Notícias

A dourada é…. medalha de ouro em distância

Cientistas confirmam que a rota migratória da dourada é a maior do mundo entre peixes de água doce. Ela praticamente atravessa a América do Sul para desovar

Vandré Fonseca ·
7 de fevereiro de 2017 · 5 anos atrás
Bagre amazônico recebeu o nome devido à coloração dourada, mas é também uma recordista: tem a maior rota migratória do mundo entre peixes de água doce. Foto: Michael Goulding.
Bagre amazônico recebeu o nome devido à coloração dourada, mas é também uma recordista: tem a maior rota migratória do mundo entre peixes de água doce. Foto: Michael Goulding.

Manaus, AM — A dourada (Brachyplatystoma rousseauxii), um bagre que atinge cerca de 1,5 metro de comprimento e nada tem a ver com seu quase xará do Pantanal, praticamente atravessa o continente sul-americano, de leste a oeste, para depositar os ovos nas cabeceiras dos rios, perto dos Andes, na maior rota migratória de um peixe de água doce já confirmada pela ciência.
A desova ocorre durante o período de cheia, no sopé da Cordilheira dos Andes. As larvas, que nem bem chegam a 6 milímetros de comprimento, vai se desenvolver ao longo do trajeto que pode chegar a 11,6 mil quilômetros. O destino é o rico ecossistema do estuário do Rio Amazonas, onde os peixes vão viver pelos próximos dois ou três anos.

Quando estão entre 60 e 80 centímetros de comprimento, as douradas já estão grandes o suficiente para iniciar o trajeto de volta. Mas elas vão passar ainda mais um ou dois anos amadurecendo e ganhando corpo no interior da Bacia Amazônica. Com três ou quatro anos de idade, medindo em média 1 metro de comprimento, os adultos maduros aproveitam a estação de cheia para chegar às cabeceiras onde nasceram e dar vida a novos indivíduos.

A descoberta foi publicada nesta terça-feira no jornal aberto Scientific Reports da Nature por uma equipe de pesquisadores coordenada pela Iniciativa Águas Amazônicas, liderada pela Wildlife Conservation Society (WCS). O estudo analisou também a migração de três outros grandes bagres amazônicos, que desovam em cabeceiras ocidentais da Bacia Amazônica, piraíba (B. platynemum), o jundiá (B. juruense) e a piramutaba, (B. vaillantii).

A rota da dourada. Peixe chega a nadar 11,6 mil quilômetros para desovar.
A rota da dourada. Peixe chega a nadar 11,6 mil quilômetros para desovar.

A novidade não chegou a surpreender os pesquisadores, que já imaginavam essa possibilidade. A confirmação veio com auxílio de dados estatísticos e ao mapeamento dos movimentos das quatro espécies, considerando larvas, jovens e adultos. Os pesquisadores acreditam que outros bagres amazônicos apresentem comportamento parecido.

Os quatro bagres estudados estão amplamente distribuídos pela Bacia Amazônica e são importantes para a indústria pesqueira. “Estas descobertas podem agora nos dar os princípios para estratégias efetivas de manejo desses peixes, alguns deles muito importantes para a indústria pesqueira da região”, afirma o zoólogo Ronaldo Barthem, do Museu Paraense Emílio Goeldi, que fica em Belém (PA).

Os autores do estudo alertam para o risco a essas espécies, oferecido pela construção de barragens dos rios, atividade de mineração e o desmatamento, principalmente nas cabeceiras onde ocorre a desova dos peixes. É bom lembrar que existem projetos de hidrelétricas para quase todos os grandes rios da Amazônia.

O estudo vai servir de base para novas pesquisas sobre a migração de bagres na Amazônia, que devem usar indivíduos marcados e análises de otólitos (formações de cálcio dentro do ouvido interno dos peixes). Entre as questões que ainda precisam ser resolvidas estão o motivo desta viagem tão longa.

 

Saiba Mais

Artigo: “Goliath catfish spawning in the far western Amazon confirmed by distribution of mature adults, drifting larvae and migrating juveniles”.

Leia Também

Peixes ameaçados na Amazônia

Hidrelétricas causarão extinções, diz estudo

Ambições hidrelétricas do Peru têm Brasil como parceiro

Ambições hidrelétricas do Peru têm Brasil como parceiro

 

Leia também

Reportagens
28 de fevereiro de 2014

Ambições hidrelétricas do Peru têm Brasil como parceiro

Multiplicação de hidrelétricas até em locais turísticos pode tomar país com ajuda de dinheiro brasileiro, via um tratado de cooperação opaco.

Reportagens
17 de março de 2016

Hidrelétricas causarão extinções, diz estudo

Surto de construção de usinas planejadas na Amazônia vai eliminar habitats de espécies que não existem em nenhum outro lugar do planeta, alertam pesquisadores de EUA, Brasil e Reino Unido.

Salada Verde
3 de dezembro de 2021

Paraná pretende reativar trecho brasileiro de trilha histórica que liga o Atlântico ao Pacífico

Chamada de Caminhos do Peabiru, trilha tem 1.550 no trecho paranaense, que vai de Paranaguá a Guaíra. Caminho era usado por incas e guaranis, antes da colonização

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 2

  1. Aristides Arthur Soffiati Netto diz:

    Devemos creditar aos povos indígenas o pioneirismo na abertura de trilhas que, posteriormente, serão aproveitadas pelos europeus nas chamadas estradas gerais e sua ramificações, como mostra Capistrano de Abreu em “Caminhos antigos e povoamento do Brasil” (1930). Os povos indígenas usavam essas picadas para a prática de uma economia de subsistência bastante robusta. Com os europeus e seus descendentes, a economia de mercado, ainda que precária, produziu desmatamento, ataques à fauna nativa e extermínio de indígenas.


  2. Raphael Albino diz:

    O Eduardo Bueno, do canal Buenas Ideias no Youtube possui um excelente vídeo sobre essa trilha e as aventuras que alguns personagens da nossa história passaram por ela.