Reportagens

Escola de índios

Índios da Amazônia ganham centro de formação de líderes para aprender a explorar de forma sustentável os recursos de Terras Indígenas sem a interferência dos vizinhos brancos.

Vandré Fonseca ·
22 de setembro de 2006 · 18 anos atrás

Em uma casa recém reformada no conjunto Vieiralves, um dos mais valorizados de Manaus, na Zona Centro-Sul da cidade, 12 índios de estados da Amazônia Legal começam a aprender como defender as reservas onde vivem da ameaça de madeireiros, de garimpeiros e do agronegócio. Eles formam a primeira turma do Centro Amazônico de Formação Indígena, inaugurado em agosto e mantido por uma parceria entre a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), The Nature Conservancy (TNC) e a organização Amigos da Terra, da Suécia.

Durante cinco meses, esses 12 índios vão ter aula de manhã e à tarde. O objetivo é transformá-los em lideranças indígenas, ensinando noções de política, lições sobre a sociedade não-índia e ferramentas para a preservação e exploração sustentável das Terras Indígenas, como Sistemas de Informações Georreferenciadas (SIG). Os alunos foram selecionados entre 60 currículos enviados por organizações indígenas à Coiab.

O programa inclui atividades práticas em Roraima, região de cerrado, e na Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá, no Amazonas, área de floresta alagada. Enquanto estiverem em Manaus, os alunos recebem uma bolsa de estudos (R$ 350,00 por mês), alimentação e lugar para dormir.

“Agora que 70% das Terras Indígenas na Amazônia estão demarcadas, o desafio que a gente enfrenta é o desenvolvimento sustentável”, avalia Darcy Marubo, coordenador do Departamento Etnoambiental da Coiab. “Para os índios ficarem na terra e cuidar da conservação, precisam de formação”, completa o líder indígena.

“Os índios sentem a necessidade de autonomia e enfrentam a defasagem na capacidade técnica. A universidade e o ensino normal não têm a visão indígena. Daí, a necessidade de ter um centro próprio de formação”, afirma Marcio Sztutman, coordenador do Programa Terras Indígenas da Amazônia TNC. A proposta pedagógica foi criada por Lúcio Terena, hoje diretor do Cafi.

O conceito utilizado na formação dos líderes indígenas é o “etnoambiental”, que leva em conta as tradições das comunidades tradicionais. “Nas Terras Indígenas não dá para usar o mesmo raciocínio de outras áreas, são necessárias regras indígenas, que levam em conta os tabus, as leis indígenas de utilização dos recursos, aspectos técnicos e políticos”, explica Marcio Sztutman.

Para os índios, é o começo de um trabalho para que eles possam desenvolver ações próprias para a preservação do meio ambiente e melhorar a qualidade de vida nas reservas. Eles são críticos em relação aos projetos oficiais e mesmo experiências desenvolvidas entre comunidades indígenas. “Os projetos não têm continuidade, vivem dos reais do governo”, avalia Darcy Marubo.

No Vale do Jauari, onde vivem os índios Marubo, como Darcy, o diretor da Coiab conta que o próprio governo incentivava a retirada de madeira, que era negociada pela Funai. “Acho que o índio tem que se formar, aprender como sobreviver da mata, conhecer o valor da natureza e voltar para sua área”, diz o índio. “Dizem que não podem extrair madeira ou diamante, mas não dão subsídios para sobreviver. Isto facilita a cooptação. Os índios são fragilizados”, acredita Marubo.

Voltar para a aldeia onde vive e ajudar os parentes a usar melhor os recursos naturais é o plano de Jenivaldo Zezokaecê, índio paresi da reserva Formoso, Tangará da Serra (MT). “Quero elaborar projetos auto-sustentáveis e saber manuseio da natureza”, diz Zezokaecê. A Terra Indígena onde vive é cercada por lavouras de soja. O pareci reclama que o uso de agrotóxico e o desmatamento prejudicam as nascentes dos rios que passam pela reserva. “As águas já saem contaminadas. Usam agrotóxicos na beira das reservas”, conta o índio.

Francisco Meireles Mamalota, índio suruí de Cacoal (RO), fala da falta de unidade entre as lideranças indígenas da região. As comunidades indígenas têm apoio para a lavoura e produzem feijão, arroz, mandioca e amendoim. Mas a agricultura e a pesca nos lagos da região não são suficientes para fazer os índios resistirem às investidas externas. “Lá existem madeireiros e garimpeiros explorando as terras. Eles se aproveitam da falta de unidade entre os clãs e cooptam chefes”, lamenta.

A presença no curso, para ele, é oportunidade para tomar consciência dos problemas que afetam os índios de todo o país. “Vim tentar conhecer o que é movimento indígena e mostrar o que está acontecendo, para ajudar meu povo”, diz.

Chance de preservar

O curso é a continuidade de uma parceria entre a Coiab e a TNC, que começou há pelo menos três anos. Foram feitos vários convênios para a criação e apoio do Departamento Etnoambiental da Coiab. “O enfoque sempre foi a gestão ambiental em Terras Indígenas”, diz Sztutman. “A idéia é dar um apoio inicial, para que os próprios índios dêem continuidade ao processo”, destaca.

