Reportagens

Dia 08 – 09 de Setembro de 2007

Passagem da expedição ao Alto Paraná pela Reserva Biológica de Santa Helena (PR) faz pesquisadores refletirem sobre o trabalho de resgate de fauna no reservatório de Itaipu.

Laury Cullen · Fernando Lima ·
18 de setembro de 2007 · 14 anos atrás

Levantamos a vela logo cedo e partimos rumo a Santa Helena. Cuidadosamente procuramos o canal demarcado para passarmos pelo corredor de pedras do que foram um dia as sete quedas e cuidado redobrado com as torres e linhas de transmissão. Passado o perigo nos impressionamos com o abismo formado pelo vale inundado, identificado com nosso ecobatímetro (o aparelho que mede a profundidade). Ele mostrava 70-80 metros de profundidade, chegando à marca dos 106. As matas ciliares dominadas por leucenas mortas (Leucena leucocephala) plantadas como pioneiras no programa de recomposição das matas ciliares do reservatório, agora empesteiam toda a paisagem. O lado paraguaio chamou a atenção pela constante fumaça de queimadas.

Desabafos à parte, nosso veleiro continuou pelo canal quase que indiferente à nossa indignação. Aportamos no fim da tarde no balneário Santa Helena. Aproveitamos a tarde para programar nosso retorno e organizar as coisas e as idéias. Andamos pelo balneário e procuramos um lugar para comer. Após o jantar, um balanço geral. Cortes e mais cortes nas mãos e pés, arranhões, unhas quebradas, dor, mal jeito, etc, etc, etc. A exaustão já era tão grande que não tínhamos certeza se não adormeceríamos no meio do caminho até o barco. O veleiro Pasárgada, esse bravo guerreiro, nem de longe mostrava os sinais de cansaço de seus exaustos tripulantes. Pelo contrário. Apagamos com o som das cordas ao vento batendo no mastro. Como diria nosso amigo Toy: “Chamando para a briga.”

Leia também

Notícias
2 de dezembro de 2021

Com maioria no Conama, governo federal impõe mudanças no CNEA

Conama aprova alterações no Cadastro Nacional de Entidades Ambientalistas e impõe mais burocracia e custos para a participação da sociedade civil no conselho

Reportagens
2 de dezembro de 2021

Secas recorrentes afetam a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica, alerta estudo

Nas últimas duas décadas, a Floresta Amazônica tem sido impactada por secas cada vez mais intensas e frequentes. As mais severas ocorreram em 2005, 2010 e 2015

Notícias
1 de dezembro de 2021

Amazônia acumula 73 mil focos de incêndio em 2021, segundo dados do INPE

Há menos de uma semana, Bolsonaro voltou a afirmar que “floresta úmida não pega fogo”. Número de queimadas no Pampa segue em alta

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta