Notícias

Ibama nega que investiga origem do apagão no Nordeste

Brigadistas do órgão foram chamados para controlar o incêndio no Piauí, local onde as chamas teriam atingido as linhas de transmissão.

Redação ((o))eco ·
30 de agosto de 2013 · 9 anos atrás

Na foto, brigadistas em treinamento de combate ao fogo. Foto: Rodrigo de Moraes Falleiro/Ibama
Na foto, brigadistas em treinamento de combate ao fogo. Foto: Rodrigo de Moraes Falleiro/Ibama

O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) soltou nota negando a informação que estaria investigando o incêndio que possivelmente causou o blecaute que deixou todos os estados do Nordeste sem energia. O apagão aconteceu na última quarta-feira (28). Segundo a nota, a perícia feita pelo Ibama é para apurar as origens do incêndio, visando a responsabilização dos culpados.

“Foi constatado que algumas dessas frentes se aproximaram dos linhões de energia, no entanto, o Ibama não tem elementos técnicos para avaliar a influência do fogo na integridade da linha”, afirma o comunicado.

De acordo com o órgão ambiental, moradores do assentamento Santa Clara, em Canto do Buriti, no Piauí, acionaram o Ibama após avanço de queimadas no local. O programa Brigadas Federais, executado pelo órgão, combate incêndios em áreas públicas federais, como unidades de conservação, assentamentos do Incra e terras indígenas e por isso eles foram chamados.

Cerca de 45 brigadistas trabalharam para controlar as chamas, que também atingiram os linhões de energia.

De acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a queda de duas linhas de transmissão foi responsável pela interrupção no fornecimento de energia no Nordeste. As duas foram desligadas por causa de queimadas.

 

 

Leia Também
Afinal, quem tem medo do apagão?
Em ano de apagão, energia é foco
Energia: qual e para quem?

 

 

 

Leia também

Notícias
4 de julho de 2022

Suprema Corte dos EUA põe ação climática em risco

Por 6 votos a 3, magistrados decidem reduzir o poder da Agência de Proteção Ambiental (EPA) de regular as emissões de carbono de centrais de energia

Notícias
1 de julho de 2022

Em vitória histórica, STF reconhece proteção do clima como dever constitucional

Com placar de 10 a 1, Supremo reconhece omissão deliberada do governo federal na gestão do Fundo do Clima e determina o restabelecimento do mecanismo

Reportagens
1 de julho de 2022

Conferência dos Oceanos traz saldo de acordos, investimentos e novas promessas

Evento organizado pelas Nações Unidas reuniu líderes globais ao longo de cinco dias e contabilizou um total de 10 bilhões de euros acordados para investimentos na economia azul

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta