Notícias

Tangará: um exímio dançarino e sedutor

Dançarinos organizados, eles se enfileiram em um galho e vão, um a um, se apresentando para a potencial parceira. Foto: Fabio Olmos

Duda Menegassi ·
3 de agosto de 2012 · 9 anos atrás
A foto que ((o))eco traz essa semana homenageia o tangará (Chiroxiphia caudata), também conhecido como tangará-dançarino. Esse nome pode ser associado ao ritual dos machos usado para se exibir à fêmea. Dançarinos organizados, eles se enfileiram em um galho e vão, um a um, se apresentando para a potencial parceira. Assim que acabam de exibir seu número, retornam para o final da fila para ter mais uma chance de ganhar as atenções.

Na reprodução, seus ovos ficam incubados por um período de 18 dias, num ninho construído pela mãe. Os filhotes se tornam independentes cedo. Com cerca de 20 dias de vida abandonam o ninho.

A alimentação inclui sementes, frutas e pequenos insetos e aracnídeos. São pássaros pequenos, com cerca de 13 centímetros, e podem ser encontrado desde o sul da Bahia, ao sudeste e sul do Brasil, chegando até o Paraguai e nordeste da Argentina.

Gosta de matas densas. Uma curiosidade sobre o tangará é o dimorfismo sexual: diferenças físicas não sexuais acentuadas. O macho, por exemplo, tem penas azuis com uma cauda preta e um topete vermelho na cabeça. Já a fêmea tem plumagem verde escura e cauda mais longa, o que a torna maior do que o macho. Foto: Fabio Olmos

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação e montanhismo. Escreve para ((o))eco desde 2012. Autora do livr...

Leia também

Notícias
22 de outubro de 2021

“Adote um ninho”: Conheça a campanha para a preservação dos papagaios brasileiros

Campanha busca incentivar a proteção dos papagaios por meio da construção de ninhos artificiais para suprir a falta de cavidades naturais, que estão diminuindo por conta do desmatamento

Análises
22 de outubro de 2021

Por uma nova onda de soluções para a resiliência e a saúde do oceano

Estudo do FMI estima que 8 milhões de toneladas de lixo plástico acabam no mar todos os anos, sendo 80% provenientes do continente. Se não mudarmos esse quadro, o oceano terá mais lixo do que peixes até 2050

Salada Verde
21 de outubro de 2021

Polícia Civil do Maranhão prende um dos homens que matou onça preta e se gabou nas redes sociais

Corpo do animal abatido foi filmado por três homens, que comemoraram o feito. O homem preso também será multado pelo Ibama.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. MARLI ALVES PEREIRA VASCONCELLOS diz:

    Não entendo o porquê esconder o rosto do homem, adulto!! Ele mostrou a cara nas redes sociais!! É preciso identificar criminosos.