagaçu.

Atualmente o Grupo Experimental de Manejadores de Peixes Ornamentais (GEMPO), formado por dez famílias de três comunidades do Lago Ayapuá , comercializa peixes que antes custavam R$ 0,80 por até R$ 40. Agora, menos peixe capturado é igual a mais renda na comercialização.  A pesca, antes desordenada, passou a ser realizada somente na época da vazante (seca amazônica), que no baixo rio Purus quase sempre acontece entre os meses de setembro e novembro. E a mortalidade que beirava até 70% em alguns casos, chegou a 0,5%.

“Este tipo de abordagem – soma de conhecimentos, gestão participativa e empoderamento local das iniciativas – pode ser um grande aliado para a conservação em vários cenários amazônicos, sobretudo em Unidades de Conservação”, completa Rossoni.

Leia também:
A Amazônia agora tem seu próprio bacalhau
Reserva de desenvolvimento de caça

 

Leia também

Notícias
6 de fevereiro de 2023

Descoberta de maracujá ameaçado ganha nome indígena em aceno de resistência

O maracujá-puri foi descoberto num fragmento florestal rodeado por pastos numa área desprotegida da Serra da Mantiqueira, em Minas Gerais, e é considerado criticamente ameaçado

Notícias
6 de fevereiro de 2023

Oportunidade: ((o))eco oferece primeira bolsa-reportagem de 2023

Em parceria com IMAZON e FAS, a bolsa-reportagem é destinada a comunicadores recém-graduados ou graduandos que residam e/ou estudem nos estados que compõem a Amazônia Legal

Salada Verde
6 de fevereiro de 2023

Proteção marinha brasileira ganha prêmio internacional

Entidade estadunidense reconhece a qualidade da conservação na Estação Ecológica de Tupinambás e no Refúgio de Vida Silvestre de Alcatrazes

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta