Notícias

Remoção de rodovias urbanas é tendência ecológica mundial

Preocupados com meio ambiente, cidades de todo mundo têm substituído pistas de alta velocidade por parques e sistemas de transporte coletivo

Redação ((o))eco ·
13 de junho de 2013 · 8 anos atrás

Em todo o planeta, rodovias de alta velocidade em regiões centrais das cidades têm sido gradualmente desativadas e substituídas por alternativas não só mais eficientes, mas também mais ecológicas. É o que aponta o estudo “Vida & Morte das Rodovias Urbanas”, cuja versão em português foi apresentada na semana passada pelo Instituto de Políticas de Transporte & Desenvolvimento (ITDP Brasil) e a EMBARQ Brasil. O documento, publicado originalmente em inglês em 2012, aponta a tendência mundial de remoção de vias expressas em centros urbanos. Conforme o estudo, a desativação de pistas de alta velocidade e tráfego intenso de automóveis no centro de cidades acontece:

  • Pelo alto custo para manutenção, reconstrução e reparo;
  • Devido à degradação das áreas no entorno, isolamento e desvalorização de imóveis;
  • Para abrir espaço para o desenvolmento urbano de áreas degradadas;
  • Para garantir acessibilidade às margens de cursos d’água urbanos;
  • Por eficiência (rodovias funcionam bem para tráfego a longas distâncias e alta velocidade, mas são menos eficientes para transporte urbano que outros modais, como corredores de ônibus, por exemplo).

No lugar da expansão e alargamento de avenidas para carros e abertura de túneis, viadutos e elevados, prefeitos têm apostado cada vez mais em investimento em transporte coletivo como solução para congestionamentos. O relatório aponta que o pensamento predominante no urbanismo durante o século passado de que, para melhorar o trânsito basta ampliar a infraestrutura viária, foi superado em boa parte do planeta. Segundo o estudo, é melhor ampliar e subsidiar sistemas de transporte coletivo do que abrir mais espaço para circulação de veículos de transporte individual. Apesar da tendência, em algumas metrópoles a construção de rodovias urbanas e expansão de avenidas ainda é tida como solução principal para o trânsito – no Brasil, inclusive.

Entre os principais impactos ambientais das rodovias urbanas estão desde a concentração de poluição, que afeta a saúde da população em geral, até a formação de ilhas de calor. Segundo os organizadores, “o objetivo do estudo é questionar o uso do automóvel como principal ator de mobilidade nas cidades e mostrar que, ao priorizar as pessoas, as cidades se tornam mais vivas, ativas e saudáveis”. As informações do estudo foram organizadas pelo Data Cidades em um mapa. Clique em cada um dos cinco exemplos abaixo para saber mais e use o zoom para ver imagens de satélite de cada uma das regiões citadas no estudo. 

Fonte das informações:
O relatório está disponível em português e em inglês. Além dos exemplos principais disponibilizados no mapa produzido com base nas informações do estudo, o documento apresenta também para processos semelhantes em outras cidades: Berlim, Boston, Louisville, Milwaukee, New Haven, New Orleans, New York 1 e 2, Oklahoma City, Paris 1, 2 e 3, Portland, São Francisco 1 e 2, Seattle, Seoul 1 e 2, Syracuse e Toronto.

Leia também

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Salada Verde
15 de outubro de 2021

GLO ambiental não será renovada, anuncia Mourão

A operação acabou nesta sexta-feira (15). Atuação de militares não resultou em diminuição do desmatamento na Amazônia, mesmo com efetivo e orçamento maiores que dos órgãos ambientais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta