Reportagens

Carbon free

Conferência do Clima chega a um consenso: fundo para países sujeitos a catástrofes naturais vai funcionar. E ARPA evita emissão de 1,8 toneladas de carbono

Gustavo Faleiros ·
11 de dezembro de 2007 · 16 anos atrás

O programa Áreas Protegidas da Amazônia (ARPA), conduzido pelo governo brasileiro com apoio da agência de cooperação alemã (GTZ) e pela ONG WWF, é um importante estoque de carbono. Isso é que sustenta um estudo feito pelo WWF-Brasil, o Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia (IPAM) e a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). De acordo com a pesquisa, até 2050, as unidades de conservação criadas pelo programa evitariam a emissão de 1,8 bilhão de toneladas de carbono na atmosfera. Isso representa mais ou menos 5% do total das emissões globais em um ano.

O estudo olhou para os 31 milhões de hectares protegidos pelo Arpa e projetou as áreas que estariam sob pressão de desmatamento para descobrir quanto carbono permanecerá guardado na floresta preservada. Os dados, ainda preliminares, ajudam a esquentar a disputa aqui em Bali sobre mecanismos de incentivo financeiro para combate ao desmatamento. Projeções sobre a destruição de áreas florestadas não estão sendo bem aceitas nas negociações. A delegação brasileira, por exemplo, fala em incentivos para reduções efetivas do desmatamento.

  • Gustavo Faleiros

    Editor da Rainforest Investigations Network (RIN). Co-fundador do InfoAmazonia e entusiasta do geojornalismo. Baterista dos Eventos Extremos

Leia também

Salada Verde
23 de fevereiro de 2024

Justiça Federal impõe mais de R$ 316 milhões em indenizações por desmatamento ilegal

Infrações ambientais foram identificadas pelo MPF por meio do Amazônia Protege, projeto que utiliza monitoramento por satélite para responsabilizar os atores dos desmatamentos ilegais

Notícias
23 de fevereiro de 2024

MPF no Acre arquiva denúncia da CPI das ONGs contra servidores do ICMBio

Servidores do órgão foram acusados de abusos contra moradores da Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre; para procurador, acusações são “genéricas e sem fato concreto”

Notícias
23 de fevereiro de 2024

Antas “avisam” pesquisadores sobre contaminação humana por agrotóxicos no MS

Além de agrotóxicos como glifosato, moradores do sudeste do estado também apresentaram altos índices de metais no corpo. Antas atuaram como sentinelas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.