Reportagens

Líder da WWF pede coerência de ações entre países pan-amazônicos

Yolanda Kakabadse, ex-ministra do meio ambiente do Equador e presidente mundial da ONG WWF coloca a Amazônia no centro do debate sobre clima.

Duda Menegassi ·
9 de setembro de 2014 · 8 anos atrás

Yollanda Kakabadse, ex-ministra do meio ambiente do Equador e líder mundial da WWF. Foto: Bruna Duque Estrada
Yollanda Kakabadse, ex-ministra do meio ambiente do Equador e líder mundial da WWF. Foto: Bruna Duque Estrada

Prevista para dezembro, em Lima, no Peru, a 20ª edição da Conferência das Partes da Convenção sobre Mudanças Climáticas da ONU (COP- 20) tem a difícil missão de definir regras e metas concretas para países industrializados e em desenvolvimento e selar um acordo que possa ultrapassar o impasse político que já dura quase uma década para substituir o finado Protocolo de Kyoto. O resultado a buscar são novas medidas globais de combate ao aquecimento global. Um cronograma de trabalho definido pelos líderes mundiais durante a COP-17, realizada em 2011 em Durban, na África do Sul, coloca o ano de 2015 e a COP-21, que acontecerá em Paris, como limites para se começar a agir a tempo de deter o aquecimento da Terra em dois graus Celsius.

A COP de Lima ocorre no país com a segunda maior parcela de bioma amazônico, e isso faz com que a discussão sobre o papel da Amazônia como reguladora climática ganhe atenção especial. Yolanda Kakabadse, ex-ministra do meio ambiente do Equador e atual presidente do Conselho Mundial da organização não governamental WWF (World Wildlife Fund), esteve ontem (8) no Rio de Janeiro para divulgar a Agenda de Seguridade para a Amazônia, criada em 2013 por cinco dos nove países pan-amazônicos: Brasil, Peru, Equador, Colômbia e Bolívia. Kakabadse prega a importância da preservação dos ecossistemas amazônicos não apenas para seus habitantes, mas para todo o planeta. Desde 1993, quando criou a Fundação Futuro Latino-Americano, se dedica a promover o desenvolvimento sustentável nos países da América Latina.

O documento Agenda de Seguridade para a Amazônia explica a função da região de garantir segurança hídrica, energética, alimentar, econômica e de saúde em outras regiões do continente. Este foi o tema central da palestra “Amazônia no Rio”, realizada por Kakabadse na PUC-Rio. A equatoriana criticou a falta de vontade política dos governos: “Por mais que seja horrível, acho importante que alguns poderosos sofram consequências da crise climática, pois, se não há drama, ninguém sente a necessidade de atuar”, disse, em referência à recente adesão à causa ambiental dos líderes Barack Obama (Estados Unidos) e David Cameron (Reino Unido), após incidentes como furacões e enchentes ocorridos em seus países.

Após a palestra, ((o)) eco conversou com Kakabadse. Ela falou sobre os desafios e soluções para a Amazônia e também sobre suas expectativas em relação à COP- 20. Defendeu que a gestão ambiental deve ser transversal, isto é, atinja não só os órgãos ambientais, mas todas as áreas de um governo. Leia a seguir a entrevista:

((o))eco: Quais as suas expectativas sobre avanços nas soluções para as mudanças climáticas na COP deste ano, em Lima, e a de 2015, em Paris?

“A verdade é que nunca a cidade de Nova York entendeu tanto a mudança climática como quando teve um tornado que a afetou por inteiro.”

O termo “mudança climática” não vende a ideia de urgência desse problema, por isso agora falo em crise climática. Acho que todos precisam falar que estamos em uma crise, porque a palavra mudança não é suficiente para fazer o público se dar conta de que as primeiras vítimas não são apenas os pobres e mais vulneráveis, a primeira e única vítima é a humanidade. As ambições para Lima e Paris devem se juntar, pois Lima vai construir os pilares para Paris. Ainda é incerto o que vai acontecer, porque tudo depende dos líderes que estarão presentes. Se tivermos dois ou três grandes líderes em Lima, as decisões serão importantes, mas isso ainda é impossível de prever porque, apesar dos números estarem aí, assim como as análises e o conhecimento, não há vontade política.

E, por mais que seja horrível, eu vou confessar: para mim é muito importante que alguns poderosos sofram as consequências da crise climática. A verdade é que nunca a cidade de Nova York entendeu tanto a mudança climática como quando teve um tornado que a afetou por inteiro. É triste que o ser humano entenda apenas quando está à beira do abismo, mas a realidade é essa. Cameron (primeiro-ministro inglês) decidiu que a mudança climática, crise climática, é uma ameaça à segurança porque o Sul da Inglaterra inundou.

((o))eco: A reunião do GCF (Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas), este ano, aconteceu no Acre, Brasil, e a COP será em Lima, no Peru. Estes são dois países com grandes parcelas do bioma Amazônia. O que isso representa para incentivar a preservação da Floresta Amazônica e seu papel de reguladora do clima?

Ter os responsáveis locais na reunião com os governadores no Acre é uma coisa importante. E assim deve ser em Lima. Porque as decisões que vem de uma esfera muito acima e distante são difíceis de aplicar, mas quando as decisões se tomam naquela localidade, nos governos, nos pequenos estados, elas têm mais potencial de, primeiro, implementar-se em tempos mais curtos e, segundo, de conseguir a participação da comunidade local. E eu acredito que uma perda muito grande hoje em dia, é que a maioria das pessoas não compreende o que é crise climática, o que é risco e insegurança climática. E trabalhar com atores locais de cidades, de populações, de governos e de estados amazônicos é, talvez, o caminho mais eficiente para a preservação da Amazônia.

Yolanda Kakabadse durante palestra na PUC-Rio. Foto: Bruna Duque Estrada
Yolanda Kakabadse durante palestra na PUC-Rio. Foto: Bruna Duque Estrada

((o))eco: Qual a melhor solução para conservação da Amazônia e para frear os impactos negativos?

“O ideal seria desmatamento zero. Nesse momento, essa deveria ser a prioridade número um no Brasil e também nos outros países amazônicos.”

Creio que há várias decisões a serem tomadas. Primeiro, criar políticas públicas para parar o desmatamento. Segundo, estimular uma consciência mais profunda da importância da Amazônia nas crises climáticas, neste momento demonstrada na falta de água que São Paulo vivencia. É preciso também ter uma visão mais integradora no planejamento do Brasil, do Peru, do Equador, da Colômbia e da Bolívia. É necessário ser coerente, a bacia amazônica é um ecossistema compartilhado e se não há coerência política entre esses países, evidentemente estamos no caminho errado. Logo, deve haver integração também entre todos os setores, como água, floresta, agricultura, indústria e construção. É preciso tomar conta de todos os elementos que os afetam, os que são comuns e os que os diferenciam. Se não integrarmos essas disciplinas e essas ações, estamos gerando um impacto mais negativo que positivo.

((o))eco: Quais são os desafios do Brasil?

“Quanto ao agronegócio, ele não é um problema, a não ser que ultrapasse os limites. E toda atividade humana, seja de negócios ou não, precisa de limites.”

O mais importante é diminuir o desmatamento. O ideal seria desmatamento zero. Nesse momento, essa deveria ser a prioridade número um no Brasil e também nos outros países amazônicos. Além disso, trabalhar juntos, de maneira coordenadas, em ações como a proteção de bacias pequenas, médias e grandes e repensar os projetos de desenvolvimento. Existem projetos de desenvolvimento agrícola, de infraestrutura e energéticos que estão pensados para render frutos em cinco ou dez anos. E isso é ruim, temos que pensar em 50 anos, tomar ações que gerem frutos em longo prazo, senão vamos tomar decisões equivocadas.

((o))eco: Como Ministra do Meio Ambiente do Equador, você viu de perto as engrenagens governamentais que muitas vezes impedem planos de preservação ambiental. Qual a melhor forma de garantir que os governos desses países ajam?

Para ter êxito no governo quando se é ministra do Meio Ambiente é preciso sair da área e negociar com o ministro da Saúde, dizer que é preciso investir mais nos rios, que isso é um benefício para a saúde e para a natureza. Trabalhar com o Ministério de Transportes a respeito de como converter o transporte público em algo que seja benéfico para o meio ambiente e para a cidade. O mesmo com construção, com produção alimentícia para a cidade. O Ministério do Ambiente tem a grande vantagem de poder tecer seus interesses através de todos os outros setores do governo, inclusive os ministérios da Defesa e das Relações Exteriores.

((o))eco: No Brasil, o agronegócio e as represas hidrelétricas representam dois poderosos setores nacionais. Como você vê essas atividades?

Primeiro, quanto ao agronegócio, ele não é um problema, a não ser que ultrapasse os limites. E toda atividade humana, seja de negócios ou não, precisa de limites. A expansão da área agrícola rompe com a lógica e o equilíbrio natural. Temos que respeitar esses limites, principalmente quando afetam a natureza. Isso também vale para as hidrelétricas. Eu creio na hidroeletricidade, mas também creio que é necessário saber tomar decisões de quanto, onde e de que tamanho. Se resolvermos esses três elementos, as represas são uma grande contribuição. E é preciso também pensar de onde virá a água depois de 50 anos. Não construa uma represa para dez anos. Tem que construir para 30, 40, 50 anos.

 

 

Leia também
WWF-Brasil apresenta 29 propostas aos candidatos
WWF-Brasil lança campanha em prol do Parque Nacional do Juruena
WWF produz radiografia da Frente Parlamentar anti-UCs e Terras Indígenas

 

 

 

  • Duda Menegassi

    Jornalista ambiental especializada em unidades de conservação, montanhismo e divulgação científica. Escreve para ((o))eco des...

Leia também

Notícias
20 de maio de 2022

Alto custo é principal barreira para visitação de parques

De acordo com estudo, alto custo da viagem, distância e falta de informações disponíveis são os principais obstáculos para visitação de parques naturais

Notícias
20 de maio de 2022

Presidenciáveis recebem plano para reverter boiadas ambientais de Bolsonaro

Estratégia ‘Brasil 2045’ propõe medidas para reconstruir política ambiental brasileira e fazer país retomar posição de liderança global em meio ambiente

Análises
20 de maio de 2022

O dilema de Koniam-Bebê

Ocupação indígena no Parque Estadual Cunhambebe realimenta falsa dicotomia entre unidades de conservação e territórios indígenas

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta

Comentários 1

  1. Cássio Garcez diz:

    Brilhante análise, Beto. Parabéns e obrigado por ela.