Notícias

Termina incêndio na Chapada Diamantina

Mais de mil hectares do Parque Nacional foram atingido pelo fogo, que matou animais e plantas e afetou nascentes e cachoeiras.

Vandré Fonseca ·
15 de janeiro de 2013 · 9 anos atrás

Brigadistas combatem incêndio que atingiu a Chapada Diamantina. Veja abaixo mais fotos, que podem ser apliadas com um clique do mouse. (Fotos: Charles Santana/Yuri Zalcberg)
Brigadistas combatem incêndio que atingiu a Chapada Diamantina. Veja abaixo mais fotos, que podem ser apliadas com um clique do mouse. (Fotos: Charles Santana/Yuri Zalcberg)
O incêndio no Parque Nacional da Chapada Diamantina, na Bahia, está sob controle, segundo informa a Coordenação de Emergências Ambientais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Nesta segunda-feira, brigadistas trabalhavam no rescaldo do incêndio, debelando pequenos focos de fogo e calor que ainda persistiam, quando foram acionados para combater um novo princípio de incêndio, rapidamente controlado.

“Hoje não tem fogo no Vale do Capão”, comemorou o chefe da brigada voluntária, Thairon Ribeiro, após 126 horas de combate ininterrupto às chamas. O fogo começou no dia 7 de janeiro, no município de Palmeiras, na área cortada pelo Rio Capão, ao norte do Parque Nacional. Neste início de semana, choveu um pouco na região, o que aumentou o otimismo dos brigadistas. “Mas a gente ainda está em alerta”, afirma Ribeiro.

Com base em imagens de satélite, o Instituto Chico Mendes calculou que o incêndio havia atingido 1028 hectares do Parque, que se estende por 152 mil hectares. Mas o chefe da Brigada Voluntária do Vale do Capão acredita que as chamas podem ter se espalhado por uma área ainda maior. “Eles fizeram um levantamento do alto e deram um número, mas não contaram o relevo. A gente acha que é muito mais”, ressalta.

Os brigadistas devem acompanhar as linhas de fogo com um GPS, para fazer um novo cálculo do estrago provocado pelas chamas. Mas já sabem que o prejuízo foi grande. “Queimou muito, a gente perdeu fauna, flora, nascentes. O que perdeu não se recupera mais e não regenera mais”, lamenta o brigadista voluntário, que trabalha como guia turístico no Parque Nacional.
 

De acordo com ele, as chamas avançaram no Vale do Capão, atingindo a Serra dos Cristais e a  Cachoeira da Fumaça. Mas segundo Ribeiro, felizmente elas foram controladas antes de chegar ao Morrão. Brigadistas usaram abafadores e bombas costais no combate direto ao fogo e construíram aceiros para evitar que as chamas se espalhassem ainda mais.

Apesar deste incêndio ter atingido uma área menor do que em 2008, quando 75% do Parque Nacional foram queimados, desta vez o combate foi ainda mais difícil. O clima estava muito seco e quente, favorecendo o fogo. “Foi um incêndio criminoso, porque a gente combatia em um lugar e colocavam fogo em outro”, afirma Ribeiro.

Ele cita a caça praticada na região como uma das causas do fogo. “Após oito dias do fogo, os bichos voltam para comer o capim que está crescendo. Então os caçadores põe fogo para pegar estes animais”, conta a o guia turístico. Garimpeiros também agem na região. Eles usam o fogo para limpar a beira dos rios onde extraem minerais. E há também atos de vandalismo, pessoas que põe fogo simplesmente para ver as chamas queimarem.

 

Leia também

Notícias
21 de janeiro de 2022

Em discurso de pré-candidatura, Ciro Gomes defende economia de baixo carbono

Durante a Convenção Nacional do PDT, o pré-candidato diz que a pauta ambiental é um instrumento de proteção dos ecossistemas e uma oportunidade de investimento

Análises
21 de janeiro de 2022

O Agro quer seguro rural, mas precisa mesmo é do Código Florestal

Sem cumprir as leis ambientais e sofrendo com mudanças climáticas, lideranças do Agro se mobilizam para ampliar o seguro rural com dinheiro público. Rios e florestas seguem em agonia. Moro já aderiu

Reportagens
21 de janeiro de 2022

Brasil registra recorde de extremos de chuva no início do verão

Entre 1º e 31 de dezembro de 2021, a equipe técnica do Cemaden emitiu 516 alertas de risco de desastres, como deslizamentos, inundações e enxurradas, para os 1.058 municípios monitorados

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta