Reportagens

A chave de ouro da Transcarioca

Trilha da Urca será o último trecho do caminho total da Transcarioca. A linha de chegada foi escolhida a dedo para fechar com classe.

Duda Menegassi ·
18 de dezembro de 2012 · 10 anos atrás
O famoso bondinho vigia os que se aventuram pela trilha
O famoso bondinho vigia os que se aventuram pela trilha

A trilha do Morro da Urca será o último trecho do percurso total da Transcarioca, e de fato, é para fechar em grande estilo. A alternativa para quem dispensa o bondinho não tem limites de faixa etária. Por se tratar de um acesso a um dos pontos turísticos mais visitados do Rio, a trilha foi facilitada ao máximo, com degraus de tronco nos trechos de subida mais íngreme, o que garante a alta circulação de pessoas por essa via em meio à natureza.

Ao lado da praia Vermelha encontra-se a entrada desta Unidade de Conservação da Natureza, onde fica o Monumento Natural dos Morros do Pão de Açúcar e da Urca, que é onde começa o caminho. Todo esse nome pomposo e emplumado não combina com o clima descontraído das pessoas que circulam por lá, mas é uma homenagem justa à imponência do Morro. Basta olhar para o alto e vemos o topo do monte açucarado, com o maquinário do bondinho que garante a milhões de turistas um visual privilegiado da cidade. Mas o nosso caminho não é por fios de aço, mas por entre as árvores.

O primeiro trecho é no asfalto, na Pista Cláudio Coutinho, que ladeia a base de pedra gigantesca do morro da Urca. A diversão das crianças e dos escaladores – em alturas diferentes – de um lado e o mar do outro, acompanham o visitante até a entrada da trilha de fato, devidamente sinalizada. O caminho é bem marcado e apesar de algumas subidas mais íngremes é um passeio para a família toda. A primeira parte é a mais cansativa, com cerca de 20 minutos indo ao alto e avante.

Até a chegada à estação intermediária do bondinho, há um pequeno mirante, num caminho afluente à trilha principal. É um desvio curto e vale a pena conferir. De lá é possível dar uma boa olhada na enseada de Botafogo enquanto alguns micos dão uma olhada nos visitantes e passeiam ligeiros por cima de suas cabeças. A última parte da trilha é bem tranquila, com subidas leves. Em 15 minutos, a estação de bondinho surge detrás das árvores.

Se você não perdeu o fôlego com a trilha, prepare-se para perdê-lo com a vista. Não importa a direção do seu olhar: a praia Vermelha, agora pequena e distante, lá embaixo; a Baía de Guanabara inteira a seus pés; a Pedra da Gávea; e o Corcovado, sempre de braços abertos. De boca aberta com tanta beleza? Não é à toa o apelido de Cidade Maravilhosa. Do lado, unido ao Morro da Urca por um cordão umbilical de cabos, o Pão de Açúcar, acessível apenas pelo tradicional bondinho ou através de escalada, para os mais radicais.

Nossa parada é no irmão menor mesmo. Com seus 220 metros de altitude ele já proporciona uma paisagem fantástica. Digna de cidade considerada Patrimônio Mundial pela UNESCO, a infraestrutura do local convida o visitante a ficar. Banheiros, espreguiçadeiras e bancos, restaurantes e lanchonetes, e até outras lojas, como uma inusitada H. Stern. A verdadeira joia está ao redor.

O sol se esconde atrás da Pedra da Gávea para deixar a noite vir
O sol se esconde atrás da Pedra da Gávea para deixar a noite vir

Fique, veja a tarde cair. O último trecho da Transcarioca será para todos os corajosos excursionistas fecharem a maratona de trilhas com chave de ouro, como o pôr-do-sol dourado que colore o céu da cidade de tons de amarelo e laranja. Apesar de não ser o Arpoador, a vontade é aplaudir de pé quando o último pedacinho de sol se esconde por trás da Pedra da Gávea. A partir das 19 horas da noite (no horário de verão), a trilha é fechada, para ninguém se aventurar por lá no escuro da mata. Porém a descida de bondinho até a estação da Praia Vermelha é liberada gratuitamente a partir desse horário. Aproveite e curta sem pressa, veja a noite chegar aos poucos e trazer outras luzes, dos carros, prédios e postes, para iluminar o cenário e mudar a lógica da paisagem, que, seja dia ou seja noite, continua maravilhosa.

 

Copie o código e cole em sua página pessoal:

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica.

Leia também

Notícias
15 de agosto de 2022

Licença de operação de termelétricas na Baía de Sepetiba é suspensa pelo Inea

É o segundo revés sofrido pelo empreendimento energético em uma semana. Na terça-feira, a Aneel revogou a outorga de autorização ao projeto por descumprimento de prazos

Notícias
15 de agosto de 2022

Bolsonarismo resiste na Amazônia, mas eleitores se dividem no voto a voto

É apenas na região Norte que Jair Bolsonaro lidera na pesquisa espontânea. Na estimulada, quando os eleitores são apresentados aos nomes dos concorrentes, Lula aparece em primeiro lugar, porém ambos empatam tecnicamente

Reportagens
15 de agosto de 2022

Governadores da nova fronteira do desmatamento buscam reeleição

A criação de uma zona do agronegócio na divisa do Acre, Amazonas e Rondônia (ainda) não avançou, mas a devastação da floresta disparou. Mas nada disso parece mudar a vontade do eleitorado da região

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta