Reportagens

A ecologia do povo

Economista catalão passa pelo Brasil defendendo o uso do meio ambiente como arma dos países pobres para solucionar conflitos econômicos com o Primeiro Mundo.

Priscila Geha Steffen ·
8 de julho de 2005 · 19 anos atrás

Passou pelo Rio e São Paulo, na última semana de junho, o economista catalão Joan Martinez-Alier, professor da Universidade Autônoma de Barcelona e presidente da Sociedade Internacional de Economia Ecológica. Em palestras nas duas cidades, defendeu a tese que o mundo hoje está diante de um conlifto ecológico global, que opõe o desenvolvimento econômico que favorece poucos à degradação ambiental, que é socializada para a grande massa da população mundial. Martinez-Alier é um dos principais proponentes de corrente na economia ambiental batizada de ecologia popular. Ela é o tema principal de livro que ele lançou recentemente, El Ecologismo de los pobres – Conflictos Ambientales y Lenguages de Valoración (Ed. Icaria, Barcelona).

Sua premissa é que os países e populações pobres podem se defender contra o desenvolvimentismo incorporando nas suas atividades econômicas a prática da sustentabilidade ambiental. Martinez-Alier é um estudioso deste tipo de conflito. Já examinou o embate entre a Petrobras e os índios huaorani no Parque Nacional do Yasuni, no Equador, entre os criadores de camarão e pescadores no Ceará e entre grandes mineradoras e populações pobres na Índia. O que esses casos têm em comum é o fato de as populações tradicionais combaterem a entrada de novos agentes econômicos em suas áreas utilizando-se de instrumentos de preservação ambiental.

A ecologia popular começou a tomar corpo em 1985. “Esta corrente observa que o crescimento econômico implica maiores impactos no meio ambiente. Os países industrializados dependem das importações dos países em industrialização porque eles têm uma demanda cada vez maior de matéria-prima e bens de consumo. Os Estados Unidos, por exemplo, importam a metade do petróleo que consomem”, diz Martinez-Alier. Para Martinez-Alier, é preciso que as populações pobres percebam os benefícios da conservação e se sintam estimuladas a proteger os recursos naturais. “Uma solução é a co-gestão das áreas para que as populações locais tenham benefícios com o ecoturismo, que recebam pagamentos por serviços ambientais proporcionados pelas áreas de conservação”.

Uma das idéias inseridas no conceito de ecologia popular é a da dívida ecológica, um contraponto à dívida externa. Ela se apóia na tese que os países desenvolvidos têm uma dívida com os países em desenvolvimento causada pelo uso desproporcional do espaço ambiental. O “primeiro mundo” desconsidera fatos como a futura escassez dos recursos naturais destruídos, a não reparação dos danos provocados pelas exportações de matérias primas, o custo não pago pela reprodução, manutenção ou gestão sustentável dos recursos naturais exportados e o custo não pago pelas emissões de gases de efeito estufa e outros poluentes que acabam causando danos aos países em desenvolvimento.

Martinez-Alier relaciona este conceito ao cenário brasileiro. “Seria bom que o Presidente Lula, quando se desocupar dos atuais desagradáveis problemas, desse uma olhada nas idéias de dívida ecológica, que a Ministra Marina Silva conhece bem. Poderia se tornar um ponto de agenda internacional”, diz.

Por que a esquerda resiste à conservação da natureza e ignora a importância do meio ambiente? “A esquerda ainda está presa às idéias de progresso tecnológico e crescimento econômico”, afirma. “O partido comunista francês foi sempre pró nuclear” . Ele considera que também existem outras esquerdas que não são presas à armadilha do “crescimento a qualquer custo”. Elas estão vinculadas a movimentos camponeses, sindicais e sociais, como o movimento liderado por Chico Mendes, na década de 80. Mas esta questão ainda é percebida como prematura no debate internacional da esquerda.

Leia também

Reportagens
21 de maio de 2024

Crise climática e lacunas no conhecimento pioram risco de zoonoses

Enchentes no Rio Grande do Sul têm um aspecto epidemiológico importante, chamando atenção para o fato de sabermos muito pouco sobre os riscos reais de zoonoses no Brasil

Notícias
21 de maio de 2024

Países liberam rios para salvar peixes migradores

Declínio chega a 91% na América Latina, mas Brasil quer barrar ainda mais cursos d’água, sobretudo na Amazônia e no Cerrado

Notícias
21 de maio de 2024

Degradação florestal na Amazônia é a maior dos últimos 15 anos

Queimadas em Roraima foram responsáveis pelo número. Desmatamento, por sua vez, continua em queda no bioma, mostra SAD, do Imazon

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.