Notícias

Pantanal: também falta água para o abastecimento humano

Famílias fazem mutirão para pagar custo de perfuração de poços para alcançar a água no bioma que era conhecido pela fartura hídrica. Nos rios secos, carcaças de jacarés aparecem ao lado das poças que sobraram

Leandro Barbosa · Victor Del Vecchio · Gabriel Schlickmann ·
8 de setembro de 2021

Feriado de sete de setembro, tivemos o dia mais intenso desde o início de nossa viagem. Às 4:30 já estávamos na estrada, saindo da Pousada Mutum rumo à São Pedro de Joselândia, comunidade que sofre com a seca pantaneira. Apesar de andarmos por mais de 2 horas, não saímos do extenso município de Barão de Melgaço. 

Com o sol ainda brando (para os padrões locais), fomos recebidos por Seu José, coordenador da Defesa Civil da comunidade. Paulista com mais de quatro décadas de Mato Grosso que, apesar de sexagenário, esbanjou vitalidade na jornada que nos conduziu durante o dia todo, inclusive quando as temperaturas atingiram 39º C (e sensação de 41º C). Começamos com a visita a alguns mananciais que servem de fonte de água para rebanhos e animais silvestres no meio da vegetação que, de dezembro até, em geral, fevereiro ou março, ficam submersos pela inundação característica do bioma, mas que, neste ano, foram muito menores do que costumam ser.

Seu José Antônio. Foto: Gabriel Schlickmann.

“Isso aqui em dois dias já vai secar”, contava Seu Zé, apontando para os lamaçais que já foram reservatórios fartos e alertando para a urgência da situação. Em meio às últimas plantas aquáticas sobreviventes, vimos alguns jacarés amontoados nas finas lâminas de água. Em outros locais, eles não tiveram tanta sorte. Passamos por algumas carcaças que secaram junto com a água e outras de animais que atolaram tentando saciar a sede nas poças de lama. Perdemos as contas das dezenas de reservatórios secos que ele nos apontou nos percursos. 

Vale salientar que não está faltando água apenas para o gado, muito presente na região (criação extensiva), mas também para os animais silvestres, que por vezes vimos disputar espaço com os rebanhos para se hidratar. As pessoas também estão com insegurança hídrica. Agora à noite, um brigadista do Polo Ambiental do SESC Pantanal, para onde viemos após a comunidade, nos alertou que, se não fossem os poços artesianos furados do ano passado para cá, ninguém mais conseguiria sobreviver na região.

Segundo Seu Zé, para deixar um poço funcionando, da perfuração à bomba, são necessários R$14 mil, no mínimo. As famílias se solidarizam, fornecem água umas às outras e evitam que a comunidade se torne um polo de emigração em massa.

A escassez hídrica não destrói apenas o meio ambiente, ela destrói a economia e a sociedade que dela depende. Quem lê isso em um grande centro urbano, onde o manancial que abastece o filtro e o chuveiro está longe, pode pensar que esse é um problema distante. Vale ressaltar que, segundo o Relatório especial do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), regiões como o Sul e Sudeste brasileiro, sobretudo as grandes cidades, deverão sentir os efeitos da falta de água muito em breve, dentro das próximas décadas.

O jacaré que não conseguiu escapar. Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.
Cavalo fica atolado ao tentar tentar beber o resto de água que tinha ali. Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.
Foto: Gabriel Schlickmann.

Pantanal ameaçado é um projeto de Leandro Barbosa, Victor Del Vecchio, Lina Castro e Gabriel Schlickmann, financiado coletivamente e que conta com o apoio da iniciativa Observa-MT.

  • Leandro Barbosa

    Jornalista, com publicações nos jornais The Intercept Brasil, Ponte Jornalismo, Globoplay, El País Brasil, UOL, Yahoo, Agência Pública e na revista americana Atmos

  • Victor Del Vecchio

    Advogado e mestrando em Direito Internacional pela USP, professor da Casa do Saber

Leia também

Notícias
6 de setembro de 2021

Seca no Pantanal produz árvores sem frutos e animais ficam sem comida

Voluntários têm espalhado frutas por pontos estratégicos para ajudar na alimentação de animais silvestres. Seca severa afetou as árvores frutíferas

Notícias
5 de setembro de 2021

No Pantanal, animais à procura de água param de evitar humanos

Em São Pedro da Joselândia, animais precisam andar quilômetros atrás de água. Em Barão de Melgaço, uma anta veio a óbito por causa seca. Saiba como foi o nosso segundo dia em campo

Notícias
4 de setembro de 2021

Diário de bordo: Chegada ao Pantanal Matogrossense e o objetivo desse blog

Nossa equipe passará 10 dias em campo e contará, aqui, em ((o))eco, a situação das queimadas e secas no bioma que mais perdeu superfície hídrica no país

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta