Notícias

Primeiros filhotes de ararinha-azul nascem na Caatinga depois de 30 anos

Projeto que monitora grupo de ararinhas-azuis no norte da Bahia registrou pela primeira vez o nascimento de dois filhotes. Um morreu e outro sobreviveu e está sob cuidado dos especialistas

Duda Menegassi ·
21 de abril de 2021
O filhote sobrevivente está sob os cuidados dos especialistas. Foto: ACTP/Divulgação

Pouco mais de um ano após voltarem ao Brasil, as ararinhas-azuis começam a dar novos passos para retomada da vida em seu ambiente natural, a Caatinga baiana. A equipe de pesquisadores que monitora o grupo de 52 ararinhas trazidas ao município de Curaçá, norte da Bahia, em março de 2020, comemorou o nascimento dos primeiros dois filhotes da espécie na Caatinga, após 30 anos do último registro. O casal colocou quatro ovos, apenas dois férteis. O primeiro filhote nasceu no dia 11 de abril, mas morreu no dia seguinte devido à inexperiência dos pais. No dia 13, um novo filhote, outra vez abandonado pelos pais de primeira viagem, mas acolhido a tempo pelos pesquisadores, que passaram a alimentar e cuidar para a pequena ave sobreviva e possa ser solta futuramente nas matas para o reestabelecimento definitivo da ararinha em solo brasileiro.

A ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) era considerada extinta na natureza desde 2000. Com ocorrência apenas no sertão baiano, as populações silvestres da ave foram dizimadas devido ao tráfico de animais e à perda de habitat. Sua sobrevivência ficou então atrelada a cativeiros no Brasil e no mundo, que garantiam a reprodução e perpetuação da espécie. Em março de 2020, um grupo de 52 ararinhas-azuis, provenientes da instituição alemã Association for the Conservation of Threatened Parrots (ACTP), foram enviadas ao Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha Azul e na Área de Proteção Ambiental da Ararinha-Azul, ambas unidades de conservação criadas no município de Curaçá em junho de 2018 que possuem 29,2 mil e 90,6 mil hectares respectivamente para garantir a proteção da espécie de volta à Caatinga. Em Curaçá também foi construído o Centro de Reprodução e Reintrodução das Ararinhas-Azuis, estrutura que conta com dois viveiros e onde atuam os pesquisadores, responsáveis pelo monitoramento das ararinhas junto com a equipe do ICMBio.

Leia também

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica. Escreve para ((o))eco des...

Leia também

Reportagens
3 de março de 2020

Especialistas demonstram preocupação sobre projeto de reintrodução das ararinhas-azuis

Idade e condições de saúde dos animais são tópicos questionados. Reputação de criadouro alemão parceiro na iniciativa também gera apreensão

Reportagens
2 de março de 2020

Ararinhas-azuis retornam amanhã para a Caatinga

52 ararinhas-azuis (Cyanopsitta spixii) vindas da Alemanha chegarão em Petrolina (PE) e seguirão para o Centro de Reprodução e Reintrodução construído em Curaçá (BA)

Análises
3 de março de 2020

O sertão resiste no corpo frágil da ararinha de Curaçá

Curaçá tinha orgulho de ter a ararinha. Os vaqueiros eram os “vaqueiros da ararinha”. A espécie pousou na bandeira do município e no coração dos moradores

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cláudio C Maretti diz:

    Próximos passos, na natureza:

    05 de junho de 2018

    “O Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha-Azul, com área aproximada 29.986 hectares, e da Área de Proteção Ambiental da Ararinha-Azul, com aproximadamente 89.996 hectares, estão localizados nos municípios de Juazeiro e Curaçá, na Bahia. A proposta de criação em conjunto, constituindo um mosaico de unidades de conservação, visa conciliar os objetivos de conservação de remanescentes de caatinga, o único bioma exclusivamente brasileiro, com o programa de reintrodução da Ararinha-Azul na natureza.”

    https://www.gov.br/icmbio/pt-br/assuntos/noticias/ultimas-noticias/ararinhas-azuis-ganham-unidades-de-conservacao