Notícias

Família é flagrada traficando mais de cem filhotes de papagaios

Caso ocorreu na divisa entre Mato Grosso do Sul e São Paulo. Os traficantes levavam as aves para serem vendidas na capital paulista.

Fábio Pellegrini ·
29 de setembro de 2015 · 9 anos atrás
A crueldade dos traficantes não tem limite. As aves são capturadas ainda sem penas ou até mesmo em ovos para serem chocados em cativeiros. Foto: PMA/MS.
A crueldade dos traficantes não tem limite. As aves são capturadas ainda sem penas ou até mesmo em ovos para serem chocados em cativeiros. Foto: PMA/MS.

Nem bem havia começado a primavera este ano — estação em que o período reprodutivo das aves tem início –, e a Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul (PMA/MS) já prendeu uma família que traficava mais de 100 aves silvestres do Mato Grosso do Sul para São Paulo.

O caso aconteceu no dia 20 de setembro, à véspera da estação das flores. Os policiais ambientais foram chamados pela Polícia Militar Rodoviária Estadual, que havia fiscalizado um veículo modelo Zafira em que quatro pessoas transportavam 115 filhotes de papagaios-verdadeiros e um filhote de arara-vermelha.

Tratava-se de membros de uma mesma família da capital paulista, sendo uma professora de 61 anos, proprietária do veículo, um homem de 35 anos, que conduzia o veículo, um professor de 35 anos e uma estudante de 21 anos. Todos foram presos; as aves e o veículo foram apreendidos.

Segundo os policiais, os traficantes afirmaram ter pego as aves no município de Bataguassu (MS) e as levavam para a capital paulista. Cada um foi autuado administrativamente pela PMA em R$ 58.500,00. Eles foram encaminhados à delegacia de Polícia Civil de Santa Rita do Pardo (MS) e responderão por crime ambiental, podendo, após julgamento, serem condenados a penas que variam de seis meses a um ano de detenção. As aves foram encaminhadas ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), em Campo Grande, capital sul-mato-grossense.

Aves eram transportadas em caixas de papelão dentro de malas de viagem. Foto: PMA/MS.
Aves eram transportadas em caixas de papelão dentro de malas de viagem. Foto: PMA/MS.

Em 2012, ((o))eco relatou que a PMA/MS havia descoberto o modus operandi dos traficantes, ocasião em foram registradas apreensões frequentes. Os traficantes aliciam sitiantes, assentados e trabalhadores rurais, inclusive crianças e jovens, para capturarem os filhotes e até mesmo ovos nos ninhos, por cerca de 30 reais por unidade. As aves são levadas para abastecer o mercado ilegal do Estado de São Paulo.

Desde então, a PMA realiza trabalhos nas propriedades rurais para prevenir a retirada dos animais e aliciamentos de funcionários de fazendas e assentados pelos traficantes. Os animais apreendidos são levados para centros de reabilitação de animais silvestres no próprio estado, porém muitos não resistem e morrem antes de chegar aos centros por falta de alimentação ou desidratação.

 

 

Leia Também
Começou a temporada do tráfico de papagaios
Impunidade e falta de preparo facilitam tráfico de animais
Recife: Mais de mil aves silvestres apreendidas

 

 

 

Leia também

Notícias
10 de outubro de 2012

Começou a temporada do tráfico de papagaios

Com a chegada da primavera, período de reprodução, inicia-se também o trágico ciclo da venda criminosa de psitacídeos, como o papagaio-verdadeiro.

Salada Verde
19 de abril de 2024

Lagoa Misteriosa vira RPPN em Mato Grosso do Sul

ICMBio oficializou a criação da Reserva Particular do Patrimônio Natural Lagoa Misteriosa, destino turístico em Jardim, Mato Grosso do Sul

Salada Verde
19 de abril de 2024

Museu da UFMT lança cartilha sobre aves em português e em xavante

A cartilha Aves do MuHna, do Museu de História Natural do Araguaia, retrata 10 aves de importância cultural para os xavante; lançamento foi em escola de Barra do Garças (MT)

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Comentários 16

  1. Eduardo diz:

  2. Viviane diz:

    Eu quero um casal rsrsrs
    Tadinhos


  3. paulo diz:

    Multa correta e pesada nas costas desta raça, e depois cumprir pena no criadouro e alimentar os bichanos, acompanhado por policial ou monitoramento por cameras e pelos tecnicos, ate estarem adultos para se alimentar sozinho.


    1. Viviane diz:

      Concordo
      Quando se cria para tirar cria e ajudar na procriação da espécie, que está em extinção, tudo bem. Mais assim põe, sacanagem eles vão morrer.


  4. hernanpimenta diz:

  5. Fer diz:

    Não seria R$ 575.000,00 (quinhentos e setenta e cinco mil reais) de multa? Mesmo se fosse dividido pelos quatro, daria R$ 143.750,00 para cada um. Não entendi o cálculo. Se começa errado até na hora de autuar os traficantes, imagina como acaba…

    Decreto nº 6.514/2008:

    Art. 24. Matar, perseguir, caçar, apanhar, coletar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida:

    Multa de:
    II – R$ 5.000,00 (cinco mil reais), por indivíduo de espécie constante de listas oficiais de fauna brasileira ameaçada de extinção, inclusive da Convenção de Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção – CITES.


  6. George diz:

    Alguma vez na história deste país alguma dessas multas foi de fato paga?


  7. Tereza Arruda diz:

    Esses indivíduos são professores do que?


    1. Celia Cardoso diz:

      Acho que é calculista matemático…


  8. A multa foi calculada errada. O valor correto seria R$ 575.000,00 (quinhentos e setenta e cinco mil reais). Todos os Psittacidae, no caso os papagaios, estão na lista da Convenção de Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção – CITES.

    Decreto nº 6.514/2008:

    Art. 24. Matar, perseguir, caçar, apanhar, coletar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida:

    Multa de:
    II – R$ 5.000,00 (cinco mil reais), por indivíduo de espécie constante de listas oficiais de fauna brasileira ameaçada de extinção, inclusive da Convenção de Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção – CITES.


  9. NORBERTO diz:

    ESTES BOSTAS A GENTE TEM QUE MOER QUE NEM CARNE MOIDA


  10. Liliane diz:

    É muita crueldade, ganância, isso nunca acabará, porque a impunidade estimula, as penas são ridículas, falta de pessoal para fiscalizar e prender, se esse fosse um país sério, com autoridades que trabalham em prol do bem comum, isso ao menos já teria diminuído drasticamente…


  11. Andreia diz:

    Infelizmente é o que acontece. pena de cesta básica ou serviços comunitários. Por isso continua a acontecer. Nosso judiciário precisa começar a levar isso a sério!
    E quem compra, menos ainda paga qualquer pena, muito pelo contrário, acaba ficando com o bicho como depositário!!!! Ô absurdo sem fim.


  12. Marco diz:

    Seria muito interessante o site acompanhar todo o processo para sabermos o que ocorrerá nesse processo. Tenho quase certeza de que não pagarão essas multas e que o juiz os condenará a no máximo prestação de serviço. Será mais um caso no papel? Duvido que haverá punição real.


  13. tche diz:

    Pior q eles é quem compra e cria em cativeiros. RAÇA IMUNDA, SUB RAÇA HUMANA, ME ENVERGONHO DE SER HUMANO COM ESSES TIPOS.