Reportagens

Pé na lama, com estilo

Alta temporada de esportes ao ar livre é época também de lançamentos. Fabricantes esbanjam tecnologia, design e originalidade em tênis, roupas e equipamentos.

Maria Beatriz Mussnich Pedroso ·
8 de julho de 2005 · 19 anos atrás

O mês de julho é ótima época para praticar esportes ao ar livre. A alta estação também estimula os fabricantes a lançar novas linhas de acessórios e equipamentos. Práticos, bonitos ou extremamente criativos, os produtos trazem tecnologia de ponta, o que costuma resultar em preço salgado. Por isso, convém pesquisar o que as melhores marcas estão oferecendo para fazer a escolha certa.

Em atividades como caminhada e corrida de aventura, o conforto é essencial. As linhas de tênis feitas para quem leva esses esportes a sério têm que ser mais do que esteticamente atraentes. Lançamentos recentes chegam ao requinte de se adaptar aos diferentes formatos e “imperfeições” dos pés dos atletas. O popular “pé chato” é tecnicamente definido como um pé de “pouca curvatura no arco plantar”. O que resulta numa pisada inclinada para o lado interno, que começa no calcanhar e acaba no dedão, também conhecida como pronada. Quem tem pés normais também tende a pisar pronado, mas com menos intensidade. Para amortecer pisadas assim, a Asics criou o “Kayano 11” (foto), vendido em média por R$ 500, que tem um gel para a absorção do impacto. A Adidas oferece o “Adistar Control” (R$ 400) e a Puma, o “Complete Taranis” (R$ 616).

Já a pisada supinada é mais rara. Provocada por pés cavados, ou seja, com curva acentuada no arco plantar, é a chamada “pisada para fora”, com peso na borda externa do pé. O “Nimbus” (R$ 479), da Asics, ameniza esta distorção também graças a um gel próximo à sola, que se molda à pisada. Assim como o “Wave Creation 6” (foto, R$ 500), da Mizuno, ele tem a vantagem de ser melhor ventilado. A Mizuno também se gaba de ser a única marca aprovada pela Sociedade Brasileira de Medicina de Esporte.

Mas o cúmulo da especialização tem tecnologia nacional e ainda por cima um preço mais acessível. Atende pelo chamativo nome de Rainha “System 3000 Explosion” (R$ 200), e promete atender todos os tipos de pisada: neutra, pronada e supinada. Mas a revista especializada O2 faz uma ressalva: os beneficiados pelo modelo são apenas aqueles que apresentam diferença nas pisadas do pé esquerdo e do pé direito. “Pronadores” e “supinadores” severos, segundo a revista, devem desistir do Explosion.

Uma novidade internacional, mas que ainda não chegou ao Brasil, é a sapatilha “Nike Free”, lançado em abril. Ela serve tanto para caminhada quanto para corrida e é tão leve que provoca a sensação de se estar com os pés descalços pisando numa superfície lisa, o que garante, além do conforto, flexibilidade e proteção contra lesões. Seu design é elegante e o faz parecer com um tênis social. Na Internet, é vendido em média por 90 dólares (cerca de 216 reais, fora taxa de entrega).

Para o trekking, o tênis da Adidas “Adistar Trail” (R$ 400) garante proteção dos pés, pois traz a tecnologia GCS (Ground Control System), inovação estudada durante quatro anos nos laboratórios da empresa alemã. O GCS permite o nivelamento das pisadas em terrenos irregulares e amortece impactos horizontais e verticais. Outra boa dica para esse esporte são os modelos impermeáveis, com tecido Gore-Tex, que bloqueia a entrada de água mas não impede a transpiração. Exemplos são a bota “Trail Vision” (foto, R$ 475) e o tênis “Trail Lizard XCR” (R$ 450), ambos da Timberland.

Entre os acessórios, destaque para o fogareiro “Internationale”, da MSR, que ainda nem foi tabelado. É ideal para montanhistas, porque funciona com combustíveis como benzina e gasolina, que não congelam em grandes altitudes como o gás.

Mas curiosos mesmo são os lançamentos de tecidos “mágicos”, como o “TechSkin”. Os vendedores juram que ele tem a característica mágica de se recompor em caso de perfurações. Basta esfregá-lo com os dedos que o tecido cobre o furo e segue-se em frente. É o mérito da membrana chamada “Wind Stopper”. Como o nome diz, ela também ajuda a enfrentar ventanias, mas tem um defeito: não segura uma chuva forte. Vai entender os fabricantes… O “TechSkin” está presente em jaqueta da marca Kailash (foto, R$ 130).

No mesmo quesito, chegou há pouco tempo no Brasil a toalha super-absorvente “Tek Towel” (R$ 33), ideal para o montanhismo. É leve e compacta, e garante secagem rápida mesmo em caso de chuva forte.

Os pára-quedistas vão gostar do “Wing Suit” (US$ 1049), roupa lançada no exterior pela marca BirdMan É como um macacão estufado, que aumenta a área do corpo e conseqüentemente o atrito com o ar. O resultado é que a velocidade da queda diminui de uma média de 200 km/h para 70 km/h, podendo até salvar vidas em caso de pane no equipamento. Ao mesmo tempo, a roupa especial permite evoluções frontais muito mais rápidas. Assim, o pára-quedista ganha “autonomia de vôo”, podendo se deslocar por distâncias maiores. Mas o “WingSuit” só é indicado para quem tem muita experiência, ou seja, pessoas que já tenham dado pelo menos 500 saltos ou 200 no último ano. Isto porque a roupa diminui a maleabilidade e o controle do corpo, que fica praticamente imobilizado. Numa emergência, o pára-quedista precisa saber como manejar no ar a soltura de certas partes do macacão. Ingrediente que torna o produto ainda mais atraente para quem gosta de experiências radicais.

Alguns sites de equipamentos esportivos:
Mizuno
Adidas
Nike
Asics
Kailash
Casa do alpinista
Montcamp
Equinox
Sport Society

* Maria Beatriz Müssnich Pedroso é estudante de jornalismo na PUC-Rio.

Leia também

Notícias
19 de abril de 2024

Em reabertura de conselho indigenista, Lula assina homologação de duas terras indígenas

Foram oficializadas as TIs Aldeia Velha (BA) e Cacique Fontoura (MT); representantes indígenas criticam falta de outras 4 terras prontas para homologação, e Lula prega cautela

Notícias
19 de abril de 2024

Levantamento revela que anta não está extinta na Caatinga

Espécie não era avistada no bioma havia pelo menos 30 anos. Descoberta vai subsidiar mudanças na avaliação do status de conservação do animal

Salada Verde
19 de abril de 2024

Lagoa Misteriosa vira RPPN em Mato Grosso do Sul

ICMBio oficializou a criação da Reserva Particular do Patrimônio Natural Lagoa Misteriosa, destino turístico em Jardim, Mato Grosso do Sul

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.