Notícias

Peru quer ampliar faixa petrolífera em território indígena

Expansão de projeto Camisea ao chamado Bloco 88 leva ativistas do país a reagirem e causa conflitos e renúncia dentro do próprio governo.

Giovanny Vera ·
8 de agosto de 2013 · 8 anos atrás
Paulo Vilca Arpasi, Vice-ministro de Interculturalidade do Peru, que renunciou após parecer favorável à exploração de petróleo em terras indígenas. Foto: Pachamama radio
Paulo Vilca Arpasi, Vice-ministro de Interculturalidade do Peru, que renunciou após parecer favorável à exploração de petróleo em terras indígenas. Foto: Pachamama radio

Organizações peruanas publicaram no dia 31 de julho deste ano uma declaração onde afirmam estar em alerta sobre a potencial aprovação do Estudo de Impacto Ambiental para a ampliação do Programa de Exploração e Desenvolvimento de gás no Bloco 88, adjacente à Camisea, na Amazônia peruana. Promovida pela empresa petroleira PLUSPETROL, a expansão ocorreria sobre parte da Terra Indígena Kugapakori, Nahua e Nanti, localizada na região de Cusco e Ucayali. No caso, 23% do bloco 88 se sobrepõem à reserva que ocupa uma área de 456 mil hectares.

Se o Estudo de Impacto Ambiental para o bloco 88 for aprovado, as 19 organizações signatárias se declaram “preocupadas com o alto risco de violação de direitos dos povos indígenas em situação de isolamento e de contato inicial” na região.

O documento denuncia falhas nos estudo iniciais, ao qual faltaria “clareza na identificação de impactos” à reserva indígena, além de indefinição de medidas mitigatórias suficientes. Somadas à falta de instrumentos estatais para a proteção dos povos indígenas que lá habitam e a inexistência de regulamentação para os povos que estão em fase de contato inicial, os signatários afirmam que as atividades para a ampliação do Bloco 88 “abrem o caminho para a total desproteção destes povos”.

Em 06 de agosto, a Defensoria do Povo do Peru, através de seu representante Eduardo Vega Luna, apresentou uma carta à Presidência do Conselho de Ministros do Peru expressando as mesmas preocupações e lembrando ao Estado peruano suas “obrigações jurídicas” que reforcem os mecanismos de proteção a existência e integridade dos povos indígenas em isolamento e em contato inicial.

O Estudo de Impacto Ambiental para a expansão de operações no Bloco 88, encomendado pela petroleira argentina PLUSPETROL, contempla a perfuração de pelo menos 18 poços exploratórios e a colocação de um gasoduto para transportar o gás natural entre San Martín Este e San Martín 3. O estudo foi entregue ao Vice-ministério de Interculturalidade, que emitiu a Resolução N° 005-201-VMI-MC, onde faz 83 observações e conclui que “a empresa não apresentou no Estudo de Impacto Ambiental qual foi o método de valoração de impactos que utilizou”. O documento repete o parecer de que faltaram critérios técnicos para estabelecer o impacto da nova exploração e que o plano carece de medidas mitigadoras.

Apesar dessas críticas vindas de um órgão do governo, outro órgão, o Serviço Nacional de Áreas Naturais Protegidas pelo Estado, do Ministério de Ambiente, deu a sua autorização através de uma nota enviada ao Ministério de Energia e Minas. Ela permite a continuação de atividades de pesquisa na região, informa o jornal La República. A medida criou um conflito dentro do governo e, de acordo com fontes do Ministério da Cultura, levou à renúncia de Paulo Vilca Arpasi, Vice-ministro de Interculturalidade.

  • Giovanny Vera

    Giovanny Vera é apaixonado pela área socioambiental. Especializado em geojornalismo e jornalismo de dados, relata sobre a Pan-Amazônia.

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

Desmatamento na Amazônia já chega a quase 9 mil km² em 2021, mostra Imazon

Somente em setembro foram destruídos 1.224 km² de floresta, área equivalente a mais de 4 mil campos de futebol por dia. Números sãos os maiores em 10 anos

Salada Verde
20 de outubro de 2021

Em comemoração de seus 10 anos, Onçafari lança concurso de fotografia

Fotógrafos profissionais e amadores podem se inscrever até o dia 14 de novembro. Vencedores terão a oportunidade de fotografar a fauna e flora existentes na sede da Onçafari, no Pantanal

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta