Reportagens

Ao lado do Kilimanjaro

O Monte Quênia é uma bela alternativa ao Kilimanjaro, que está muito manjado. Os dois são vizinhos e exigem técnicas diferentes de seus visitantes. No caminho, muitos animais.

Pedro da Cunha e Menezes · Ana Leonor ·
27 de outubro de 2006 · 18 anos atrás

Ernest Hemingway imortalizou o Monte Kilimanjaro no imaginário popular internacional. Com efeito, o Kili, como é carinhosamente conhecido pelos locais tem seu charme. Com 5896 metros de altitude, está acima de qualquer outro morro na África. Os livros de Hemingway e o chamariz das neves eternas, associados ao fetiche de topar o continente, atraem ao Kilimanjaro milhares de excursionistas todos os anos. Com efeito, sua popularidade é tanta que não é possível subir ao Kilimanjaro sem cruzar com pelo menos uma centena de outras pessoas, cada uma pagando pelo privilégio uma taxa de US$ 1500, aí incluídos entrada e seguro cobrados pelo Serviço de Parques da Tanzânia. Vale a pena? Mochileiros e aventureiros de primeira viagem não têm dúvida que vale. 

Os montanhistas experimentados em África entretanto, argumentarão que o Kilimanjaro há muito tempo perdeu seu encanto. Preferem subir o Monte Quênia. Irmão menor e mais bonito do Kilimanjaro, o Monte Quênia também tem neves eternas na parte superior da montanha, que em seu ponto mais alto alcança os 5199 metros. Não é pouco. O Monte Quênia é o segundo pico mais alto da África. Sua altitude é suficiente para provocar problemas de aclimatação, conhecidos como males da alta montanha. A partir dos 2.500 metros o ar fica rarefeito e a maioria dos montanhistas começa a sofrer de dor de cabeça, letargia, enjôo e extremo cansaço. Quanto mais alto, pior o problema, que se não for tratado pode causar até a morte – e o Monte Quênia já foi responsável por uma coleção delas. A solução é ascender poucos metros por dia, dando tempo ao corpo para se adaptar.

Melhor assim, pois ao longo da subida há muito que apreciar. Sua base é cercada pelas florestas afromontanas, um dos 34 “hotspots” da ecologia planetária. Para ser classificado como “hotspot” um ecossistema precisa abrigar no mínimo 1.500 espécies florísticas endêmicas, o que equivale a 0,5 % do total identificado no mundo. Elefantes, búfalos, leopardos e meia centena de outras espécies de mamíferos freqüentam a região, que também é Patrimônio Mundial da Humanidade.

As florestas do Monte Quênia são tão ricas que é melhor evitar caminhar nelas sem a companhia de um guarda-florestal armado. São recorrentes as histórias de ataques de predadores aos excursionistas. Por isso, é melhor cruzar a floresta de carro, o que faz com que caminhada propriamente dita comece no fim de uma estrada de terra de 15 quilômetros. A aventura, contudo, principia antes. A região é tão úmida e a manutenção da estrada tão deplorável que não há subida possível sem uma ou duas atoladas.

Ao deixar o carro vem a grande surpresa. O calor africano escafedeu-se. Estamos acima da linha dos dois mil metros, um vento frio varre os campos de altitude que substituíram a floresta. A montanha, à frente, com picos altaneiros e uma profusão de flores e pássaros, convida sedutora. Os guias locais, entretanto refutam. É mais sábio pernoitar no primeiro abrigo e deixar o corpo se adaptar ao ar rarefeito e suas conseqüências debilitantes.

No dia seguinte, a caminhada avança levando o montanhista morro acima. Aos poucos o arrendodado da base vulcânica perde forma e os vales vão se aprofundando. A partir dos três mil e duzentos metros, lagos de um azul celeste chamam atenção pela sua beleza pictórica. As vezes suas águas bloqueiam o vale inteiro. São abastecidos pelo degelo das neves eternas, que seu espelho d’água reflete em paisagem incomparável.

Neves que, por sinal, estão menos eternas a cada ano. O aquecimento global tem sido responsável pela redução significativa desse espetáculo esbanquiçado em plena na linha do Equador. Cientistas calculam que tanto o Monte Quênia quanto o Kilimanjaro perderam mais da metade de suas neves nos últimos quinze anos e alguns pesquisadores prevêem que, mantido o ritmo de degelo, em 2020 não haverá mais neve em ambas montanhas. Trata-se de problema que sobrepassa em muito a estética. As águas do Monte Quênia abastecem milhões de pessoas, que delas dependem para saciar a sede, criar seus rebanhos e plantar suas hortas. Se a fonte secar, o problema da falta de água que atualmente já é muito sério na região, pode se tornar catastrófico.

O segundo pernoite, após cerca de oito horas de extenuante caminhada, é feito ao redor dos quatro mil metros acima do nível do mar. Em geral, acampa-se às margens de um lago glacial. Os montanhistas locais aproveitam para improvisar uma varinha para fisgar um par de trutas que serão preparadas na fogueira à guisa de jantar. Não se come muito, pois pouco do que se ingere fica no estômago. A altitude não deixa. Tampouco deixa dormir. Uma dor de cabeça infernal, misturada com estranho mal estar, impedem o descanso merecido. Mas não demora muito e a hora de caminhar de novo já chega. É antes da alvorada. Por volta de meia noite, sob um frio abaixo de zero grau, começa o ataque ao topo. É nesse momento que a diferença entre o Monte Quênia e o Kilimanjaro se faz mais marcante. Ao Kilimanjaro, caminha-se. Para atingir o cume do Monte Quênia, é preciso ser bom escalador. Dos três principais picos do Monte Quênia, dois deles, Batian (5199) e Nellion (5188), demandam ascensões técnicas e perigosas. Para os menos intrépidos, resta a cumeeira do Ponto Lenana, o terceiro mais alto, que com seus 4985 metros, tampouco é de se desprezar. De lá é possível ver o vasto planalto africano até onde terra faz a curva. Vista apenas interrompida, a trezentos quilômetros de distância, pelo enorme bloco montanhoso que constitui o Kilimanjaro.

Os últimos 1000 metros verticais exigem cerca de 8 horas entre subida e descida. Por volta das cinco da manhã, quando o dia começa a clarear, Lenana, Batian e Nelion já estão visíveis e, aparentemente alcançáveis. Quem chegou até aí – e menos da metade dos que iniciam a empreitada chegam- respira aliviado. Em questão de uma hora caminhando ou escalando em meio às neves eternas do Monte Quênia, atinge o objetivo de um dos três cumes.

A volta é mais tranqüila e mais contemplativa. À medida em que se perde altitude, o corpo vai recuperando o bem estar e a beleza das 882 espécies vegetais – 80 delas endêmicas do Parque Nacional do Monte Quênia- adquire cores ainda mais distintas e encantadoras do que na subida.

Desde que o suíço Ludwig Krapf avistou o Monte Quênia em 1849, montanhistas do mundo inteiro têm se dedicado a desbravá-lo. Foram necessários mais 50 anos para que o inglês Harold Mackinder conquistasse seus três picos, em 1899, e algumas décadas mais para que as rotas de Naro Moru, Sirimon e Chogoria fossem preparadas para receber excursionistas. Hoje, não importa qual a via utilizada para subir ou descer. Os preços são acessíveis- com cerca de 200 dólares por cabeça, entre entrada do Parque e acompanhamento de guia profissional – é possível fazer a caminhada. A privacidade é garantida e a visão que se tem do Kilimanjaro é inigualável!

Leia também

Salada Verde
17 de maio de 2024

Avistar celebra os 50 anos da observação de aves no Brasil

17º Encontro Brasileiro de Observação de aves acontece este final de semana na capital paulista com rica programação para todos os públicos

Reportagens
17 de maio de 2024

Tragédia sulista é também ecológica

A enxurrada tragou imóveis, equipamentos e estradas em áreas protegidas e ampliou risco de animais e plantas serem extintos

Notícias
17 de maio de 2024

Bugios seguem morrendo devido à falta de medidas de proteção da CEEE Equatorial

Local onde animais vivem sofre com as enchentes, mas isso não afeta os primatas, que vivem nos topos das árvores. Alagamento adiará implementação de medidas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.