Notícias

O polêmico sabiá-laranjeira

O homenageado da semana é belo de se admirar, mas divide opiniões quando canta. Foto: Cláudio Timm/Flickr.

Rafael Ferreira ·
20 de setembro de 2013 · 8 anos atrás

O canto do sabiá-laranjeira é lindo. Mas há quem prefira vê-lo assim, com a boca cheia para ficar quieto. Foto: Cláudio Timm/Flickr
O canto do sabiá-laranjeira é lindo. Mas há quem prefira vê-lo assim, com a boca cheia para ficar quieto. Foto: Cláudio Timm/Flickr

A ave símbolo do estado de São Paulo, e também do Brasil – de acordo com decreto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso – foi causa de uma forte divisão de opiniões, de acordo com a Folha de São Paulo: o canto do sabiá-laranjeira (Turdus Rufiventris) é tão poderoso (atinge 75 decibéis, pouco menos que ruídos do tráfego) que tem mantido os paulistanos acordados na madrugada.

Mesmo assim é uma ave popular, citada por diversos poetas (entre eles Gonçalves Dias, na sua “Canção do Exílio”) como um pássaro que canta o amor e a primavera. A ave também esteve presente no emblema oficial da recente Copa das Confederações de 2013. Polêmica ou não, ainda é uma paixão nacional: no Amazonas, ele é caraxué; na Bahia, sabiá-coca; sabiá-laranja no Rio Grande do Sul e ainda sabiá-de-barriga-vermelha, sabiá-ponga e sabiá-piranga em outras regiões.

Além do Brasil, o sabiá-laranjeira também é nativo da Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai. Ocorre numa ampla área que se estende nordeste do Brasil até o sul da Bolívia e norte-leste da Argentina.
Tem plumagem parda, com exceção da região do ventre, destacada pela cor vermelho-ferrugem, levemente alaranjada, e bico amarelo-escuro. As patas são cinzas, o olho negro circundado finamente de amarelo e a garganta é esbranquiçada rajada de marrom, o peito é cinza-pardo, que vai mudando para um alaranjado opaco no ventre. Mede cerca de 25 centímetros de comprimento e pesa, o macho 68 gramas, a fêmea 78 gramas. A espécie apresenta por vezes colorações aberrantes (leucismo, albinismo e flavismo), que podem estar ligadas a alterações no seu ambiente ou mutações genéticas.

O poderoso canto, que ocorre no alvorecer (madrugada) e à tarde, tem a função de demarcar território e, no caso dos machos, para atrair a fêmea. A fêmea também canta, mas numa frequência bem menor que o macho. O canto do sabiá-laranjeira que, em geral, parece com o som de uma flauta doce, é parcialmente aprendido, havendo linhagens geográficas de tipos de canto: em outras palavras, nenhum pássaro da espécie canta exatamente como o outro.

Habita originalmente florestas abertas e beiras de campos, mas por ser uma espécie bastante adaptável também é encontrada nas áreas de lavoura e cidades. Sua alimentação inclui basicamente artrópodes, larvas, minhocas e frutas maduras. Também fazem parte da sua dieta sapos e rãs que acabaram de deixar a fase de girino.

Macho e fêmea constroem o ninho juntos utilizando gravetos, fibras vegetais e barro. A fêmea põe de 3 a 4 ovos que eclodirão após treze dias de choco, recebendo atenção de ambos os pais. Em três semanas os filhotes podem deixar o ninho. Cada fêmea choca três vezes por ano e pode gerar até 6 filhotes por temporada. O sabiá-laranjeira pode viver até dez anos na natureza.

A população do Turdus Rufiventris é considerada estável embora não quantificada, sendo descrito como uma ave comum. Por esta razão a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN, em inglês) a classificou como espécie em condição pouco preocupante.

 

*Artigo editado em 21/09/2013 às 14h13.

 

 

Leia Também
O narigudo Quati-de-cauda-anelada
Fauna amazônica em risco: o sauim-de-coleira
O albatroz-real-do-norte

 

 

 

Leia também

Notícias
20 de outubro de 2021

INPE não tem recursos garantidos para pagamento de água e luz até final do ano

Destinação de R$ 5 milhões pela AEB deu um respiro ao Instituto, mas órgão ainda aguarda verba de outras fontes para honrar despesas de funcionamento até dezembro

Notícias
19 de outubro de 2021

Adote um Parque ganha nova fase com unidades de conservação da Caatinga

Nova etapa do programa de adoção das UCs criado por Salles terá foco em trilhas e incluirá dez áreas protegidas da Caatinga, entre elas, os parques nacionais da Chapada Diamantina e de Jericoacoara

Notícias
18 de outubro de 2021

Websérie traz o elo entre o ser humano e a natureza do Rio de Janeiro

Personagens que possuem uma conexão especial com a paisagem natural da cidade são apresentados na websérie do documentarista e fotógrafo carioca, Rafael Duarte

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta