Reportagens

Áreas protegidas do Amapá ganham fundo financeiro

Fundo Amapá terá um aporte inicial de 5 milhões de reais e o dinheiro será usado para consolidar as unidades de conservação do estado.

Vandré Fonseca ·
14 de julho de 2015 · 7 anos atrás

Bromelia é parte da paisagem das florestas do Amapá. Foto: Enrico Bernard
Bromelia é parte da paisagem das florestas do Amapá. Foto: Enrico Bernard

As florestas do Amapá ganharam um fundo especial, com aporte inicial de R$ 5 milhões, cujos rendimentos no mercado financeiro serão usados para consolidar e manter Unidades de Conservação. O fundo inicialmente irá priorizar as áreas protegidas estaduais.

O Fundo Amapá foi criado pela organização não governamental Conservação Internacional (CI-Brasil) em parceria com o governo do estado e o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio). O governo estadual dará uma contrapartida de R$ 1 milhão, usados em ações e projetos integrados com este fundo.

O dinheiro obtido através do Fundo Amapá poderá ser aplicado em ações para a conservação e uso sustentável dos recursos naturais, incluindo manejo e capacitação técnica. A intensão é também reduzir a pobreza, com o aumento da renda e o estabelecimento de arranjos produtivos locais. Ele vai complementar as ações já realizadas pelo Amapá, sem pretender substituir as obrigações dos governos em relação às UCs.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente do Amapá, Marcelo Creão, um dos objetivos do fundo é a geração de renda para comunidades que vivem nas reservas. “A sustentabilidade financeira das áreas protegidas tem sido um grande desafio”, afirma o secretário.

Atualmente, o território do Amapá tem 72% sob proteção formal. São 19 Unidades de Conservação e 5 Terras Indígenas, num total de 10,2 milhões de hectares. De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), é o estado mais conservado da Amazônia, com 98% de florestas primárias.

O dinheiro será administrado pelo Funbio, a quem caberá definir a composição dos investimentos no mercado financeiro, sempre com a aprovação do Conselho de Doadores, composto por membros da Sociedade Civil e Órgãos Públicos. Ainda não existe previsão sobre quais projetos devem ser financiados.

“Apenas o rendimento será utilizado para projetos nas Unidades de Conservação, não será movimentado o valor principal ou qualquer valor que conseguirmos mobilizar para o fundo”, explica o vice-presidente da CI-Brasil, Rodrigo Medeiros.

O gerenciamento pelo Funbio, uma associação civil sem fins lucrativos, garante também que mudanças do comando do governo estadual não interfiram na missão e execução das ações do Fundo Amapá. Medeiros lembra que as negociações para criação desse mecanismo começaram na gestão estadual passada.

O vice-presidente da CI-Brasil destaca que a Conservação Internacional já atua no Amapá desde 1995, na criação de Unidades de Conservação, como o Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque. Por isso, seria natural que o estado recebesse mais essa iniciativa.

Ele conta que a iniciativa faz parte da estratégia Fundos para a Vida, da Conservação Internacional, que pretende criar condições para a sustentabilidade financeira de áreas protegidas e mosaicos.

Em 2012, foi criado o Fundo Kayapó, que recebeu inicialmente R$ 14,4 milhões, do Fundo de Conservação Global, da CI, e do Fundo Amazônia, via Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Ele atende a Terras Indígenas ocupadas pela etnia kayapó no Pará e Mato Grosso. O dinheiro obtido é usado em programas que vão desde a melhoria na capacidade de beneficiar mandioca à infraestrutura e organização das comunidades.

Será criado ainda um terceiro fundo, para atender ao Sul da Bahia e o arquipélago de Abrolhos. “O fundo vai estruturar e beneficiar as Unidades de Conservação daquela região, onde estão concentrados grandes remanescentes de Mata Atlântica”, diz Medeiros, antecipando que o lançamento deve ocorrer entre setembro e outubro deste ano.

 

*Este texto é original do blog Observatório de UCs, republicado em O Eco através de um acordo de conteúdo.

 

 

Leia Também
Roraima: mudança na classificação de APAs pode facilitar desmatamento
Parque Nacional de Pacaás Novos é barreira ao desmatamento em Rondônia
Queimadas em Unidades de Conservação dobram no primeiro semestre de 2015

 

 

 

Leia também

Reportagens
25 de junho de 2015

Queimadas em Unidades de Conservação dobram no primeiro semestre de 2015

 Foram identificados 10.036 focos de incêndio entre 1º de janeiro e 22 de junho de 2015, enquanto em 2014 havia 4.798, um aumento de 109,23%.

Reportagens
24 de junho de 2015

Parque Nacional de Pacaás Novos é barreira ao desmatamento em Rondônia

 Unidade de Conservação é uma das guardiãs da floresta amazônica no estado, que sofre com o avanço da fronteira de expansão agrícola.

Reportagens
14 de julho de 2015

Roraima: mudança na classificação de APAs pode facilitar desmatamento

Interpretação defendida por políticos locais pode reduzir áreas de floresta a serem recuperadas no estado, conforme determina o Código Florestal.

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta