Notícias

Companhia é multada em 650 mil por poluir o rio São Francisco

Poluição afetou 110 mil pessoas. Sedimentos liberados por Chesf fez microalgas proliferarem e uma mancha negra invadiu o rio em Alagoas

Daniele Bragança ·
27 de abril de 2015 · 9 anos atrás
Vento espalhou mancha, que já atinge 34 km. Foto: Divulgação/Companhia de Saneamento de Alagoas.

Durante 8 dias, 110 mil pessoas ficaram sem água devido a uma mancha negra que polui o rio São Francisco entre os municípios de Delmiro Gouveia e Olho D’Água do Casado, em Alagoas. Nove municípios tiveram o abastecimento suspenso enquanto as autoridades investigavam a causa da poluição que, na quinta-feira (23), alcançou 34 quilômetros de extensão.

De acordo com o Instituto do Meio Ambiente de Alagoas, a mancha negra foi causada pela proliferação excessiva de algas decorrente da liberação de sedimentos no rio, após o esvaziamento de um dos reservatórios administrados pela Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf).

Durante reunião organizada pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco (CBHSF) na última quinta-feira, o Instituto anunciou que multou a Chesf em R$ 650 mil por dano ambiental. Na ocasião, também foi apresentado o  relatório conclusivo do órgão.

Além da multa, a empresa também deverá pagar pelos prejuízos causados pelo abastecimento de água, interrompido durante 8 dias. A Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) anunciou que pretende pedir ressarcimento de R$ 500 mil por perdas durante o desabastecimento forçado.

De acordo com o Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA), os sedimentos vazaram em 22 de fevereiro, durante esvaziamento do lago Belvedere, na barragem de Xingó, mas a mancha só foi percebida no começo de abril e as autoridades ainda estudam medidas para conter a poluição. Técnicos do Instituto asseguram que os sedimentos estavam acumulados no lago há cerca de 30 anos.

Uma das soluções seria aumentar a vazão no rio, o que dispersaria a matéria orgânica. Mas devido à seca que assola o país, os reservatórios já estão baixos e usar a água poria em risco a geração elétrica. Ao contrário, a empresa quer reduzir ainda mais a vazão no rio São Francisco, e para isso já obteve autorização especial do Ibama. Falta agora o sinal verde da Agência Nacional de Águas (ANA).

Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf) se defende e diz que vai recorrer

Em comunicado, a Chesf se defende das acusações e afirma que vai recorrer da multa.

A Chesf entende que a mancha causada pela alga Ceratium furcoides, que surgiu no reservatório de Xingó, é resultado de desequilíbrio ambiental, provocado por uma serie de fatores, não originados pela atuação da Companhia.

A Empresa destaca que tem a função de operar e manter as usinas e reservatórios sob determinação legal por meio de fiscalização e monitoramento de órgãos ambientais como IBAMA e Agência Nacional de Águas (ANA).

A Chesf tem enviado relatórios e Laudos de análises para as diversas instituições, bem como tem participado de reuniões institucionais, a exemplo das reuniões com os órgãos ambientais e com o Comitê da Bacia Hidrográfica do São Francisco, na busca de soluções para resolver o problema, procurando minimizar os efeitos desse fenômeno.

Nesse sentido, a Companhia e o Operador Nacional do Sistema (ONS) vêm implantando operações nos reservatórios para diluir a mancha, diminuindo sua dimensão e sua densidade gradativamente.

 

 

Leia Também
Rio São Francisco: os peixes se foram
As belezas do Velho Chico vistas do espaço
O São Francisco manda recado

 

 

 

  • Daniele Bragança

    Repórter e editora do site ((o))eco, especializada na cobertura de legislação e política ambiental.

Leia também

Análises
29 de fevereiro de 2024

Quanto de sapiens e quanto de grilo?

Cadê o Grilo Falante da conservação do patrimônio natural, a voz da consciência dos tomadores de decisões das esferas pública, privada, não governamental e da comunicação?

Notícias
28 de fevereiro de 2024

PL pede desfiliação de Darci Alves, condenado pelo assassinato de Chico Mendes

Sigla já havia reivindicado destituição de Darci Alves do cargo de presidente do partido em Medicilândia (PA), após repercussão de reportagem de ((o))eco

Reportagens
28 de fevereiro de 2024

A trajetória de um montanhista que decidiu lutar pela conservação

Ex-diretor de Biodiversidade e Áreas Protegidas do INEA-RJ, André Ilha fala sobre visitação de UCs, política ambiental e como um esporte o despertou para o ativismo ambiental

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.