Reportagens

A ciência engajada na preservação da Amazônia

Imazon completa 25 anos no mês de julho. ONG se destaca pela produção científica e por fazer monitoramento independente do desmatamento na região.

Vandré Fonseca ·
22 de julho de 2015 · 6 anos atrás

Floresta Estadual de Trombetas faz parte da Calha Norte Paraense. A criação do mosaico de Unidades de Conservação, Quilombos e Terras Indígenas com cerca de 12 milhões de hectares contou com estudos do Imazon. O instituto continua a atuar na região. Foto: David Alves/Arquivo Agência Pará.
Floresta Estadual de Trombetas faz parte da Calha Norte Paraense. A criação do mosaico de Unidades de Conservação, Quilombos e Terras Indígenas com cerca de 12 milhões de hectares contou com estudos do Imazon. O instituto continua a atuar na região. Foto: David Alves/Arquivo Agência Pará.

Manaus, AM — Julho é aniversário do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), uma organização não governamental criada em 1990 para fazer pesquisas que ajudem a proteger a floresta e melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem nela. São vinte e cinco anos, desde os primeiros estudos sobre o manejo florestal de baixo impacto, às contribuições que ajudaram na criação de mais de 20 milhões de hectares de Unidades de Conservação na Amazônia, até a criação de um sistema próprio que monitora o desmatamento na Amazônia.

As conversas e preparativos para a fundação do Imazon começaram em 1988. Era uma época de grande pressão ambiental e social sobre a região, com desmatamento acelerado e poucos estudos sobre as transformações da paisagem. Nesse ambiente de crise, o ecólogo americano Christopher Uhl, então pesquisador visitante da Embrapa, viu uma oportunidade de servir à Amazônia.

A criação contou com a parceria de Adalberto Veríssimo e Paulo Barreto, hoje pesquisadores seniores do Imazon, e David McGrath, que se tornou professor na Universidade Federal do Pará (UFPA) e pesquisador Associado do Instituto de Pesquisas da Amazônia (IPAM). Ao longo de duas décadas e meia, segundo o site do instituto, o Imazon publicou 642 trabalhos técnicos, dos quais 193 conquistaram páginas de revistas científicas internacionais. Foram publicados também 71 livros e 26 livretos.

A produtividade e repercussão dos trabalhos do Imazon levaram o instituto a figurar este ano, pela primeira vez, no ranking dos 100 melhores centros de estudos estratégicos independentes sobre economia e política de Mudanças Climáticas do mundo, preparada pelo International Center for Climate Governance (ICCG). O instituto figura na 66a posição na análise per-capita, ou seja, que leva em consideração o número de pesquisadores, e 53a na absoluta.

“Nosso esforço é fazer o homem ver que a floresta traz benefícios com os serviços ecossistêmicos e que, se explorada de forma adequada, ela pode contribuir para ganhos econômicos”, afirma a bióloga Andréia Pinto, diretora executiva do Imazon. “Proteger a floresta sem o homem não vai trazer um futuro sustentável”.

Conquistas

Para Andréia Pinto, um dos grandes feitos do Imazon foi contribuir para a criação de um grande bloco de Unidades de Conservação Estaduais na Calha Norte do Rio Amazonas, no Pará, com 12,8 milhões de hectares. De acordo com ela, o Imazon atuou desde a prospecção e até hoje luta para consolidar essas Unidades de Conservação.

Um dos estudos recentes do Imazon é sobre os impactos positivos dos acordos que os frigoríficos assinaram, em 2009, com o Ministério Público Federal e com a ONG Greenpeace, para não comprar gado de fazendas com irregularidades ambientais. Produzido por Paulo Barreto em parceria com Holly Gibbs, da Universidade de Wisconsin, o trabalho mostra que esse tipo de medida funciona. Por exemplo, o percentual de fazendas com Cadastro Ambiental Rural que fornecem aos frigoríficos do acordo aumentou de 2% para 96%, no período 2009-13.

O projeto mais famoso talvez seja o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), em operação desde 2007, que monitora por meio de imagens de satélites, mensalmente, a derrubada da floresta amazônica no Brasil. “O grande papel de um sistema independente é a regularidade da informação livre do contexto político e econômico”, afirma Andréia Pinto. “Há anos de eleição em que é perceptível a retenção de informação, quando ela não é positiva”.

Segundo ela, desde a fundação, em 1990, uma das prioridades é “gerar informação com precisão e celeridade para chegar nas mãos dos tomadores de decisão ”, antes que o dano ambiental tenha se consolidado.

 

 

Leia Também
Inpe e Imazon: vigilantes do desmatamento da Amazônia
Unidades de Conservação mais desmatada são vizinhas de grandes obras na Amazônia
Na lente do satélite, crônica da Amazônia

 

 

 

Leia também

Reportagens
15 de outubro de 2021

Com acordo político, 1ª parte da Conferência da ONU sobre Biodiversidade chega ao fim na China

Mais de 100 países assinaram Declaração de Kunming, se comprometendo politicamente a preservar a biodiversidade do planeta

Reportagens
14 de outubro de 2021

Estudo amplia de 39 para 74 os modos de reprodução conhecidos dos anfíbios e cria nova classificação

Estudo propõe um novo sistema de classificação dos modos reprodutivos para toda essa classe de animais composta por anfíbios anuros (sapos, rãs e pererecas), salamandras e cecílias (cobras-cegas)

Reportagens
14 de outubro de 2021

Licenciamento de resort em Maricá foi cancelado na Justiça, afirma advogada

Andamento no Inea surpreendeu pesquisadores e ambientalistas que movem ações judiciais contra o projeto Maraey. À frente da iniciativa, IDB Brasil nega impedimento legal

Mais de ((o))eco

Deixe uma resposta