Notícias

Sob efeito de drogas, peixes demonstram mais ousadia

Estudos realizados na Suécia demonstram que drogas excretadas por seres humanos vão parar nos rios e alteram o comportamento de peixes.

Vandré Fonseca ·
14 de fevereiro de 2013 · 9 anos atrás
Pesquisadores submeteram percas (Perca fluviatilis) a quantidades de Oxazepam semelhantes às encontradas em rios da Suécia. Foto: Cortesia Bent Christensen.

Manaus, AM – Se por algum acaso durante uma pescaria, os peixes demonstrarem um comportamento anti-social, estiverem se aventurando longe de esconderijos e dispostos a devorar o que encontrar pela frente, é melhor desconfiar: pode ser o efeito de drogas. Não que eles busquem por vontade própria substâncias proibidas ou de uso controlado, na verdade são vítimas das drogas usadas e excretadas por seres humanos.

Tudo bem, não é fácil notar esta mudança no comportamento entre uma fisgada e outra, mas uma pesquisa científica comprovou que isto pode e talvez já esteja acontecendo. Os efeitos de uma droga utilizada para reduzir a ansiedade em humanos, o Oxazepam, foram testados em peixes pelo biólogo Tomas Brodin e seus colegas da Universidade Umeå, que fica lá na Suécia. Em laboratório, eles submeteram percas (Perca fluviatilis) às mesmas quantidades da droga encontradas em rios do país nórdico. Detalhe, os sistemas de tratamento de esgoto não são capazes de evitar que a droga chegue aos cursos d água.

Tomas Brodin, professor do Departamento de Ecologia e Ciências Ambientais da Universidade Umeå, e colegas descobriram que peixes expostos à droga se tornaram mais ousados e corriam mais riscos do que os outros. Foto: Cortesia Johan Gunséus.

Os resultados do estudo estão sendo publicados na edição de 15 de fevereiro da revista Science. “Só peixes que foram expostos a Oxazepam ousaram deixar refúgios seguros e buscar áreas potencialmente perigosas”, explicou Brodin. “Em contraste, os peixe não expostos ficaram escondidos em seus refúgios. Peixes expostos pareciam muito menos estressados ​​e com menos medo, comportando-se mais calmamente e com mais ousadia”, completou.

Os peixes expostos forrageavam mais, o que segundo os pesquisadores pode alterar a composição de espécies e levar a mudanças ecológicas, como o aumento de algas. O comportamento anti-social dos peixes expostos à droga ficou evidenciado com o distanciamento que tomaram em relação ao grupo, o que aumenta o perigo de se tornarem vítimas de um predador. “Percas que foram expostas a Oxazepam perderam o interesse em sair com o grupo, e algumas até mesmo se hospedaram o mais longe possível do grupo”, conta o pesquisador.

height=”500
height=”500
Enquanto o comportamento normal das percas é ficar em abrigos, escondidas de predadores (esquerda), sob o efeito da droga, o peixe se aventura a sair dos abrigos (direita). Cortesia Annelie Lagesson. | Clique para assistir aos vídeos.

Foram encontradas concentrações da droga em tecidos dos peixes usados no estudo equivalentes as de animais coletados na natureza. Para os pesquisadores, existe a possibilidade de que peixes de águas superficiais da Suécia expostos a mesma droga estejam sofrendo mudanças de comportamento. Embora o estudo tenha se limitado a apenas uma droga, ele é importante porque chama a atenção para os efeitos que drogas despejadas na água têm sobre a vida selvagem. Claro que são necessários mais estudos para saber quais os impactos destes coquetéis sobre a biodiversidade, mas as descobertas dos pesquisadores suecos demonstram que a presença de Oxazepam na água pode ter efeitos inesperados para a natureza.

“A solução para este problema não é parar de medicar as pessoas que estão doentes, mas tentar desenvolver plantas de tratamento de esgoto que possam capturar drogas perigosas para o ambiente”, declarou Jerker Fick, co-autor do estudo, em um comunicado de imprensa da Universidade Umeå.

Pesquisa demonstra que drogas excretadas por humanos podem alterar comportamento de peixes. Foto: Cortesia Bent Christensen.
Pesquisa demonstra que drogas excretadas por humanos podem alterar comportamento de peixes. Foto: Cortesia Bent Christensen.
De acordo com a equipe, estudo chama a atenção para os riscos representados pelas drogas que vão parar nos rios. Foto: Cortesia Johan Gunséus.
De acordo com a equipe, estudo chama a atenção para os riscos representados pelas drogas que vão parar nos rios. Foto: Cortesia Johan Gunséus.
Segundo a pesquisa, a solução está em sistemas de tratamento de esgoto capazes de capturar as drogas perigosas para o Meio Ambiente. Foto: Cortesia Johan Gunséus.
Segundo a pesquisa, a solução está em sistemas de tratamento de esgoto capazes de capturar as drogas perigosas para o Meio Ambiente. Foto: Cortesia Johan Gunséus.

 

 

Leia também

Salada Verde
30 de novembro de 2021

Crônicas de um repórter andarilho

Lançado o livro “Andar a pé, uma obrigação profissional”, que reúne as melhores reportagens de Rogério Daflon, morto em 2019

Análises
29 de novembro de 2021

Compatibilizar o incompatível é solução pra quê?

Querem mudar a Lei do SNUC através de um instrumento obtuso sem suporte científico, que ignora tudo que a legislação estabelece no que concerne à proteção da nossa biodiversidade

Salada Verde
29 de novembro de 2021

ICMBio abre concurso para 171 vagas

Edital publicado nesta segunda-feira (29) oficializa o concurso para servidores do órgão ambiental, com 61 vagas para analistas e 110 de técnicos

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta