Notícias

Sapinho de 3 dedos é mais nova espécie da Mata Atlântica

Durante levantamento em reserva no Paraná, pesquisadores descobriram um novo sapo, que vive no friozinho da parte alta da floresta

Vandré Fonseca ·
3 de agosto de 2012 · 9 anos atrás
Nova espécie mede apenas 1,5 centímetro de comprimento e vive em regiões altas da Mata Atlântica do Paraná. Foto: Divulgação.

Este sapinho acabou de ser descoberto. Ele mede 1,5 centímetro de comprimento e tem cor alaranjada. Só foi encontrado nas partes mais altas, acima dos 900 metros de altitude, da Reserva Natural Salto Morato, uma área 2,3 mil hectares de Mata Atlântica, administrada pela Fundação Grupo Boticário, em Guaraqueçaba, Paraná. A nova espécie foi denominada Brachycephalus tridactylus, devido a ter apenas três dedos nos membros da frente.

pequeno anuro foi encontrado em fevereiro de 2007, pelo biólogo Michel V Garey. Mas só no mês de junho deste ano, a descoberta foi publicada e oficialmente reconhecida na revista internacional Herptologica. É a segunda espécie descoberta na regiáo. Em 2002, pesquisadores descreveram o bagreListrura boticario, na mesma reserva.

A descoberta ocorreu durante um estudo da Universidade Federal do Paraná, com apoio da Fundação Boticário, que buscava comparar a diversidade de rãs, pererecas e sapos em paisagens distintas. Foram registradas 42 espécies de 9 famílias distintas. O B. tricactylus faz parte de um pequeno grupo de 5 espécies achadas em ambientes que não faziam parte do estudo.

Em todo o planeta, são mais de 6,7 mil espécies descritas de anfíbios. O Brasil tem a maior diversidade destes animais, com 946 espécies conhecidas até o momento. No Paraná, apesar de existiram mais de 120 espécies de anuros, existe pouca informação sobre eles, segundo Michel Garey.

“Estamos observando um declínio global dos anfíbios por diversos motivos: poluição da água e do solo, desmatamento, aumento da radiação ultravioleta, doenças, fungos, vírus… Enfim, precisamos preservar os locais onde eles ocorrem e estudar seus hábitos”, afirmou o pesquisador. “Esta espécie, por exemplo, ocorre no topo dos morros onde o clima é mais ameno e úmido. Com o aumento da temperatura, ela pode não ter para onde ir, pois não existem lugares mais frios para ela se mudar”.

 

Leia também

Notícias
25 de janeiro de 2022

Bolsonaro corta 35 milhões do orçamento do Ministério do Meio Ambiente para 2022

Veto do presidente ao orçamento aprovado pelo Congresso reduziu principalmente a verba prevista para prevenção e combate de incêndios, que sofreram corte de 17 milhões

Notícias
25 de janeiro de 2022

Moro acena ao agronegócio e critica a política de meio ambiente de Bolsonaro

Em participação ao Flow Podcast, pré-candidato defende a valorização da agropecuária e acusa o atual governo de estimular o desmatamento ilegal

Reportagens
25 de janeiro de 2022

A história de uma floresta vazia que, aos poucos, volta à vida

Como o Parque Nacional da Tijuca virou um laboratório de reintrodução de espécies extintas localmente. E como isso tem ajudado a salvar a floresta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Paulo diz:

    Hoje temos o Parque Nacional da Serra do Itajaí (PNSI), com os seus 57 000 hectares em Santa Catarina, sem a presença da Anta/Tapir(
    Tapirus terrestris), sem a jacutinga (Aburria jacutinga), com populações na berlinda da endogamia para os porcos queixadas, caititus e cervos do gênero Mazama. Também na escassez para os demais cracídeos, tinamiformes, roedores como as paca (agouti paca), tucanos, bugios, etc…….

    Área temos.