Notícias

Governo de Mato Grosso propõe norma que limita criação de áreas protegidas no estado

PEC fere Constituição Federal, diz Rede Pró-Unidades de Conservação. Proposta ainda precisa passar pelo crivo de deputados estaduais

Cristiane Prizibisczki ·
7 de dezembro de 2022

O governador reeleito de Mato Grosso, Mauro Mendes (União Brasil), enviou à Assembleia Legislativa mato-grossense nesta quarta-feira (7) um Projeto de Emenda Constitucional (PEC) que, na prática, limita a criação de novas unidades de conservação no estado. Para a Rede Pró-UC, a proposta do governador é inconstitucional.

A PEC prevê que a criação de novos parques estaduais só poderá ocorrer após a regularização de 80% das unidades de conservação já criadas em Mato Grosso.

Atualmente, o Sistema Estadual de Conservação Mato-Grossense conta com 47 unidades, entre parques estaduais, reservas, áreas extrativistas e estações ecológicas, entre outras categorias. Tais unidades somam mais de 2,8 milhões de hectares.

Segundo o governo do Estado, somente uma pequena parte desse território já possui regularização fundiária, o que induziria a uma “falsa proteção ao meio ambiente regional”.

“Passados mais de 20 anos da criação, somente 7,3% desse território possui regularização fundiária […] na prática, não ocorreu a integral e concreta ação de preservação/conservação, principalmente pela coexistência de áreas privadas nos limites das Unidades”, continua a justificativa da PEC.

Mauro Mendes argumenta ainda que a falta de previsão de regularização fundiária gera um quadro de “caos econômico, financeiro social e administrativo”, tendo como última via a judicialização, como atualmente acontece com os parques estaduais Serra de Ricardo Franco e Cristalino. Ambas as unidades são alvos de ações que pedem sua extinção.

Além de restringir a criação de novas áreas protegidas somente após a regularização de quase a totalidade das já existentes, a proposta do governador prevê que o governo deva ter a disponibilização orçamentária necessária para a completa e efetiva indenização aos proprietários de terra afetados.

“É chegado o momento de revisar essas normativas que somente criaram verdadeiras ‘unidades de papel’, permitindo assim, uma governança ecológica de resultados práticos e não meramente formais”.

“Inconstitucional”

Para a Rede Pró-Unidades de Conservação, ONG que trabalha em conjunto com outras organizações na proteção de áreas protegidas no país, a norma proposta pelo Mato Grosso é inconstitucional por ferir o artigo 225 da Constituição Federal, que estabelece o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado para as presentes e futuras gerações.

“Ainda que seja uma alteração na Constituição Estadual, essa Constituição Estadual sempre vai se submeter à Constituição Federal. Nesse caso, a alteração vai diretamente contra ao Artigo 225 e não pode estar condicionada a uma questão operacional de pagamento dessas áreas, porque você corre o risco de perdê-las”, explica Angela Kuczack, Diretora-Executiva da Rede Pró-UC.

Segundo ela, em médio e longo prazo, o primeiro objetivo do governo, tanto da União quanto dos Estados, segundo a Constituição Federal, é garantir a proteção de áreas que sejam estrategicamente essenciais para a proteção do meio ambiente, de diferentes ecossistemas e espécies.

Ela lembra ainda que muitas das unidades de conservação de Mato Grosso foram criadas sobre áreas de propriedade da União ou do estado, que foram posteriormente invadidas, como é o caso dos próprios parques Cristalino e Ricardo Franco. Por esse motivo, não cabe falar em indenização.

“São áreas em que não é preciso recursos para que sejam regularizadas, o que preciso é muito mais que uma questão burocrática seja resolvida. Quando é área pública, o órgão fundiário tem que passar essa área para o órgão gestor, que no caso do Mato Grosso é a Secretaria do Meio Ambiente, para que ela possa resolver a questão de posse, o que não aconteceu. Além disso, se o governo diz que em vinte anos mais de 92% das áreas não foram regularizadas, ele está mostrando sua própria ineficiência, ineficácia, incompetência e incapacidade. E a sociedade não pode pagar por essa ineficiência”, finaliza.

A proposta ainda precisa ser analisada pelos deputados estaduais para ir à sanção. Até o fechamento da matéria, não havia data prevista para votação da PEC.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
13 de outubro de 2022

Parque loteado: grilagem de terras públicas já atinge 74% do Cristalino II

Reportagem especial de ((o))eco em parceria com CCCA revela como forças econômicas e políticas têm atuado para redução desta área protegida do MT. Ocupantes de terra negam irregularidades

Reportagens
23 de junho de 2022

No meio do caminho tinha uma Unidade de Conservação

Levantamento inédito feito pelo CCCA, em parceria com ((o))eco, mostra ocupação de UCs em Rondônia como método para forçar redução ou reclassificação de áreas

Reportagens
21 de junho de 2022

Como morrem as unidades de conservação no Brasil – Rondônia na vanguarda do retrocesso

Série especial realizada em parceria com o Centro para Análise de Crimes Climáticos revela vulnerabilidade das áreas protegidas estaduais frente ao poder público local

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta