Salada Verde

IPCC poderá ser presidido por brasileira

Candidatura da pesquisadora Thelma Krug foi oficializada nesta segunda-feira (10). Custo da ação contra crise climática é bem menor que inação, defende ela

Cristiane Prizibisczki ·
11 de abril de 2023
Salada Verde
Sua porção fresquinha de informações sobre o meio ambiente

O governo brasileiro apresentou oficialmente nesta segunda-feira (10) a candidatura da pesquisadora Thelma Krug para a presidência do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima da ONU, o IPCC. As eleições ocorrerão entre 24 e 28 de julho, quando acontece a 59ª Plenária do Painel, a ser realizada em Nairóbi, Quênia.

Thelma Krug é graduada em matemática pela Roosevelt University, nos Estados Unidos, e tem doutorado em estatística espacial pela University of Sheffield, na Inglaterra. Foi pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) por 39 anos. No governo brasileiro, foi secretária nacional adjunta no Ministério da Ciência e Tecnologia, entre 2001 e 2003, e diretora de políticas de combate ao desmatamento no Ministério do Meio Ambiente, entre 2007 e 2008, onde também ocupou o cargo de diretora entre 2016 e 2017.

Com vasta experiência nos temas de mudanças climáticas, co-presidiu a Força Tarefa sobre Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa em dois ciclos de avaliação (2022 a 2015) e ocupa, desde 2015, uma das três vice-presidências do Painel.

À Folha de S.Paulo, Thelma Krug defendeu ações mais efetivas no combate ao aquecimento global. “O custo da ação vai ser bem menor do que o custo da inação, quando o planeta todo estiver sofrendo com esses impactos do clima e com um aquecimento maior”, disse, em entrevista publicada na noite de domingo (9). 

Ela também disse que, se eleita, vai sugerir que o IPCC publique relatórios menores e mais frequentes. Atualmente, o IPCC publica relatórios grandes com intervalos de vários anos entre um e outro. O Relatório 5, por exemplo, foi publicado em 2014. O Relatório 6, dividido em volumes, entre 2021 e 2023.

O IPCC é o órgão das Nações Unidas responsável por avaliar a ciência relacionada à mudança do clima. Por mais de três décadas, os subsídios técnicos do IPCC têm fortalecido a ciência frente a questionamentos de setores céticos em relação à contribuição antropogênica ao aquecimento global, o que permitiu o alcance de ambiciosos marcos internacionais, como o Protocolo de Quioto, em 1997, e o Acordo de Paris, em 2015.

  • Cristiane Prizibisczki

    Cristiane Prizibisczki é Alumni do Wolfson College – Universidade de Cambridge (Reino Unido), onde participou do Press Fellow...

Leia também

Reportagens
6 de abril de 2023

Absorção de poluentes por áreas indígenas na Amazônia evita 15 milhões de casos de doença por ano

Redução de doenças respiratórias e cardiovasculares em período de queimadas gera economia de 2 bilhões de dólares/ano para cidades inseridas no bioma, mostra estudo

Notícias
4 de abril de 2023

Manguezais do sul e sudeste são os mais vulneráveis às mudanças do clima

Estudo aponta que manguezais localizados na costa sul e sudeste têm menores condições para se adaptarem ao cenário de aumento do nível do mar

Reportagens
30 de março de 2023

Despreparo do Congresso sobre clima prejudica investimentos internacionais no país, diz especialista

Novas regras da União Europeia poderão causar desarranjos na produção de commodities, mas ainda não são suficientes para fazer do clima uma pauta para além do espectro ‘direita e esquerda', segundo análise de Mônica Sodré, da Rede de Ação Política pela sustentabilidade

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.