Para Marcio Sztutman, existe um enorme potencial nas Terras Indígenas para a preservação da Amazônia. “Dentro da Constituição, 22 % da Amazônia são Terras Indígenas, enquanto que as Unidades de Conservação são apenas 10 %”, calcula. Um exemplo que contribui para esta afirmação é o lavrado de Roraima, um cerrado amazônico pouco conhecido, onde não existe sequer uma Unidade de Conservação, mas protegido por Terras Indígenas como a Raposa Serra do Sol, com 1,6 milhões de hectares. O assessor do Departamento Etnoambiental da Coiab, Marcelo Gusmão, apresenta dados que colaboram com a perspectiva da TNC. De acordo com ele, 3,5 milhões de hectares de florestas podem ser protegidos nas Terras Indígenas. “Em Rondônia, as Terras Indígenas barram o avanço do desmatamento, apesar de sofrerem com a retirada ilegal de madeira”, ressalta.

A parceria já produziu um relatório sobre as ameaças e o estado de preservação em Terras Indígenas da Amazônia. De acordo com Marcelo Gusmão, o diagnóstico demonstrou que, em 76% dos casos, o desmatamento em áreas indígenas é menor do que no entorno. Esta foi uma boa notícia para as comunidades, mas não foi o principal objetivo estudo. O diagnóstico serviu para desenvolver um modelo para medir e prever os impactos de projetos oficiais.

O relatório trouxe também más notícias. Cerca de um quarto das Terras Indígenas (26% delas) estão em áreas de grande pressão de desmatamento, principalmente em Rondônia e Mato Grosso. O Parque Indígena do Xingu, entre os estados do Pará e Mato Grosso, é um exemplo. Imagens de satélites mostram o conjunto de Terras Indígenas cercado por fazendas de gado e soja. Demonstram também que existe desmatamento no interior do parque.

O modelo permite fazer projeções até 2031 para toda a Amazônia. “Ao longo da estrada do Pacífico, que começa no Acre, o verde vai ficando amarelo, demonstrando o impacto da rodovia”, conta Gusmão. Ele cita outro exemplo, a Terra Indígena Uaçá, no Oiapoque (AP).

A reserva vai ser cortada pela BR-156, que forma o Arco Norte, uma rodovia internacional que vai ligar Macapá, capital do Amapá, a Boa Vista, capital de Roraima, passando pelo litoral da Guiana Francesa, do Suriname e da República da Guiana. As conclusões vão servir também como argumentação para políticas e investimentos na preservação de áreas indígenas. “A BR 156 vai causar impacto dentro da Uaçá. O governo às vezes subestima os impactos da obra”, afirma.

Para elaborar o diagnóstico, foram feitas entrevistas com líderes indígenas que estiveram em Manaus ou grandes eventos, como o Abril Indígena. Os dois pesquisadores contratados para o trabalho usaram ainda informações oficiais do IBGE, Funai, além de dados do Instituto Socioambiental (ISA) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Entre os parâmetros usados para desenvolver o modelo, estão a proximidade das cidades, hidrelétricas, hidrovias, garimpos e, principalmente, estradas, considerado o principal fator de desmatamento na região. “Até 50 quilômetros dos dois lados da estrada, o impacto é maior. No primeiro quilômetro de distância da estrada ocorre 60% do desmatamento”, analisa Gusmão.

Durante a elaboração do diagnóstico, começou a funcionar também uma proposta piloto, que deu origem ao Cafi. Quatro estagiários indígenas da Coiab acompanharam e ajudaram nos trabalhos. Durante um ano, eles passaram também por cursos dentro da Coiab. Agora, o Cafi vai formar agentes indígenas que trabalhar com SIG e abastecer o sistema de dados.

Os índios buscam formação e tecnologia para vencer o novo desafio da sustentabilidade de suas terras. Embora este conceito ainda não esteja bem definido por cientistas, para eles é uma idéia simples: melhorar a vida, com os recursos que dispõem dentro das reservar, sem precisar de ajuda externa. Sustentável para o diretor da Coiab é: “Sempre ter caça, sempre ter roça, sempre ter nossa cultura e ter nossas festas, sem dinheiro de fora”.

* Jornalista formado em São Paulo, há oito anos vivendo na Amazônia. Atualmente, é repórter da TV Amazonas.

Leia também

Reportagens
25 de junho de 2024

Dinastia Amazônia – Parte II

China se alastra por infraestrutura brasileira e impõe seu modelo de “civilização ecológica” de crescimento

Notícias
25 de junho de 2024

Entidades criticam projeto de lei que pode eliminar outorga de água na agropecuária do RS

Segundo ONG e servidores ambientais do estado, projeto pode causar descontrole no uso da água e seria inconstitucional; iniciativa é do presidente da bancada ruralista gaúcha

Salada Verde
25 de junho de 2024

Lula cria grupo de trabalho para organizar destinação de terras públicas no país

Resolução Federal cria grupo de trabalho para definir processos, etapas e instrumentos necessários para a efetiva destinação de terras públicas federais

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.