Notícias

Empresa desiste de parque eólico em área da ararinha-azul

Comunicado da Voltalia divulgado à imprensa esclarece que não há intenção de construir um projeto eólico em Curaçá, na Bahia, habitat das ararinhas-azuis reintroduzidas

Aldem Bourscheit ·
7 de julho de 2022

Comunicado distribuído pela Voltalia informa que a empresa desistiu de gerar energia eólica próximo ao local de reintrodução da ameaçada ararinha-azul, em Curaçá, no interior da Bahia. No comunicado, a empresa afirma “que não possui e nem tem intenção de iniciar projetos eólicos” no local. Comenta, ainda, “que chegou na região há cinco anos, em 2017, para realização de estudos. Mais recentemente, contudo, com a confirmação da reintrodução das aves na localidade, a empresa optou por descontinuar todas as ações que encontravam-se em andamento”.

A nota citada pela imprensa regional foi veiculada em resposta ao abaixo-assinado da Change.org, mas não consta na página da empresa.

Como descrito em reportagem de ((o))eco, a Voltalia pretendia gerar 288 Megawatts no Complexo Eólico Serra da Borracha, com 48 turbinas distribuídas em “linhas retas orientadas principalmente na direção Norte-Sul” e em seis parques apartados. Estudos sobre a fauna regional eram conduzidos pela companhia para o futuro licenciamento do projeto, pelo governo estadual. De origem francesa, a empresa tem outros empreendimentos eólicos em localidades como São Miguel do Gostoso e Serra Branca, no Rio Grande do Norte, além de negócios com produção, venda e distribuição de energia no Brasil e no Exterior.

A ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) foi extinta da natureza em 2000, pelo desmatamento, caça e tráfico. Um primeiro grupo com 8 aves criadas em cativeiro foi liberado num refúgio de vida silvestre em Curaçá e Juazeiro, na Bahia, em 11 de junho. A reserva é rodeada por uma área de proteção ambiental, também federal. Somam juntas 1.200 km², cerca do dobro da área da capital Salvador. As áreas protegidas são cortadas pela rodovia BA-120. Outros projetos energéticos não estão descartados do futuro da região de Curaçá, que tem alto potencial para geração de energia.

  • Aldem Bourscheit

    Jornalista cobrindo histórias sobre Conservação da Natureza, Crimes contra a Vida Selvagem, Ciência, Comunidades Indígenas e ...

Leia também

Notícias
13 de junho de 2022

De volta à natureza: ararinhas-azuis são reintroduzidas no sertão baiano 20 anos após serem extintas do local

Cinco fêmeas e três machos nascidos em cativeiro foram soltos no sábado (11) em Curaçá, na Bahia. Soltura marca nova fase do programa de reintrodução das ararinhas-azuis

Reportagens
6 de junho de 2022

Usina eólica no sertão baiano na rota de reintrodução da ararinha-azul

Soltura das aves, extintas da natureza por degradação ambiental e tráfico, é associada à recuperação da Caatinga, alvo do desmate e da desertificação

Notícias
21 de abril de 2021

Primeiros filhotes de ararinha-azul nascem na Caatinga depois de 30 anos

Projeto que monitora grupo de ararinhas-azuis no norte da Bahia registrou pela primeira vez o nascimento de dois filhotes. Um morreu e outro sobreviveu e está sob cuidado dos especialistas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta